« Oh Yeah! | Main | Bem-vinda, Alice!! »

M&M in Johannesburg

Eu não poderia ter pedido por presente mais delicioso! Passar o dia em Johannesburg foi realmente bom para minha alma. A minha mais forte impressão da cidade é que é muito parecida com São Paulo: periferia com favelas e muita pobreza contrastando com bairros nobres, hotéis cinco estrelas, carros importados e casarões enormes.

Mas o bom em Johannesburg comparando com Middelburg (apesar que isso seria como comparar São Paulo com Piraporinha-Mirim-do-Bom-Jesus*) é que a globalização já chegou lá e nas ruas é possível ver pessoas das mais diversas nacionalidades e eu não preciso me sentir o ET-atração-da-cidade.

Outra coisa que nos chamou a atenção, como o Martin pontuou, foi que não há aquela tensão no ar, como em Middelburg. Em geral, não há aquela clara divisão entre brancos e negros em Johannesburg e é possível perceber que não há tanto daquele ressentimento racista tão marcante como estávamos acostumados em Middelburg, de brancos mal-tratando negros e vice-versa o tempo todo. A gente percebe em poucos segundos que a grande maioria das pessoas em Jo’burg está muito mais acostumada com a missigenação. E que alívio é poder sentir isso outra vez depois de um mês naquele Apartheid-não-declarado da pequena cidade.

Depois de rodar um pouco pela cidade – e encontrar uma placa alertando “Hijack Risk Area” – nos dirigimos ao shopping center Sandton City, onde passamos o resto da tarde. O shopping é maravilhoso, praticamente uma praia de água azul-piscina para esta paulista perdida no mato.

Fomos à loja Cape Union Mart e lá encontrei um casaco bem quentinho e bem bacana, por um preço muito mais em conta do que na Inglaterra, menos da metade do que eu pagaria lá, e o melhor, no meu tamanho, hooray!!!

É cinza claro com azul, à prova d’água (necessário 355 dias por ano na Inglaterra), breathable (como se traduz isso?! Respirável??), tem um casaco removível de fleece na parte de dentro, um capuz generoso que se fecha na frente da boca (mas não tanto para a sua respiração não congelar no frio, só para parar o vento) e também uma “saia” para colocar por dentro da calça e evitar que a umidade suba para sua camiseta, no caso de chuva. É bem legal, estou supercontente com ele, como dá pra notar. Depois de passar frio por dois anos e meio na Inglaterra a gente aprende o que um casaco deve ter.

Depois fomos comprar coisinhas para a câmera, um memory card de 512mb, um tripé e a cabeça do tripé. Deixamos na loja as calças, os olhos da cara, um rim e meio fígado, mas boas fotos nos aguardam! Valeu a pena ter comido miojo e bolacha salgada durante 35 dias. Devo continuar com essa dieta na Inglaterra e logo a gente compra uma casa!

E então passamos na livraria. Eu queria todos, muitos livros, mas comprei só dois: Holy Fools, de Joanne Harris e The Curious Incident of the Dog at Night-time, de Mark Haddon. O primeiro porque eu gosto da Joanne Harris, gosto como ela descreve texturas, cheiros, gostos e de como ela retrata a França de tempos atrás. E o segundo eu queria comprar desde que estava na Inglaterra. Já comecei a ler e não conseguia parar, tive que deixar o livro guardado senão terminava hoje mesmo. Preciso fazer racionamento de páginas.

Não encontrei de jeito nenhum em Johannesburg o livro Letters from Africa, de Karen Blixen, que o Cido havia recomendado. Acho que vou ter que ler esse só quando voltar pra casa. Quem sabe vai ser até mais legal já que tudo o que tenho vivido aqui vai ser memória quando voltarmos.

Cheios de sacolas e sorrisos enormes, fomos almoçar. Tinha vários, vários restaurantes para escolher e a gente queria algo bem diferente, algo que não lembrasse nem de longe o tanto de comida africana que temos ingerido esses dias. E escolhemos o Daruma, um restaurante japonês m-a-r-a-v-i-l-h-o-s-o! Nos sentimos tão bem, o restaurante era todo ambientado, bem decoradinho, chefs japoneses preparando sushis na hora, toalhinhas quentes para limpar as mãos, uma delícia!! Comemos sushis e asinhas de frango de entrada. Depois tivemos tempura de legumes fritos com perfeição e teriyaki como prato principal. Teriyaki são fatias finas de filé que vem num prato de ferro bem quente. Daí a garçonete despeja um molhinho de shoyu e cebolinha por cima e o prato faz tchiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii e termina de cozinhar a carne e os vegetais que acompanha: broto de feijão, cenoura, nabo e repolho, tudo em tirinhas. E claro, muito arroz branco para acompanhar! Huuuummm, foi a melhor refeição em anos que tivemos (descontando, obviamente, as refeições na casa dos meus pais)!! E man, nós fizemos por merecer esta refeição divina, I tell you!

Depois de comer bem deu aquele sooooono, passamos na confeitaria para comprar pão fresco e salame pro jantar e voltamos pra Middelburg... oh dear.

Mas foi um dia espetacular, inesquecível, um dos melhores presentes de aniversário que tive. Johannesburg é imensa, tomando os mesmos devidos cuidados de quem vai a São Paulo, dá para ver que é uma linda e bem desenvolvida cidade. E é engraçado perceber que em menos de duas horas de distância o cenário social muda completamente, nem parece o mesmo país. Martin estava certo, bem certo, quando me disse para não tomar Middelburg como exemplo de toda África do Sul porque não é justo. Em apenas um dia na maior cidade do país pude perceber o quanto isso é verdadeiro. Navegar é realmente preciso.

*cidade fictícia só para dar idéia de um minúsculo lugar qualquer


8 Comentários

Adorei o passeio por Johannesburg, obrigada!

Oi Márcia,

Que delícia que foi seu jantar de aniversário, fiquei até com água na boca!!
Pelo que vc descreveu realmente Middelburg e Johannesburg são completamente diferentes... e realmente é um tanto curioso, duas cidades estarem tão perto e serem tão distintas né?

beijokas, Isa

nossa, quanta coisa legal!
deu mesmo pra perceber que essa day trip foi o maximo? quando vão repetir?
márcia, só não exagera no miojo e nas bolachas para não ficar com anemia!
bjs
Lety

Oi Marcita!!! Hi Mr.M!

Poxa, que legal que você comeu melhor.
Mas essa dieta aí é complicada hein amiga? Você já é magrinha, se continuar, vai desaparecer!!!

Como é que o Martin vai te abraçar sem te "quebrar"??? *risos*

Toma cuidado com isso! :)))

Beijos com saudades!

Que legal o passeio. Já me disseram que as cidades grandes da África do Sul tem restaurantes ótimos e bem em conta, e você confirmou isso. Agora essa plaquinha de hijack cairia bem em SP, o que você acha?
Sou da opinião de que equipamento fotográfico é investimento, valeu a economia sim, que preço vai ter as lembranças de sua viagem? É isso aí!
Beijão,

Eu já ia perguntar se era longe e logo vi a resposta. De repene vocês podem ir de vez em quando por lá e aí muda tudo, né? Em todo caso, se um dia eu for aí como quero, vou ter que conhecer Middelburg também, pra comparar :o) Agora que me dei conta que isso é o nome de uma cidade da Hollanda também ... :o)
Beijo, Marcia, estou seguindo tua estadia toda.

Marcinha, adorei saber de vocês dois se esbaldando em Johanesburgo (é assim que se escreve?). Sinto um alívio grande também quando vou pruma cidade maior do que Boden... acho que é necessidade de quem sempre morou junto com 10 milhões de pessoas num sol escaldante. O sol eu deixo pra lá, mas as pessoas, as coisas, as facilidades, os shoppingssssss (sim, eu tenho uma pequena paulista dentro de mim.. hohooohohooh)

OI meus queridos. Saudações de terras brasilis.
Fiquei super contente em ver que afinal de contas, vcs tiveram um super dia agradável. De vez em quando, um banho de civilização é bom demais. Que bom que vcs se divertiram e que foi tudo muito dez. Quanto ao país, eu sempre ouvi que era um dos países mais civilizados, por assim dizer da àfrica. Fico feliz e ver que lentamente, esta estupidez que foi o apartheid está sumindo. Mais um ´seculo e acho que acaba.
E uma bronquinha: eu sei que a senhora sem verduras, fica bem mal....Como assim bolacha e miojo? Um super beijo. Saudades