« junho 2002 | Main | agosto 2002 »

julho 31, 2002

Coisas, Muitas Coisas

Como a gente junta coisas!

Estamos neste apartamento há quase oito meses. Temos um guarda-roupas tamanho médio cujas portas vão até o teto, mas já não temos mais como pendurar cabides. Num outro mini-armário do quarto, Martin instalou um varão para pendurarmos casascos, que também está lotado. Temos uma gaveta cada um e outra gaveta dividimos para pôr só shorts, camisetas regatas e biquinis (vestuário pouquíssimo usado por aqui). O armário tem outros compartimentos em formato de cubos, também tomados pelas calças e blusas. Os compartimentos maiores que ficam em cima servem para guardar edredon, cobertas e coisas que não usamos muito.

Ufa! Tudo quase lotado. Quando o guarda-roupas foi instalado pensamos que ele ia ficar praticamente vazio e agora quase não há espaço. Já tirei muita roupa para doar, só temos o necessário para vestir todos os dias mesmo, sem nada de excesso.

Além disso, os livros e CDs estão ao deus dará, já que a sala não tem nenhum móvel a não ser um sofá e uma TV. E o quarto de hóspedes que um dia será um bonito escritório, ainda está muito distante de ao menos ser chamado de "quarto". Pelo menos nossos documentos estão em ordem, em pastas-arquivos enormes e coloridas, porém guardadas também dentro do mini-armário.

Martin adora guardar tudo. Tem uma coleção de cabos, outra de circuitos eletrônicos, outra de plugs, outra de placas. Fora
todo o arsenal bicicletal. E as ferramentas! Não nos esquecemos das ferramentas. Milhares, de todos os tipos, funções e cores. Pelo menos consegui juntar tudo isso em caixas grandes de plástico, com tampas etiquetadas. Ufa...

Dia desses descobrimos que podemos usar a parte de cima do nosso teto, chamado aqui de loft. Caprichoso, Martin fez um piso de tábuas de compensado lá em cima, instalou uma escada dobrável na portinha e é lá onde guardamos nossas malas de viagem e outros trecos de uso não-periódico.

E a cozinha? Meu God do céu... Os armários superiores foram projetados por um desenhista muito desavisado que nunca entrou
numa cozinha a não ser para tomar água. O problema desses armários superiores é que não se pode colocar um prato deitado, porque é estreito demais e a porta não fecharia. Posso com isso?? Então nós temos que colocar os pratos nos armários inferiores, tomando lugar de onde é preciso guardar as panelas, refratários, Tupperwares, assadeiras. E aí fica tudo empilhado, difícil de usar qualquer coisa. Um desses armários inferiores foi preciso transformar em dispensa, diminuindo mais ainda o espaço disponível.

É impressionante como temos a imediata capacidade de preencher espaços vazios!

Escrito a mão pela Marcia às 3:40 PM

Entrando nos Eixos

Hoje já consegui acordar sem sofrer muito. Tomei meu café mesmo sem estar com fome, mas meu corpo precisa saber o horário que tem que sentir fome novamente. Ontem definitivamente eu estava um bagaço, só cansaço e sono. O tempo por aqui está bem nublado, com previsão de chuva e devo ficar por aqui tentando (ainda) desfazer as malas.

Escrito a mão pela Marcia às 8:03 AM

julho 30, 2002

Batuques

Compramos no Brasil os CDs da Marisa Monte (Mais) e do Gilberto Gil (Unplugged). Estou ouvindo-os agora, é tão bom esse barulhinho brasileiro!

Ah, recado para meu primo Maurício: apesar da alegação do Julinho de que seríamos deportados na alfândega por porte de drogas, o DVD Acústico do Só Pra Contrariar entrou na Inglaterra via bagagem de mão do Martin, para o meu desespero. :o)

Trouxe também meus velhos CDs, de Roy Orbinson a House of Love, que estava com saudades. Que bom!

Escrito a mão pela Marcia às 5:07 PM

On Diet

Foram dias e dias de muita comilança das boas: comidinhas feitas pela minha mãe, Dona Wal. Café da manhã com pão fresco, requeijão, café com leite integral (linda a nova garrafa da Parmalat!), salames, rosbifes, manteiga. Almoços com virado à paulista, macarronada, coxinhas, carne de panela, feijoada, mandioca frita, feijão com costela, ravioli. Jantar com pizzas, batatas, saladas, lagarto recheado. Sem contar os biscoitinhos com chá, o bolo de caçarola que meu pai Seu Jorge trouxe da padaria em que trabalha, frutas de todos os tipos, docinhos, pastéis, caldo de cana e chocolates. Muita comida. Todas cheias de calorias. Mas nos deliciamos como nunca, afinal não é sempre que podemos fazer essa festa.

A dieta ficou para depois. Assim que voltamos resolvemos fazer uma dietazinha bem boazinha, sem restrições. Martin precisa mais do que eu, na verdade. Mas ficarei satisfeita de perder pelo menos uns dois quilos também. Então estamos nos organizando para comer com mais freqüência (5 refeições), porém com alimentos menos calóricos. Ontem compramos muitas frutas, carnes magras, muitas opções para balancear nossa dieta. Também avisei nosso fornecedor da cesta de legumes que já voltamos de férias.

Os exercícios físicos em academia vão demorar um pouco, já que financeiramente ainda estamos complicados. Continuaremos com
nossas diárias caminhadas pelo bairro, abnominais (a barriga é o alvo) e pedaladas no final de semana.

E assim esperamos nos sentir mais leves. E menos barrigudos. :o)

Escrito a mão pela Marcia às 12:59 PM

Confusa

A diferença dos fusos é bem pequena, apenas 4 horas. Quando chegamos ao Brasil, nem sentimos muito, principalmente pelo tanto de coisas que queríamos fazer. Mas chegando aqui na Inglaterra meu corpo não quer saber de se adaptar. Foi difícil conseguir dormir ontem, um pouco também pelo calorzão que estava fazendo. Li muito do livro que ganhei da minha amiga Adriana. Acordei com o Martin, antes das sete, tomamos café da manhã e... voltei para cama para dormir até meio-dia. Que canseira. Acordei ainda cansada, sem energia pra arrumar a bagunça que fizemos abrindo as malas. O apartamento precisa de uma boa passada de aspirador, as roupas lavadas estão na máquina esperando o milagre da penduração, as malas precisam sair do caminho do hall. Mas estou tão mole... uma leseira... zZzZzzZz...

Escrito a mão pela Marcia às 11:54 AM

julho 29, 2002

De Volta ao Lar

Não há como escrever aqui o quanto foi difícil ter que abraçar minha família no aeroporto e partir. Senti muito mais desta vez, foi milhares de vezes mais difícil. Porque eles todos estavam lá, nos olhando, já com muitas saudades. Não sou boa em despedidas. Pensei em ligar para todos amigos e não liguei para ninguém. Não liguei porque já estava sendo bem difícil o suficiente. Espero que todos entendam. Na sala de espera Martin e eu choramos, mas ao mesmo tempo estávamos felizes, já que não há aeroportos que nos separem mais. Foram dias maravilhosos e assim vou guardar na lembrança do meu coração. Adoramos cada instante, cada minuto foi muito especial. O tempo passou voando, duas semanas voam com asas de concorde.

Aproveitamos ao máximo a companhia da minha mãe, do meu pai, da minha irmã Débora e do Cláudio, do meu irmão Júlio, da Maristela e da linda Juliana, da Bianquinha que dormiu conosco o tempo todo, do primo sempre muito amigo Maurício, do Marcelo, da Nete, do Lucas e Matheus, da minha tia querida Elza e do meu tio Paulo, do primo Hiroshi. Senti falta do meu irmão Claudinei, da Angélica e do pequeno Kauan, mas oportunidades de nos encontrar não faltarão, ainda precisamos conhecer a bela Fortaleza!

Fomos ao Brasil com uma mala e voltamos para a Inglaterra com três, além de duas bagagens de mão. Trouxe algumas roupas que não couberam na mala no dia da mudança, trouxe livros, CDs, algumas guloseimas brasileiras, duas pingas Ypioca, Tupperwares novinhos (ótimos para levar em festas de tias e trazer muita comida, eita) e muitas coisinhas de decoração. Compramos novos peixinhos flutuantes de vidro (deveria ter comprado mais três, ficou sobrando espaço no aquário ainda), compramos algumas roupas novas e CDs de softwares.

O vôo de volta -- para compensar a ida que foi um inferno -- foi bem tranqüilo, conseguimos assentos na porta de emergência, o que significa nenhum banco a nossa frete e espaço de sobra para esticar as pernas. A refeição -- só porque eu havia falado que era um horror para todo mundo -- estava maravilhosa! Até o pãozinho, que geralmente serve como instrumento letal, estava fofinho e quentinho. Uma delícia. Mas não há nada que minimize o desconforto de voar por 11 horas, de (tentar) dormir sentados, de usar banheiro minúsculo, de chacoalhar nas turbulências. Aterrissamos em Londres num calor insuportável, mais de 27ºC, sem vento e seco. Passei pela imigração sem qualquer problema desta vez, apenas disse que sou casada com um inglês e meu passaporte foi devolvido sem mais perguntas, nem quiseram ver a certidão de casamento que eu havia colocado junto com o visto. Eles devem pensar: "se um polido inglês escolheu ela para casar, então ela não deve ser de todo mal". Mas enfim, acabou aquele stress todo de ter que provar que não sou clandestina.

Pagamos o hotel cinco estrelas em que nosso carro ficou hospedado e viajamos cerca de duas horas até chegar em
Bournemouth. Entramos em casa exaustos, nem conseguíamos conversar direito, as frases não faziam o mínimo sentido. Fiz um macarrão com atum (tava muito calor!!), agüei as plantas, cochilamos, fomos comprar leite, jantamos pizza congelada e caímos na cama. Acordamos hoje depois das onze da manhã.

Apesar da grande saudades de todo mundo que está no Brasil, é muito bom poder dormir na nossa caminha, é muito bom estar de volta ao lar, com meu queridíssimo Martin ao meu lado. Aqui é meu lar. Estou feliz de estar de volta. Meu coração está no Brasil e aqui em casa ao mesmo tempo. É bom voltar. Para qualquer um dos países. Sempre. :o)

Escrito a mão pela Marcia às 1:48 PM

julho 26, 2002

Um ano de muita vida escrita

Há um ano atrás eu iniciava este blog. Estava no Brasil, de malas prontas para minhas férias na Inglaterra para encontrar com o então namorado Martin. Um ano depois e estou novamente no Brasil, casada com o marido Martin, de malas quase-prontas para voltar para nossa casa na Inglaterra depois dessas maravilhosas férias. E durante todo esse tempo fui registrando aqui todo meu dia-a-dia, meus sentimentos, minhas esperanças, frustações, lutas, inseguranças, alegrias e conquistas. Mais do que um passatempo, este blog passou a ser um registro da fase mais gratificante da minha vida.

Minha família começou a ler fielmente. Os amigos não tardaram a chegar. Um a um começaram a acompanhar a minha vida nos tornando ainda mais cúmplices. E novos amigos também chegaram: Marie, Nathilda, Giorgia, Fer Guimarães, Cris-lagarta, Edson, André Sá, Vânia, Mary, Letícia, Beta, Caty, Clarice e muitos outros, todos interagindo comigo, discutindo, rindo, dando opinião, comentando enfim. Foi um dos presentes mais inesperados e preciosos que este blog trouxe para mim.

Portanto, hoje quero agradecer da maneira mais piegas a todos os leitores da minha vida. Porque isto parece, mas não é ficção, é a minha vida. E vocês todos fazem parte dela. Muito obrigada por todos os insights, apoio, bronca, por tudo. Muito obrigada por me ajudarem a escrever com muito carinho cada linha desta história. Muito obrigada por correrem os olhos nesta vida escrita à mão.

Escrito a mão pela Marcia às 4:06 AM

julho 25, 2002

Honeymoon

Tudo tudo deu certo em Búzios. Fizemos uma excelente viagem. Só choveu na manhã de terça-feira, mas todo o tempo restante fez um delicioso sol com céu azul. Estávamos só nós dois de hóspedes na Pousada Praia Rasa. Fomos atendidos com muita atenção e gentileza típica dos buzianos. Nosso quarto tinha uma varanda enorme com vista de frente para o mar, apaixonante! Não visitamos todas as praias de Búzios, apenas as que mais gostamos: Azeda e Azedinha. As duas fazem parte da área de preservação ambiental. Um misto de mata atlântica, pedras e uma água cristalina de fazer qualquer um suspirar.

Comemos muito e comemos muito bem em Búzios! Logo que chegamos enfrentamos um por quilo chamado Boom, de comida boa e preço honesto. A noite fomos a um restaurante mexicano que merece todas as honras, chamado Guapo Loko, com umas fajitas que marcaram história em nossa vida de comilança, sem dúvida! Maravilhoso! No dia seguinte comemos as famosas crepes do Chez Michou, boas também mas nada de muuuito especial não. Já o jantar foi tudodibom e mais um pouco: Chez Briggita's! Atendimento em inglês, ambiente super pitoresco, uma anchova grelhada divina, que encerrou nossa estadia com garfo de ouro!!

Passeamos muito pelas lojinhas da badalada Rua das Pedras mas só compramos camisetas para o meus pais, nada mais. Búzios tem artesanato bem diversificado, mas caro.

A Praia Rasa, de frente ao nosso quarto era uma tranqüilidade de tão deserta e calma. Fizemos caminhadas na areia todos os dias e ontem, como estava muito calor, ficamos no mar por um longo tempo, só relaxando o corpo nas ondas. Que coisa boa!!

Martin adorou as sandálias Havaianas que ganhou da minha mãe. No primeiro dia ele ia andar na praia de tênis e meia. Ensinei a ele a caminhar na areia descalço e segurando as Havaianas pelas tiras. Em pouco tempo ele já estava acostumado e ia sozinho lavar a areia das Havaianas no mar, praticamente um cidadão brasileiro! :o) Depois ele viu um pescador segurando uma Havaiana em cada mão como se fossem luvas e dali por diante ele carregou seu par de chinelos assim. Praticamente um goleiro de pelada de várzea. :o)

Nos divertimos muito, vimos cenários lindos nas praias do Canto, Rasa, da Armação, Azeda e Azedinha, brincamos na água, catamos conchinhas (que eu adoro!), assistimos os pescadores tirarem a rede do mar cheia de peixes, vimos o pôr-do-dol diversas vezes. Enfim, fizemos de tudo para aproveitar cada instante. Até na chuva caminhamos, sentindo os pingos gelados nas costas e o mar morno nos pés. Nada nos desanimou. Aliás, agradecemos a Deus por tudo, tudo. Tudo foi muito agradável. Tudo foi muito bonito. Como a vida deve ser! :o)

Escrito a mão pela Marcia às 4:56 PM | mais em On the Road Again

julho 22, 2002

Férias dentro das férias

Amanhã de manhã iremos para Armação dos Búzios para relaxar e ter a nossa tão esperada lua-de-mel. Sei que o tempo não está lá muito lindo, mas o importante vai ser curtir a companhia um do outro, passear com calma, ver o mar, comer comida típica litorana, respirar fundo e agradecer a Deus por tudo. Espero que tudo tudo dê certo. Quarta-feira à tarde estaremos de volta.

Escrito a mão pela Marcia às 12:37 AM | mais em On the Road Again

julho 20, 2002

Percepções

Quando larguei tudo e me mudei para a Inglaterra tive muitas expectativas, esperanças e ansiedades. Nem pude perceber direito
tudo o que estava deixando para trás. Acredito que desta vez vai ser mais difícil deixar minha família, minha Bianca, meus amigos, meu País. Mas por hora quero apenas continuar aproveitando todos os minutos ao lado de tudo isso que é importante para mim.

Escrito a mão pela Marcia às 1:25 PM

julho 19, 2002

Cultura

E para não dizer que a gente só come e vai nos shoppings aqui em SP, ontem fomos ver a exposição de Renoir no MASP. Está muito linda, principalmente a área das pinturas. Andamos pela Paulista em baixo da garoa característica e comemos beirute. Depois pegamos um trânsito mais característico ainda!

Escrito a mão pela Marcia às 3:11 PM

julho 18, 2002

Amigos do coração

Dizer que ontem o jantar com meus amigos foi delicioso é redundância e eufimismo. Eu queria poder ter o talento de escrever como foi comovente encontrar com pessoas tão especiais na minha vida. Mas qualquer palavra vai estar incompleta, porque para falar dos meus amigos preciso de poesias, de músicas, de efeitos hi-tech, de folhas de outono, de barulho de cachoeira, de passarinhos voando em círculo no céu, de animais se espreguiçando no chão, de sorrisos, de abraços e de risadas.

Foi muito mais que isso. Reencontrar meus amigos foi uma benção! Miriam, Adriana, Clara, Cristina-Tadeu-e-Carolina,
Laelya (a anfitriã), Anelise, Mari, Fábio, Alê, Ed e Claudinei estavam todos lindos aos meus olhos, cheios da mais contagiante alegria que tanto senti saudades. Jantamos uma comida mineira divina: vaca atolada, arroz, risadas, tutu de feijão, lombo assado e couve refogada. Martin amou e comeu bem dois pratos. Depois vieram as sobremesas: bolos, tortas, pavês (to see) e mais risadas. Tudo com bons vinhos, Fanta Citrus e mais um pouco de risadas.

Senti que por causa da magia deste blog meus amigos todos já estavam bem por dentro de como a minha vida está no momento e pudemos nos dedicar mais às besteiras, as gozações e insanidades.

Ganhamos um par de quadros pintados pela Adriana, m-a-r-a-v-i-l-h-o-s-o-s, vou colocar a foto aqui assim que puder! Amamos mesmo, sem palavras para descrever!!!

Mas fotos mesmo Martin e eu tiramos poucas com nossa câmera porque cada instante era muito valioso para mim, não queria ficar tirando fotos, mas sim curtir cada um deles, olho a olho, para guardar tudo no coração! E assim será. Obrigada, meus queridos!!! :o)

Escrito a mão pela Marcia às 1:59 PM

julho 17, 2002

Hangover

O jantar com fondue ontem na casa da amiga Natalia foi tududibom. Muitas risadas como há muito não ria só com as
besteiras que falávamos. E um fondue de queijo acompanhado de uma sobremesa de petit gateaux que estava dos deuses da gula. Deliciosos mesmo. Martin também adorou noite. E eu que nunca bebo bebi vinho do porto e duas taças de vinho e hoje estou com uma dor de cabeça que nem sei mais quem sou. Fui na padaria e comprei Coca-Cola. Porque mais a noite temos outro jantar com mais amigos para dar mais risadas e não vejo a hora de estar com eles! Acho que vou levar outra Coca-cola.

Hoje de manhã fomos caminhar no Autódromo de Interlagos e de quebra assistimos o treino do kart, tomando sol na arquibancada.
:o)

Escrito a mão pela Marcia às 4:16 PM

julho 16, 2002

Boa Vida

Estamos nos sentindo reis aqui. Toda atenção do mundo para a gente. A Bianca está dormindo todos os dias no nosso quarto, está toda feliz com a gente aqui, ela recebe carinho a cada vez que respira. Minha mãe continua firme e forte na sua decisão de nos transformar naqueles homenzinhos Umpa-Lumpa da Fábrica de Chocolate Wonka. Ontem ela fez virado à paulista com tudo o que tínhamos direito: couve, bisteca, tutu de feijão, etcéteras. Meus irmãos ligaram pra nós. Meus tios e primos já vieram nos visitar, conversamos um bocado. No domingo jogamos boliche e meu primo Maurício fez nada menos que 5 strikes numa partida, sendo 4 consecutivos, assim não dá. Nos divertimos, rimos, tiramos fotos. Ontem fomos comprar umas roupinhas baratas
porque estávamos parecendo fagelados de guerra com nossas roupas de mais de 5 anos atrás. Hoje vamos na casa da amiga Natalia para comer fondue, nham! Amanhã encontro mais amigos para um jantar mineiro, uai! Sábado temos um almoço para ir na casa do primo Marcelo. Ufa. Todo mundo nos quer bem, todos querem nos agradar e a gente tem que tomar cuidado para conseguir arranjar um tempo para também ficar em casa com minha família, que é o que mais sinto falta morando longe. Martin tem adorado toda essa hospitalidade, fica muito feliz de ser recebido assim. Meu cérebro está a todo vapor para traduzir todos os diálogos, mas ele se esforça para falar português e presta atenção para advinhar o assunto da conversa. Tudo tem sido maravilhoso aqui
no Brasil e Deus queira que assim continue porque são essas as lembranças que ficarão conosco quando retornarmos. :o)

Escrito a mão pela Marcia às 11:53 AM | mais em On the Road Again

julho 14, 2002

Chegamos em São Paulo

Graças a Deus o vôo foi muito tranqüilo, chegamos no Brasil com 10 minutos de antecedência por causa dos bons ventos que nos trouxeram. Minha mãe, irmã e cunhado foram nos buscar no aeroporto, foi um encontro de muita emoção!! São Paulo não está nada diferente de seis meses atrás. Mas estou sentindo muito frio aqui, o clima está gelado, mas ao menos o sol têm aparecido!

Ontem almoçamos um arroz com feijão caseiro feito pela minha mãe, que também preparou uma carne assada e salada básica. Jiboiamos e depois fomos com o primo Maurício ao Shopping Morumbi para trocar as lentes do meu óculos em 1 hora (minhas lentes estavam opacas de tantos riscos). Demos uma passadinha no Viena para uns chopps e uns petisquinhos de coxinha, bolinha de queijo e croquetes bem fresquinhos. Voltamos para casa às oito e sentíamos que era meia-noite, tamanho cansaço. Tomamos chá com leite (hehehe) e desmaiamos na cama.

Dormimos cedo e acordamos antes da sete da manhã hoje. Tomamos um café da manhã divino, com pão de padaria quentinho, manteiga e café com leite, típica e deliciosamente brasileiro. Que delícia começar o dia assim! Fomos à feira livre, Martin ficou maravilhado com a quantidade e qualidade dos legumes, das verduras e principalmente das frutas. Gentis como sempre, os vendedores deram pedaços enormes de frutas docíssimas para a gente experimentar. Martin adorou jabuticaba e fruta do conde, compramos algumas delas. E não nos esquecemos de comprar pastés de feira -- dois de queijo e um de palmito -- acompanhados da boa e velha Guaraná Antartica.

Agora estamos enrolando até o almoço ficar pronto: macarronada com frango assado de padaria.

Se isto não é o Paraíso, devemos ter descido numa estação bem próxima! :o)

Escrito a mão pela Marcia às 7:14 PM | mais em On the Road Again

julho 12, 2002

Voando para minha terra

Pessoas queridas e amadas, nossas malas estão prontas, nossos documentos separados, tudo prontinho. Estamos de saída agora de
manhã para buscar nossas fotos, depois iremos almoçar e partir para Londres, quatro horas de distância daqui. Precisamos encontrar o estacionamente onde nosso carro ficará hospedado, fazer o check-in e finalmente embarcar para o Brasil. Estamos muito eufóricos! Eu estou com muitas saudades de todo mundo! O próximo post será escrito em meu velho PC que está na casa de meus pais. Até lá, gente! :o)

Escrito a mão pela Marcia às 10:05 AM | mais em On the Road Again

julho 11, 2002

Tá frio?

Alguém pode me dizer como está a temperatura em São Paulo, plis? Me disseram que está fazendo um friozinho, mas quão frio está? Não estou levando nenhuma parafernália de cachecol, luvas e chapéu que uso no inverno daqui. Só algumas blusas. Mr.M anda de bicilecla de shorts quando está nevando, então acho que ele não vai ligar muito para o frio de São Paulo. Mas eu não gosto de sentir frio, não. :o)

Escrito a mão pela Marcia às 4:59 PM

Quase tudo pronto

Aff, aff... Limpei a casa toda, troquei e lavei os lençóis, passei a montanha de roupas e camisas "de traballho" do Martin, almocei um pratão de fetuccine à carbonara, arrumei a mala, fiz depilação (ouch!), arrumei minha bolsa (com M&Ms azul, livro Arthemis Fowl 2, pastilhas TicTac, carteira), coloquei a câmera e o celular para carregar as devidas baterias, programei o videocassete, guardei a louça lavada. Uffff... Ainda falta fazer o jantar, bem basiquinho hoje. Cansei, mas vai ser ótimo voltar e chegar em casa e ver tudo limpinho, arrumadinho. Nosso vizinho e colega de trabalho do Martin, o Rob e sua esposa Linda, vão cuidar do nosso apartamento quando estivermos fora. Just in case.

Escrito a mão pela Marcia às 4:48 PM

Muita coisa para fazer

Nosso vôo é amanhã. Já enchemos meia mala e separamos nossos documentos. Mas ainda falta muita coisa para fazer. Uma pilha
enorme de roupas para passar e botar na mala. Limpar a casa toda. Deixar as plantas dentro de panelas e afins cheios d'água.
Limpar a geladeira. Jogar todo lixo fora. E muitas outras coisas.

Escrito a mão pela Marcia às 9:05 AM

O Sol

Como continuar triste se no final da tarde de ontem meu docíssimo marido chegou em casa uma hora mais cedo, trazendo flores, chocolates, morango, creme e vinho tinto? E ficou o tempo todo me mimando para que eu ficasse alegre. E realmente fiquei muito feliz com toda essa demonstração de carinho, amor, paciência e solidariedade. Obrigada, Martin.

Escrito a mão pela Marcia às 8:52 AM

julho 10, 2002

Cloudy Skies

Oh, dear... Não estou bem de novo. Uma tia que sempre foi muito doce comigo, com meus irmãos e com meus pais, tomou uma atitude trágica e agora está internada no hospital em estado crítico psico-fisicamente. Fiquei muito triste por ela. Muito triste. Peço a Deus que diminua sua dor e cuide dela com carinho.

Escrito a mão pela Marcia às 11:12 AM

julho 9, 2002

Fansign!

Ganhei mais um! Este fansign quem me deu foi a querida Beta, que
fez com todo carinho e alegrou tudo a minha volta! Muito obrigada, viu Beta? AMEI, ficou lindíssimo! :o)

Escrito a mão pela Marcia às 5:37 PM

Nham!

Advinha o que eu fiz de sobremesa hoje? Hun?
Sim. Fiz um top-of-the-pops mousse de chocolate!
Sim, eu sei. Qualquer dia vamos andar por opção, porque poderíamos rolar de gordos.
Mas mousse é uma das minhas sobremesas prediletas.
Depois do merengue de morangos. E do petit gateau.
Quer a receita do mousse? Tá bom.


Mousse de Chocolate Básico-chic

1 tablete (200g) de chocolate meio-amargo
1 lata de creme de leite
3 claras batidas em neve
2 colheres (de sopa) de açúcar

1.Derreta o chocolate em banho-maria. Quando estiver derretido, retire do banho-maria e acrescente o creme de leite. Mexa até
ficar bem uniforme.
2. Bata as claras em neve, junte o açúcar e bata mais um pouco até ficar bem firme.
3. Junte a mistura de chocolate com as claras delicadamente. Despeje num refratário e gele por pelo menos 1 hora e meia.

Escrito a mão pela Marcia às 4:32 PM

Como assim?

Preciso abrir minha conta-corrente no banco.
O banco quer um comprovante de endereço em meu nome.
Além das cartas, pacotes e postais dos parentes e amigos, não tenho comprovante de endereço nenhum.
Mas daí o banco esclareceu: "pode ser um extrato bancário".
Ah, tá. :(

Tsc. Esses bretões são loucos.

Escrito a mão pela Marcia às 1:22 PM

Dias Melhores - continuação

Estava escrevendo na janelinha de comentários, mas ficou grande então resolvi postar aqui. Mesmo porque é bom para eu reler minha vida também.

Pois é, eu -- assim como você, Mary -- já tive a pouca vergonha de chorar por mais de duas horas sem interrupção só pensando nisso. Sou redatora publicitária e estou sentindo que este campo é quase impossível para trabalhar aqui, já que a profissão depende de conhecer muito bem a cultura de um povo... e esta aqui não é a minha. Pode parecer desculpa, mas eu mesma não contrataria um estrangeiro recém-chegado para falar com meu povo.

Aí começo a pensar em outra alternativa, em fazer outra coisa, mas por enquanto nada têm me dado satisfação de fazer. A localização também é outro problema, não estou em Londres, estou numa cidade nova e pequena, perto da costa. Ao redor, muitas fazendas e pasto para todo lado. Quando penso no emprego que tinha, no salário, nos prêmios e bônus, na liberdade de gastar como queria, me sinto realmente triste.

Tenho que dar graças a Deus por ter o Martin que faz de tudo para que eu controle nossas finanças e me sinta cuidando do nosso dinheiro, não dele. Mas mesmo assim meus pensamentos tratam de acabar com minha auto-estima, me sinto dependente, vagal, inútil, feia, boba, xixi-cocô. Me culpo por tudo e por nada. Me sinto obrigada a ser perfeita em casa em tudo, já que não trabalho. Uma verdadeira tortura interna.

Mas quando toda essa onda de pessimismo se esvai vejo a tempestade que estou fazendo. Abri mão (assim como Mary, Anelise e Leticia) de muita coisa no Brasil. Do meu emprego, meu apartamento, meus amigos, minha família. Então tudo o que temos agora é nosso. É meu e do Martin. E estamos felizes assim porque é o que mais desejamos nas nossas vidas. Então por que sofrer assim, não é?

Também concordo que o tempo é o melhor remédio. Preciso ser mais paciente, preciso parar de querer ser a perfeita o tempo todo. Tudo tem sua hora certa de acontecer, ainda não estou preparada para querer alçar grandes vôos. Preciso aprender a andar primeiro. É tudo o que eu quero. Mas minha cabeça fica insistindo: "mas bem que você podia estar fazendo isso. Ou então aquilo. Ou ao menos aquilo outro". E me enlouquece. Porque não quero fazer isso ou aquilo. Quero investir em mim, esgoisticamente. Necessariamente. Não quero trabalhar em pub, não quero cuidar de crianças, não quero lavar prato em restaurante, não quero. Preciso parar de pensar que as pessoas estão achando isso ou aquilo. E mesmo que achem, ninguém está aqui no meu lugar. E eu preciso ser mais flexível comigo mesma, entender meus
limites, meu tempo, parar de me torturar. Eu sei que a cobrança e a pressão vêm de mim e preciso parar de me sabotar.

Sei que um dia vou voltar aqui e ler este mesmo post e achar graça e pensar: "nossa, mal sabia eu..." :o)

Escrito a mão pela Marcia às 1:13 PM

Almost Famous

Assistimos ontem. Que filme nota 10!! Para quem gosta de música, para quem é fã de rock'n'roll e de uma estória bem escrita, este filme agrada. Muito divertido, uma trilha sonora de amar. Recomendadíssimo para dias chuvosos. Ou não.

Escrito a mão pela Marcia às 11:13 AM

Férias

Sinto que muita coisa boa vêm pela frente. Boas decisões, bons progressos. Mas antes disso, umas boas férias estão com dias marcados. Partiremos para o Brasil para visitar minha família e amigos. Peço desculpas aos amigos que não poderei visitar desta vez, já que ficaremos pouquíssimos dias e quero dar mais prioridade aos meus pais, meus irmãos e à Bianca. Muitas saudades, muitas coisas para fazer em solo brasileiro! Espero que não esteja tão frio por lá, apesar do inverno.

Escrito a mão pela Marcia às 11:02 AM

Dias Melhores

Continua chovendo por aqui. Mas meu humor melhorou. Ontem escrevi muito pouco. Se eu começo resumindo alguma coisa é porque meu humor não está bem. Quem me lê aqui todos os dias pode ter a imagem na cabeça de que minha vida é muito fácil, que tudo aqui é cor-de-rosa e que estou muito longe de ter preocupações. Não reclamo da minha vida aqui. Tenho muito mais qualidade de vida aqui, sem dúvida. Mas tenho meus problemas pessoais também, como qualquer um. A fase de adaptação em outro país é difícil, é realmente difícil. E eu tenho um crônico problema de rejeição, que me deixa depressiva cada vez que tento uma
amizade ou um emprego, que no final não dá em nada. Tenho meus dias de frustações, tenho meus dias que me sinto inútil, tenho meus dias que me sinto insegura, sem confiança. São seis meses aqui, sei que não é muito tempo para querer ter toda a vida do mundo já arranjada, arrumada, passada e engomada. Preciso ter meu tempo, o tempo que for preciso para me adaptar definitivamente aqui. Não importa que uns e outros pensem que eu deveria estar fazendo isso ou aquilo, right now. Eu tenho e posso ter o direito de construir minha vida aqui, leve o tempo que levar.

Escrito a mão pela Marcia às 10:48 AM

julho 8, 2002

Ice Cream Van

E só para esquecer dessa chuva que não passa, vou colocar aqui uma foto que consegui tirar num dia de sol, daquela van que vende sorvetes de casquinha, tocando uma musiquinha para chamar atenção de todas as crianças. Por uma doce coincidência, naquele dia a van parou bem debaixo de nossa janela.

Escrito a mão pela Marcia às 9:15 AM

Resumo do domingo

Quem acompanhou a final da Wimbledon pôde perceber como o tempo está aqui: chuvoso e com céu nublado. E eu tô igual, mas deixa. E o peladão que deu show lá no grand slam da Wimbledon? A BBC tratou de mostrar a imagem do dito cujo beeeeeeem de longe, sem closes nem detalhes. Sempre tem uns engraçadinhos nesse tipo de campeonato. Mas também tem tragédias, como o maníaco que esfaqueou a Monica Selles, anos atrás, na Alemanha. Que mundo louco. E Rubinho que largou do último lugar e terminou em segundo, subindo no pódium? O dia ontem foi dele em Silverstone, todos os telejornais comentando a excelente atuação dele enquanto que o britânico David Coulthard, em estratégia errada, chegou a ficar também na última posição mas não
conseguiu a mesma façanha que o brasileiro. Ontem assistimos Monty Python and The Holy Grail, demos muitas risadas. Hoje vamos assistir Almost Famous, que conseguimos alugar ontem.

Escrito a mão pela Marcia às 8:34 AM

julho 6, 2002

Em casa

Acabamos de voltar e foi tudo de bom. Enquanto Martin foi para o escritório dei uma volta nesta cidade que eu adoro. Tem sempre alguma coisa acontecendo no centro. Hoje tinha um violinista tocando com dois cães labradores dormindo ao lado dele. Tinha também um malabarista. E por um tempo o sol brilhou e o vento parou e estava uma delícia de andar na rua. Encontrei com o Martin, andamos pela baía, almoçamos uma iguaria inglesa deliciosa: pasty, muito parecida com a saltenha que temos no Brasil. Escolhemos uma de carne com legumes, assada na hora. Fomos comprar jornal, passamos no Sainsbury's para comprar pão, frango, tomates e Honey Nuts Cherrios (esqueci o leite!). Agora estamos aqui relaxando. A noite Martin vai fazer um prato indiano, então daqui a pouco temos que ir até a loja indiana aqui perto para comprar chillies.

Um ótimo final de semana para todos!

Escrito a mão pela Marcia às 2:33 PM

Em Poole

Estamos indo a Poole, a cidade que o Martin trabalha. Adoro aquela cidade, moramos lá por um mês, era bem mais tranquilo... O tempo ainda está nublado, mas vamos tentar dar uma volta na baía, ver patinhos e os barcos dos ricaços. :o)

Escrito a mão pela Marcia às 8:35 AM

julho 5, 2002

O primeiro fansign a gente nunca esquece

Buaaaaaaa, vou choraaaar, desculpe mas eu vou choraaaaaaar... de emoção minha gente. Muita emoção! Acabei de receber
meu primeiro fansign*! Sim, este blog tem fãs!!! A belezinha amiguinha Caty foi quem fez e me deu. Preciso dizer o quanto AMEI esse carinho e como estou FELIZ!!! Muito obrigada, querida Caty!! :o)

*fansign é uma carinhosa arte criada pelos leitores, homenageando os blogs dos quais são fãs. :o)

Escrito a mão pela Marcia às 3:49 PM

Hiato

Ando meio sem assunto esses dias.
Vou ali assistir ER e Ally McBeal.
Mas eu volto.

Escrito a mão pela Marcia às 1:06 PM

Silverstone

Neste final de semana acontece o GP de Fórmula 1 em Silverstone, aqui na Inglaterra. Quando fomos à Sheffield, passamos por Silverstone, um lugar que só tem fazendas ao redor, muitas abrem espaço para campings nesta época. Está tudo preparado para o circo por lá. Com certeza vai haver congestionamento porque a estrada lá é bem estreita.

Escrito a mão pela Marcia às 9:35 AM

Mais Chuva

Chuva, chuva e mais chuva. O dia todo, todo dia, segundo a previsão. Este verão realmente me emociona.

Escrito a mão pela Marcia às 7:34 AM

julho 4, 2002

Well Done

André Sá foi muito bem na partida, mas perdeu para Tim Henman (3 x 1), que está agora na semifinal. Mas ele jogou muito bem mesmo, principalmente pela pouca experiência na grama. Tim estava sofrendo há dois dias de uma diarréia dos hells, provavelmente por intoxicação alimentar. Chegaram até a falar em tentativa de envenenamento. Porém graças à chuva de ontem ele conseguiu descansar, se recuperar e jogar bem. Mas que André Sá fez ele beijar a grama por duas vezes tentando salvar a bola, isso ele fez! Muito bem. :o)

Escrito a mão pela Marcia às 2:44 PM

Mais uma Cesta

Acabo de receber também nossa super-dupper-top-of-the-pops cesta de legumes. Desta vez pedimos tamanho pequeno, porque temos apenas uma semana para comer tudo. Veio calabrese (que é aquele brócoli com flores bem miudicas de nada), cenouras, batatas do tipo new potatoes, cebolas (é a primeira vez, são lindas!), alface green batavia (nunca vi mais gorda), pimentões vermelhos, repolho crespo e um pacotão de salada. Nham! :o)


Repararam como a quantidade é realmente para poucos dias? Quatro cebolas, dois pimentões... Isso é para evitar o desperdício
de alimentos, já que muitos dos legumes e vegetais perdem as qualidades e os nutrientes após uma semana. Então eles enviam o
suficiente para um casal comer muito bem, em uma semana. Há também a opção da mini-cesta, para quem mora sozinho.

Escrito a mão pela Marcia às 11:52 AM

She's Got a Ticket to Ride

Yes! Acabei de receber minhas passagens com meu nomezinho retificado! Ufa, que alívio... ahhhh... fuuu... Agora não
tenho mais nada a temer. Mas também pagamos £25 por essa tranqüilidade. Fazer o quê... O que importa é viajar em paz e
não com dor de cabeça. Êêê, viva! Tô feliz. :o)

Escrito a mão pela Marcia às 11:33 AM

julho 3, 2002

Brasil x Inglaterra

E hoje André Sá joga contra Henman, assim que a chuva der uma trégua, em Wimbledon.

Escrito a mão pela Marcia às 2:24 PM

Pela England

Cidades que visitei até agora:

1. Londres
2. Leicester
3. Cockermouth
4. Keswick
5. Carlisle
6. Workington
7. Poole
8. Bournemouth
9. Southampton
10. Sheffield

Uau! Dez já. Ainda faltam Oxford, Cantenbury, Liverpool, Manchester, Salisbury e tantas outras... :o)

Escrito a mão pela Marcia às 11:46 AM

Confiança

Encontrei uma loja Boots lá no shopping ontem. Impossível eu passar imune à essa loja. Tinha mesmo que comprar um remédio pro Martin e então entrei. Obviamente encontrei duas outras coisas que precisava. Uma dessas coisas estava na prateleira com uma etiqueta escrito save £3,00. Com o "save" escrito pequenininho e o "£3,00" grandão. E eu não reparei e comprei pensando que era £3,00. Só depois, andando pelo shopping, pensei: "peraí, paguei a mais!". Verifiquei o recibo e realmente estava marcado £6,99. Fiquei injuriada, não compraria por aquele preço. Pensei: reclamo ou não? Fui. Daí a atendente supersimpática mostrou que o preço estava certo. Concordei, me desculpei e saí, me achando cega e burra. Tinha até perdido a vontade de andar por outras lojas. Sentei. Peguei o recibo novamente. Li o verso: "(...) a Boots estará à disposição para trocar por outro produto ou devolver seu dinheiro caso você mudar de idéia". Timm! Fui lá de novo. Uma das gerentes estava ao lado do caixa e fui lá direto, pedi licensa e expliquei meu caso. Ela falou: "não há problema algum, está tudo bem" e me devolveu o dinheiro do produto! :o)

Fiquei mais feliz por ter conseguido reclamar, entender, falar, explicar tudo, sem gaguejar. E consegui até o dinheiro de volta! Isso seria impensável há três meses atrás. Mas eu fiz e deu certo! Estou mais confiante agora, para o desespero dos lojistas! :o)

Escrito a mão pela Marcia às 11:28 AM

Dois cacos

Voltamos de Sheffield. Muito cansados, esgotados na verdade. Martin ficou em reunião das 13h00 às 17h30 e dirigiu ida e volta. Eu passei o mesmo tempo (4 horas) andando e andando. O tempo estava horrível, chovendo e ventando frio, nem deu para passear. Tive que me abrigar no shopping Meadowhall, enorme e lindo. Comprei brinquedinhos para meus sobrinhos, que não foi uma tarefa fácil. Uma loja enorme da Warner Bros e outra da Disney, oh God. Mas acabei comprando um kit arqueologia numa loja educativa e um Batman feito de pano muito engraçado! Espero que eles gostem, a tia tá ruim de grana. No fim da tarde Martin foi se encontrar comigo, jantamos num restaurante mediterrâneo, comemos kebab de frango com
arroz aromático, salada com iogurte e pita bread. E pegamos a estrada de volta. Outros 400 quilômetros. Chuva na estrada, de noite, muita tensão. Minhas pernas doem até agora, ui. Chegamos em casa às 22h30. Escovamos os dentes e dormimos. Mas Martin acordou lá pelas 1h00 morrendo de enxaqueca, levantou, tomou três comprimidos, tomou leite e foi ver televisão (!!!). É claro que a TV piorou a dor e ele ficou enjoado, tadinho. Só depois das duas que ele conseguiu deitar e dormir. Hoje de manhã ele já estava melhor e foi trabalhar, tadinho.

Escrito a mão pela Marcia às 11:11 AM

julho 1, 2002

Em Sheffield

Amanhã de manhã iremos para Sheffield. Martin vai trabalhar e eu vou passar o dia conhecendo a cidade que já foi cenário do filme Full Monty. Até a volta! :o)

Escrito a mão pela Marcia às 7:06 PM

Por fora da Wimbledon

Cadê o Guga? Porque ele não está jogando na Wimbledon? Porque é na grama? E quem the hell é André Sá?!? O inglês Henman tá jogando neste instante. É um dos favoritos. E os ingleses estão aproveitando para usar as bandeiras que compraram para a Copa, hehehehe. Contei, conteeei!

Escrito a mão pela Marcia às 4:12 PM

Tema do Senna

Lendo os comentários de minha querida amiga Cristina-mãe-de-Carolina (uia, rima!) fiquei suuuper emocionada imaginando como foi toda a alegria da comemoração do Penta! Havia lido em algum lugar nas intirnetis que a Globo havia tocado a música-tema das vitórias do Senna quando a Seleção dava a volta olímpica. E pelo jeito parece que todo mundo se emocionou mesmo nesta hora, não foi? E não era pra menos. Me lembro que em 1994, quando o Brasil ganhou, os jogadores estenderam uma faixa dizendo: "Senna, conquistamos o Tetra por você", já que Ayrton estava naquele ano tentando seu tetracampeonato quando houve o acidente fatal. E me lembro que orgulho senti de ser brasileira, porque aquele povo ali veio mesmo da favela e o talento levou-os até a Copa e a Copa os levou à consagração e mesmo assim eles não esqueceram de fazer uma homenagem a quem eles achavam que merecia, sem egoísmo, solidários, sinceros e humildes.

Ontem quando toda a equipe da Seleção fez aquele círculo rezando e agradecendo a Deus, os comentaristas ingleses ficaram estarrecidos, diziam: "vejam, vejam, vejam, que momento espetacular, vejam, eles estão em silêncio de mãos dadas, é o momento mais emocionante desta Copa do Mundo, vejam".

Mas eu gostei mesmo foi do Cafu batendo a mão no pedestal do troféu e dizendo: "Aqui". E os dirigentes olhando assustados: "Aqui?!?". E Cafu batendo duas vezes: "Aqui". E subiu lá no pedestal para ficar bem alto, para ficar no lugar mais alto e levantar nossa taça o mais alto possível, com aquele sorriso que só um brasileiro pode sorrir. Martin aplaudia do meu lado sem parar e eu só chorava e imaginava a explosão que deve ter sido no Brasil!!!

Escrito a mão pela Marcia às 3:42 PM | Comente este capítulo (1)

Por um mundo melhor

Claras em neve batidas em suspiro. Creme de leite batido em chantily. Morangos polvilhados de açúcar de confeiteiro.
Resultado: um mundo melhor de se viver.

Escrito a mão pela Marcia às 12:12 PM

O Espelho

Terminei de pintar a moldura e no sábado Mr. M pendurou na sala o enoooorme espelho que ganhamos. Agora quando alguém disser: "vê se te enxerga" já sei para onde ir! :o)

Escrito a mão pela Marcia às 11:55 AM

Lavando a Louça Suja em Público

Aos amigos que comentaram sobre o modo de lavar louça na Europa.

Já contei que meus pais tiveram vários restaurantes nesta vida. E economizar água também sempre foi importantíssimo para lavar a louça, ou seu lucro ia pro ralo literalmente. Mas ao mesmo tempo era preciso cuidar minuciosamente da higiene para que a Vigilância Sanitária não fechasse o estabelecimento. E sempre assisti minha mãe e as demais ajudantes lavando a louça assim: separam-se copos, talheres e pratos. Uma leve passada de água em tudo. Fechar a torneira. Os primeiros a serem lavados com uma esponja cheia de detergente são os menos sujos, geralmente os copos. Depois os talheres e então os pratos. Tudo
ensaboado, começa o enxagüe. Torneira aberta, passando um por um na água e toda sujeira sai rapidamente por causa do detergente. E tudo fica limpo sem gastar muita água. E muitas e muitas vezes -- por morarmos na periferia -- houve falta d'água no restaurante. Muitas vezes mesmo. Minha mãe enchia um daqueles baldes gigantes de água que restava na caixa central e o processo de lavagem era sempre o mesmo, porém com um caneco ao invés da torneira.

Acredito que o tempo que a torneira fica aberta no enxagüe é quase igual ao tempo de encher uma pia de água. Martin aprendeu na escola como lavar louça do jeito inglês (aqui todas crianças têm aula de culinária, afazeres domésticos e costura). Mas ele mesmo acha não-muito-higiênico e desde que começou a morar sozinho -- há dez anos -- ele lava a louça como nós brasileiros. A mãe dele lava do jeito inglês e a conta é praticamente a mesma que a nossa (até isso a louca foi conferir, hihi).

Acho que é uma questão cultural, mais do que econômica. Muitos costumes de higiene dos europeus -- como o banho diário -- foram adquiridos com os índios na América. O Brasil tem abundância de água com suas hidroelétricas gerando energia (porém esgotável como no ano passado) e não acho que a forma que lavamos as louças seja um desperdício. Desperdício para mim é tomar banho de 40 minutos no chuveiro, empurrar a sujeira da garagem e da calçada com esguicho, ligar a máquina de lavar roupa com meia dúzia de peças, essas coisas.

Higiene é fundamental. Principalmente naquilo que você e outras pessoas põe a boca. Porque uma doença contagiosa leva
mais dinheiro que a conta de água.

Pronto, falei. :o)

Escrito a mão pela Marcia às 9:13 AM

« junho 2002 | Main | agosto 2002 »