« dezembro 2003 | Main | fevereiro 2004 »

janeiro 31, 2004

E ela será assim...

Uma pequena amostra de como será nossa futura mesa. Antes que minha amiga querida Mary tenha uma síncope nervosa de tanta curiosidade, devo avisar que nossa mesa vai chegar daqui oito semanas, more or less. Porque as coisas aqui num é assim, sabe? Bota no carrinho, depois jogo no porta-malas e tá em casa. Não, não tão fácil assim não. Encomendamos ontem, agora a fábrica vai lá na América do Sul cortar umas árvores, depois vão mandar pra fábrica da Dinamarca, depois vêm uns bretões entregar e instalar a belezinha aqui em casa. Então fotas mesmos dela aqui em nosso lar vai demorar alguns meses. Mas adianto alguns detalhes. Ela é em oak (carvalho), madeira maciça, simples e delicada. É mais bonitinha fechada, sem a extensão. Mas não encontrei fotos dela assim, então vai ela toda estendida, escandalosa e aparecida mesmo. Have fun!

DinningTable.jpg

DinningTable2.jpg

:o)

A loja estava com desconto de 20%!

Escrito a mão pela Marcia às 6:16 PM | Comente este capítulo (14)

janeiro 30, 2004

À Mesa

Não é segredo nenhum que esta pessoa que vos escreve em mal traçados pixels é uma gulosa que adora comer, cozinhar, assistir aos programas de culinária, fotografar pratos, visitar restaurantes e, obviamente, manter a Borders no ramo de venda de livro de culinária. A seção Livro de Receitas do lado esquerdo aqui do blog dá uma pista disso e aliás, o petit gateau tem sido o campeão das buscas internas.

Porém caro leitor desavisado, se você bem pensa que temos banquetes todos os dias está passando muito longe da realidade que se instala nesta casa. Porque banquete que se preze tem que ter no mínimo, no mínimo, para não se falar do mínimo, de quê? De uma mesa farta. Poisintão. Mesa aqui é o que não temos. Comassim não temos? Não temos.

Dois anos morando juntos, dois anos dividindo o mesmo teto, o mesmo pão, o mesmo vinho e, infelizmente, a mesma lata de baked beans. Porém Mr.M e sua digna esposa que responde por eu, não dividem a mesma mesa. Não temos uma mesa de jantar. Nossos festivais da gula acontecem em bandejas que valha-me deus, será que devo descrever? Tá bem. Nossas bandejas são de madeira com algo pintado com mais força de vontade do que de talento, if you know what i mean, e por baixo há nada menos que uma espécie de almofadinha feita daquelas bolinhas de isopor. Eu sei, valha-me me deus de novo, eu sei.

Isso é tudo que temos para fazer nossas refeições diária neste lar. Um par de bandejas de gosto duvidoso para apoior no colo. Não temos nem como convidar amigos para um jantar social aqui. Aliás não teríamos nem pratos nem talheres pra isso mesmo.

Mas o fato é que está fazendo muita falta uma mesa aqui nesta casa. Uma mesa, minha gente, para a gente comer nela, já imaginou isso? Que maravilha? Uma mesa para o prato ficar quietinho, o copo não escorregar pro carpete e -- imagine! -- lugar para descansar o talher!?! Não precisaríamos mais segurar os talheres feito dois peões de obra famintos devorando a malmita! Lindo. Ah, quem nos dera... Recostar na cadeira, apoiar o cotevelão na mesa, ahhh a ganância, a luxúria, aaahhh...

E termos conversas durante as refeições, termos vasos de flores, jogo americano, velas e até mesmo uma jarra de água para nos servir à vontade! E quando os filhos vierem, fazer a lição de casa com eles na mesa, jantar com eles, jogar trívia com eles, fazer colagens, embrulhar presentes, tudo tudo na mesa, na nossa mesa e com eles. Ahh o sonho.

Porque na verdade uma mesa não é simplesmente um objeto qualquer como por exemplo a pratilêra da cozinha. Ou a argola di pindurar a toalha no banheiro. Ou então -- que deus te perdôe -- a luminária de fibra óptica. Não, não, não. A mesa é o centro da casa, da família. É nela que acontecem as celebrações, as conversas à toa, os planejamentos sérios, as revelações e as declarações de amor (nem que sejam em forma de um pudim de leite bem feito). É nela, na mesa que nos reunimos ou sentimos falta.

Já há muito tempo tenho em mente que tudo que tem quatro pernas é digno de ser de família. E o que a gente quer não é mesmo só comida. A gente quer fazer memórias também nas coisas que um dia terão histórias pra contar. Como a estante de livros, a cama, as panelas, o sofá macio e, é claro, a mesa.

Queremos que tudo esteja sempre em pratos limpos e queremos principalmente que tudo seja, muito breve, à mesa posta.

E tantos rodeios e tantas palavras e divagações para simplesmente dizer que hoje vamos numa loja de móveis para ver e talvez comprar o que vai ser marcado para sempre como a primeira mesa da nossa família...

Off we go!

:o)

Escrito a mão pela Marcia às 3:14 PM | Comente este capítulo (18)

O dia seguinte

É tão bom quando as coisas voltam a funcionar como antes... Esta semana não foi fácil para mim e estou feliz que ela esteja quase acabando.

Vários pequenos detalhes me desanimaram nesta semana, algumas desilusões, outros arrependimentos, muitas saudades, uma completa solidão, erros banais e outros estresses. Sem querer me tornar um monstro da auto-compaixão, simplesmente queria que muita coisa não tivesse acontecido. Nem sempre a gente quer aprender, nem sempre a gente precisa de frustrações que nos ensine. Nem sempre.

Mas se há algo imutável nesta vida é o fato de que sempre haverá um outro amanhã para aqueles que sobreviverem. Às vezes a gente tem vontade de hibernar o inverno inteiro. Às vezes a gente tem que acordar e enfrentar a frieza.

Mas enfim, pelo menos no dia de hoje em que me encontro tenho a satisfação de saber que metade de alguns pequenos problemas já foram resolvidos, outros serão em breve e outros só o tempo dirá. E além do mais, minha conta saiu do vermelho-vivo para um rosa-pálido, os spams no blog acabaram como baratas mortas pela dedetização, Mr.M continua um doce de marido e minha querida amiga Luciana Bordallo Misura me ensinou que posso fazer meus comentários serem entregues via e-mail. Não preciso mais ficar fuçando os bolsos das calças e dos casacos à procura dos recadinhos queridos. O que vai ser uma pena também, de certa forma. Lu, muito obrigada pela dica, eu mexo pouquíssimo na configuração do MT e não tinha percebido essa opção.

Ontem estava um dia ensolarado e hoje nuvens carregadas cobrem o céu. Porém, meu espírito está em oposição ao clima. Hoje é o dia seguinte ao de ontem e muita coisa já mudou. Para melhor, thank God.

Bom dia.

Escrito a mão pela Marcia às 8:14 AM | Comente este capítulo (2)

janeiro 29, 2004

Blizzard

Ontem a noite vivi meu primeiro blizzard, ou tempestade de neve, na Inglaterra. Lindo e assustador ao mesmo tempo. Trovões, relâmpagos, ventos violentos assobiando alto e muita neve. Demorou mais ou menos uma hora e, por sorte, Mr.M havia acabado de chegar em casa quando começou. A neve acumulou um pouco, não muito a ponto de enterrar os passos. Porém, quando o blizzard parou, a neve derreteu e o frio intenso (chegamos a uma sensação térmica de -8ºC) acabou condensando e as ruas ficaram lisinhas de gelo. Hoje de manhã ainda está tudo branquinho. Parece neve, mas não é. É puro gelo solidificado.

Blizzard1.JPGBlizzard2.JPG

Os pais dos Martin, que estavam trabalhando na casa da irmã dele, não conseguiram voltar para casa e preferiram dormir por lá mesmo para não ter que dirigir em pleno gelo.

Hoje amanhecemos com temperatura de -3ºC e com sensação térmica de -7ºC. A prefeitura está jogando sal nas estradas e nas ruas principais e tentando limpar o gelo. Estamos na expectativa de que a temperatura se eleve e derreta tudo pelo bem da segurança de todos. Ufa.

Escrito a mão pela Marcia às 9:27 AM | mais em Little Britain | Comente este capítulo (9)

janeiro 28, 2004

And the winner is...

Antes de falar sobre as indicações do Cidade de Deus, queria dizer que AMEI ter visto o britânico The Office ganhar dois Golden Globe Awards justamente na casa dos sitcoms mais consagrados, predominantemente americanos!!

Nem Friends, nem Will & Grace e nem Sex and The City. Foi a primeira vez que um programa humorístico britânico ganhou o prêmio como o melhor da categoria na história da premiação Golden Globe.

E o discurso de Rick Gervais, aproveitando as expressões nos rostos de quem nunca ouviu falar dele, não poderia ter sido melhor: "Eu não sou daqui... Sou de um pequeno lugar chamado Inglaterra. Nós costumávamos governar o mundo antes de vocês... Muito obrigado à Hollywood Foreign Press!"

E quando Gervais recebeu o segundo globo de ouro na categoria melhor ator, declarou: "Uau, agora tenho dois suportes de livros! Excelente!"

Hohohohoho... Hohuehuehuehahahahahahahuohahuohahuo... :D

Quanto ao Cidade de Deus, aqui o DVD é um dos líderes de vendas há muito tempo. Concorrendo ao Oscar nas mesmas categorias que Lord of The Rings vai ser uma lavada. Mas afinal, quem é que precisa do aval de Hollywood?

Escrito a mão pela Marcia às 2:15 PM | Comente este capítulo (5)

janeiro 27, 2004

Limpeza e Surpresas

Não que eu seja daquelas que querem ver tudo pelo lado bom da coisa, queria mesmo é que Pollyana fosse amordaçada e não me perturbasse mais. Mas enfim, essa leva de spams no blog também teve seu lado inesperadamente positivo.

Terminei de fazer o upgrade, agora já estou rodando a versão mais recente do Movable Type na esperança de resolver os spams. E como tive que gravar todos os meus posts e limpá-los do lixo, aproveitei para fazer uma faxina imensa, lenta e precisa, tirando os links quebrados, trocando as imagens que estão faltando (valeu, hein, Sapo.pt?) e atualizando o que fosse preciso.

E nesse pente fino, descobri muitos muitos recadinhos que nunca havia lido, de leitores que foram lendo meus arquivos e comentando nos respectivos posts sem que eu tivesse idéia disso. Adorei, foi como encontrar aquele dinheiro esquecido no bolso do casaco de inverno em pleno verão!

Eu só posso ler os comentários da mesma forma que vocês, clicando nos links. Portanto, você leitor que está por aqui recentemente e por um acaso está lendo ou tem a intenção de ler meus arquivos, por favor fique à vontade de comentar qualquer coisa, porém escreva nos posts mais atuais, senão dificilmente vou advinhar que você colocou um comentário láááá em 2001.

Outra surpresa foi ver meu GuestMap, como aquilo está superpovoado, tá superlindo, cheinho de gente boa. E nesta encontrei um recadinho da Malu, que trabalhou comigo e que foi uma das colegas que me fazia rir muito com as nossas bobagens! Malu querida, você deixou seu recadinho em Outubro, não deixou email, nadinha e eu só vi hoje!! Se você ainda acessar este humilde blog, plis, MALU entre em contado novamente!! Quero muito saber como você foi parar na Alemanha!

Bem, é isso. Estou satisfeita com a atualização, contente de saber que meu neurônio ainda funciona no frio. E também por ter encontrado tantos agrados nessa tarefa!

Escrito a mão pela Marcia às 5:11 PM | Comente este capítulo (13)

janeiro 26, 2004

Malditos Spammers

Recentemente os spammers, aqueles seres indesejáveis com muito tempo de sobra, descobriram a área de comentário dos blogs. Muitos blogs estão sendo alvos de enxurrada de comentários-spams em suas tão privadas caixas de comentários. E este blog, infelizmente, também está sendo alvo de um spammer de IP 62.213.67.122, que anda lotando alguns posts antigos com lixo cibernético.

Existe um plug-in para o Movable Type para limpar o blog desses spams e bloquear a inundação desse lixo na área de comentários. É o MT-Blacklist. Ainda não instalei, estou tentando encontrar informações de como instalar direitinho, limpar, bloquear, etc. Se algum usuário do MT já instalou esse plug-in com sucesso e quiser deixar algum comentário aqui, sinta-se a vontade! Caso esse plug-in não seja suficiente, outra alternativa é limitar a área comentários, algo que sinceramente não quero e não pretendo fazer.

Escrito a mão pela Marcia às 2:54 PM

Passeios, Ano Novo e Frio

Tivemos um final de semana de muitas caminhadas e foi muito muito divertido. No sábado fomo até Poole e caminhamos desde a baía até um parque bem distante, onde tivemos a chance de ver patinhos, gansos e cisnes.

No domingo fomos até Southampton e também andamos bastante até o porto, onde até pouco tempo o gigantesco Queen Mary estava aportado. Depois andamos pelos parques, visitamos o centro da cidade e algumas ruínas do século 14. Também tivemos a chance de assistir à comemoração de Ano Novo Chinês feita pela comunidade chinesa da região, com dança dos dragões e tambores ecoando pela cidade.

Voltamos de trem e chegamos em casa sob um frio intenso, para então descobrir que uma séria frente fria está se movendo sobre nós e a previsão é de temperaturas negativas em todo o país, no norte vai chegar a -14ºC! Estou torcendo para que neve um pouco aqui na nossa cidade!

Boa semana para vocês!

Escrito a mão pela Marcia às 10:47 AM | Comente este capítulo (1)

janeiro 23, 2004

" 'Cause I know I just can't stay here in heaven..."

Sonhei com minhas cachorrinhas Sasha e Bianca. Ao contrário dos anteriores, este foi um sonho bem feliz. Eu sabia que elas não estavam mais aqui na Terra, mas sabia que elas estavam bem vivas ao meu lado, só para brincarem comigo. Eu estava deitada no chão da garagem da casa dos meus pais, brincando com elas, senti a fofura do pêlo da Sasha, vi seus olhos azuis olhando os meus, senti o calorzinho do focinho preto da Bianca, deixei ela lamber meu rosto como sempre fazia. Mas eu sabia que elas não estavam mais aqui. E sabia que não ia durar para sempre. Senti-las um pouco mais perto de mim outra vez foi uma benção. Sinto muitas saudades delas.

"I'll find my way
Through night and day
'cause I know I just can't stay
here in heaven..."

Escrito a mão pela Marcia às 11:33 AM | Comente este capítulo (7)

janeiro 22, 2004

Bargain Hunt

Ontem fui ao supermercado para comprar os itens de necessidade básica e, como estava só, pude andar tranquilamente entre a seção de coisinhas para casa, livros, revistas, etecéteras. Acabei comprando um pote inoxidável com tampa hermética para colocar saquinhos de chá por 2 Libras! E também um jogo de funil de prástico, de três tamanhos diferentes, por apenas 40 centavos de Libra.

Li na revista do Waitrose que os saquinhos de chá precisam ser conservados em potes herméticamente fechados, para não perder o sabor. E eu precisava de um funil para transferir o azeite da latona para a garrafinha.

Uma barganha! :o)

Escrito a mão pela Marcia às 12:42 PM | Comente este capítulo (4)

janeiro 21, 2004

Sem assunto

Ando meio sem assunto para escrever aqui. Mas pelo menos fico satisfeita de saber que não há nada de ruim para relatar também ultimamente.

Estou apenas numa fase sem muitos compromissos...

Preciso ir ao supermercado sem falta porque nosso leite acabou e principalmente porque não tenho nenhum chocolate aqui!!

lounge.gif

Escrito a mão pela Marcia às 2:02 PM | Comente este capítulo (5)

janeiro 20, 2004

Brasil Online

Para quem mora na Europa e estiver morrendo de saudades de pão de queijo, farofa, feijão carioca, bolo de fubá, goiabada, shampoos, revistas, CDs, entre muitos outros produtos tipicamente brasileiros, há dois sites para comprar online:

São Paulo Imports
FastBrasil

Aceitam cartões de crédito e enviam para vários países.

Escrito a mão pela Marcia às 11:13 AM | Comente este capítulo (4)

janeiro 19, 2004

Cultivando Pepinos

Tá vendo porque eu preciso de agendas, listas e post-its na minha vida?

Porque simplesmente às vezes faço uns descuidos memoráveis.

Esqueci completamente que tinha deixado uma transferência agendada eletronicamente na minha conta principal para minha outra conta num outro banco. Daí que na semana passada fiz a transferência com dias de antecedência, feliz da vida e contente por ser tão organizada.

Daí que o agendamento eletrônico foi lá e puft. Debitou o valor novamente, claro, como é que ele ia saber?

Até aí tudo bem, percebi minha burrada e fui diretamente no site da minha outra conta para transferir o dinheiro a mais de volta para minha conta de origem. Para então constatar que o tal banco exige uma tal novíssima assinatura eletrônica que eu não tenho, por um tal acaso. Liguei para o tal banco e fui informada que essa tal assinatura só pode ser feita na agência da minha conta. Expliquei que não moro mais no Brasil, blablabla, que poderia confirmar todos os dados da minha conta se fosse preciso, mas não. Não, não, não. Não quiseram me ajudar em nada.

Liguei então para a minha agência dessa conta-malvada para falar com uma gerente de atendimento grosseiro (como me desacostumei disso, meu deus!), que me deixou na espera e depois colocou o fone no gancho, sem cerimônia.

Não tive outra opção senão pedir ajuda a minha mamãe salvadora. Enviei a ela os cheques (nominais, cruzados e benzidos) da conta-malvada pelo correio (registrado, com urgência e benzido) para ela depositar na minha conta principal, posteriormente. E não tenho muito mais a fazer do que torcer para que dê tudo certinho. E pagar os juros da conta descoberta, claro.

Mas enfim, o erro foi meu. E há um preço a pagar. E tanto por uma vida organizada... tsc.

Escrito a mão pela Marcia às 3:24 PM | Comente este capítulo (5)

Preguiça e Rotina

No final de semana não fizemos nada de mais além de dar uma voltinha na cidade e tirar fotos de esquilos. Foi um final de semana de muito frio, apesar do sol e do céu azul lindíssimo. No domingo fiz pão de queijo para comer com goiabada e dedicamos o dia à preguiça. Só saimos para postar uma carta, comprar uma revista pra mim (Marie Claire) e cerveja para Mr.M.

Esta semana começou bem nublada e fria, já tenho minha outra listinha pronta, com minha rotina de dia-a-dia. Às vezes é bom ter uma rotina, um ritual diário. Vou ali fazer Yoga, então.

Escrito a mão pela Marcia às 11:53 AM | mais em An ordinary life | Comente este capítulo (2)

janeiro 16, 2004

Listas, listas e listas

Estamos no final da semana e estou bem satisfeita com o resultado das listinhas que eu fiz para esta semana. O grande trunfo foi colocar tarefas realistas, possíveis de serem feitas para garantir a satisfação. Segui conforme havia detalhado, desde o café da manhã (que algumas vezes esqueço de tomar), até as aulas de Yoga, horário para relaxar, afazeres domésticos, cuidar da pele, preparar algo saudável para o jantar, etc.

E é bom ver que a casa inteira está limpa depois de ter dedicado uns poucos minutos para arrumar um só cômodo por dia. E que meu corpo está sendo bem cuidado e que minha cabeça está um pouco mais tranqüila.

Tive até tempo de fazer duas sobremesas durante a semana: bread and butter pudding e pudim de leite. Nham!

Deixei de riscar apenas dois itens: limpar o forno na quarta e fazer Yoga ontem. Não estava a fim. De resto, tudo riscadinho. Ótimo para a control freak dentro de mim! :o)

Que venha agora o merecido final de semana.

Bom fim de semana pra você também!

Escrito a mão pela Marcia às 9:21 AM | Comente este capítulo (7)

janeiro 14, 2004

Arquivo sem Fotos

Nos idos tempos em que eu usava o Blogspot, hospedava minhas fotos, imagens e pequenas tranqueiras numa pasta do sapo.pt. Outro dia recebi um e-mail do sapo.pt dizendo mais ou menas assim: "tua conta tá encerrada, si vira".

E foram simbora todas minhas fotinhas queridas que estavam lá e que eu não tinha passado para meu atual servidor. Daí que agora meus arquivos todos estão sem fotos e com links quebrados porque eu não tenho paciência nenhuma de ficar fazendo upload e editando post por post, desde 2001.

*sigh*

Escrito a mão pela Marcia às 4:40 PM | Comente este capítulo (12)

janeiro 13, 2004

The Day After the Yoga

Ai minhas pernas, ai minhas costas, ai meus braços. *ui*.

:o)

Escrito a mão pela Marcia às 1:00 PM | Comente este capítulo (5)

janeiro 12, 2004

Primeira aula de Yoga

meditation.gif

Minha primeira aula foi bem divertida. As posições são mais difíceis do que eu imaginava e respirar com um sorriso estampado é um verdadeiro desafio. Mas é bem agradável e me senti bem relaxada ao final. E era esse mesmo o resultado que eu estava esperando.

Escrito a mão pela Marcia às 8:52 PM | Comente este capítulo (4)

O começo das resoluções

Nunca em nenhuma outra época do ano a gente se enche de tantas resoluções e energia para começar a melhorar a vida. E como li em algum outro lugar que não me lembro mais, nada envelhece mais rápido que o ano novo.

Então hoje começo uma porção de novas atitudes para minha vida. Percebi que, além de uma infinidade de inseguranças, sou também uma control freak e que preciso aprender a desacelerar minhas ansiedades durante este ano.

Já tenho listinhas (adoro listas) de coisas que eu tenho para fazer durante esta semana. Tudo esquematizado, incluindo afazeres domésticos, culturais e principalmente para meu bem-estar. Me sinto mais tranqüila e ciente de que não estou procrastinando. Essas listinhas começaram na semana passada e posso dizer que a sensação de ir riscando da lista tudo aquilo que eu queria fazer é uma grande satisfação!

Na geladeira, muitos iogurtes (daqueles de consistência sólida que eu adoro), legumes e frutas orgânicas, sucos de laranja com cálcio e queijo suiço esburacado.

Hoje também começo minhas aulas de Yoga, que tanto estava querendo fazer! Minha cunhada Maristela é uma excelente professora de Yoga em Minas e eu queria muito poder ter aulas com ela, mas por enquanto vou ficar com minhas aulas em casa mesmo. Já li alguns livros, comprei meu DVD com as aulas e estou animada para começar.

E finalmente, na minha cabeceira tem um livro novinho para ler antes de dormir. Chama-se Life of Pi, de Yann Martel, uma novela que conta a história de um garoto de 16 anos, que sofre um naufrágio e consegue se salvar num bote, na companhia de uma hiena, um orangotango, uma zebra com a pata ferida e um tigre de bengala.

Enfim, um bom começo. :o)

Uma boa semana para vocês todos!

Escrito a mão pela Marcia às 11:48 AM | Comente este capítulo (6)

janeiro 9, 2004

Fluência, where art thou?

Para quem acha que eu já deveria estar completamente fluente na língua inglesa por morar aqui por mais de dois anos e estar casada com um espécime britânico, sinto muito decepcionar, mas ainda não cheguei lá (seja "lá" onde quer que seja).

Devo confessar que tenho completa pânica-pavora-horrora de falar no telefone em inglês. Não, na verdade não é de falar, mas sim de ouvir em inglês. Por telefone não há expressão corporal, não há lábios para ler, não há nenhuma dica para facilitar as coisas. Alguns telefonemas eu entendo bem, outros são completos e totais fiascos. Quando eu posso, passo o telefone para Mr.M decifrar, mas geralmente tento decodificar por mim mesma.

Hoje precisei ligar para o hospital para confirmar meu exame de ressonância magnética. Ensaiei mil vezes, pedi para Mr.M me explicar exaustivamente tudo o que poderia ser perguntado para mim. Já havia ligado antes mas não consegui ter certeza de ter confirmado. Fiascão. Então desta vez não queria errar, precisava confirmar o exame, principalmente porque o dia do exame já está se aproximando, depois de ter esperado desde junho o hospital marcar a data. Talk about pressure? Daí hoje de manhã liguei. A atendente perguntou meu nome, número de referência do exame, tipo do exame, hora e data marcada. Respondi tudo certinho e ela agradeceu. Mas antes que ela desligasse ainda perguntei se estava tudo mesmo confirmado. Ela disse que sim, que estava. Pheeeeeew. Passou. Consegui.

Obs: A ressonância magnética é parte dos exames de audiologia que estou fazendo. Finalmente vou poder saber o que há dentro da minha cabeça além do vento.

Escrito a mão pela Marcia às 9:38 AM | mais em Little Britain | Comente este capítulo (19)

janeiro 8, 2004

Ano Novo, Cesta Nova

Este ano mudamos nossa cesta de legumes para cesta de legumes e frutas. É mais cara e vem menos legumes. Não sei se vai valer a pena, vamos testar por algumas semanas. Hoje já chegou nossa primeira nova cesta e veio banana, kiwi, maçãs, cogumelos, brócolis roxo, espinafre, alface, alho-poró e pimentão verde. Hum, até que não vem tão poucos legumes... Na outra cesta, estavamos desperdiçando muita batata e cenoura, não dávamos conta de comer tudo o que vinha, uff.

Escrito a mão pela Marcia às 11:15 AM | mais em Food Talk | Comente este capítulo (4)

janeiro 7, 2004

Crer em Papai Noel

Muitos de vocês devem lembrar quando eu publiquei aqui a pequena e singela campanha que estava acontecendo entre os blogs australianos na busca da Girafa Clarence de pelúcia, perdida num incêndio.

A proprietária de Clarence era a doçura de dois anos chamada Alice. A girafinha foi seu primeiríssimo presente quando nasceu e sua parceira fiel de todos os dias e, claro, estava fazendo muita falta nos braços de Alice. Os pais entraram em contato com a empresa que fabricava a girafa mas foram informados que o tal bichinho já havia saído fora de produção.

No blog do pai de Alice, entre muitos comentários de apoio havia também muitas críticas dizendo que os pais deveriam ensinar a pequena Alice sobre decepções e frustrações ao invés de mover mundos e fundos para recuperar o brinquedo perdido. E, após percorrer todas as lojas de brinquedos reais ou virtuais, não houve outro caminho mesmo senão esse, apesar da menina ainda pouco falar e o que dizer então de entender conceitos de perdas e frustrações.

Mas numa manhã de Natal, eis que um pacotinho chega pelo correio com os dizeres: "para Alice, entrega especial do Pólo Norte. Por favor, abra por último". E dentro estava ninguém menos que Clarence, a girafa!

Dois funcionários da Playgro, a empresa que fabricava a tal girafa, ficaram sensibilizados com a história e fizeram uma busca por todo o estoque da fábrica. E acabaram encontrando uma única Clarence, tão tão tão procurada Clarence!

Esta é a foto da pequena Alice com a sorridente Clarence de volta aos seus bracinhos:

Clarence4.jpg

Em meio a um mundo de tanto ceticismo, frustrações, perdas e palavras duras, há sempre um outro lado de amor, de caridade e compreensão. Seja para uma só criança, seja para uma nação, o que é feito com o coração nunca vai deixar de me comover.

Welcome home, Clarence!

Escrito a mão pela Marcia às 12:30 PM | Comente este capítulo (5)

Crianças do Nosso Tempo

Quando a BBC se aventura a fazer bons programas ela realmente faz muito bons programas.

Na virada do milênio, em 2001, a BBC começou um projeto audacioso chamado Child of Our Time. O programa está trabalhando com famílias dos mais variados aspectos genéticos, sociais, geográficos e étnicos para respoder apenas a uma pergunta: nascemos assim ou fomos criados assim?

E este projeto vai durar nada menos que 20 anos! Durante todo esse tempo, diversos experimentos serão feitos para analisar de forma cientificamente acurada como os genes e o ambiente em que as crianças são criadas influenciam na formação de uma pessoa.

Começamos a assistir ao programa quando as crianças tinham um ano. No programa desta nova série que começou ontem, as crianças já estão com três anos e muita coisa mudou em algumas famílias, trazendo conseqüências para a personalidade deles. É a idade crucial para a socialização e muitos já estão mostrando traços de introspecção ou extroversão, de bom-humor ou agressão.

E o mais interessante foi o experimento que media o quanto a TV influencia no comportamento. Uma a uma, as crianças assistiram a TV onde um dos cientistas beijava e abraçava um boneco inflável. Depois cada criança foi colocada numa sala com diversos brinquedos, entre eles o mesmo boneco. Todas se aproximaram do boneco, abraçando e beijando da mesma forma que o cientista.

Da mesma forma, elas assistiram a outro vídeo, onde o mesmo cientista batia e martelava o mesmo boneco inflável. Quando as crianças voltaram à sala de brinquedo, todas sem exceção, mesmo as mais princesinhas das meninas, empunharam a marreta e pow, martelaram o pobre boneco. Mesmo posteriormente, com a presença da mãe na sala dizendo que era errado bater, algumas crianças não pararam e insistiam que o boneco tinha que ser violentado.

Outra experiência interessante foi fazer aquela brincadeira de "advinha em que mão está a moeda?". Os cientistas fizeram essa brincadeira escondendo uma moeda numa das mãos e mostrando os dois punhos fechados, pedindo para a criança advinhar. Ao final da brincadeira, o cientista passava a moeda pra a criança e pedia para ela fazer o mesmo que ele iria advinhar.

O surpreendente é que muitas crianças mostravam ao cientista apenas uma das mãos ou então mostravam as duas mãos abertas com a moeda aparecendo. Elas ainda não são capazes de fazer a mesma brincadeira porque para elas o que elas sabem todos sabem também, por isso não há sentido em esconder ou tentar enganar. Para elas, ainda aos três anos, a idéia de que ela sabe algo que os outros não sabem é simplesmente impossível. E é exatamente por isso, que as crianças até três anos não mentem. Até tentam mentir a princípio, mas não conseguem esconder as evidências.

E para finalizar, é supreendende saber do fato que aos três anos uma criança sorri em média 400 vezes por dia. E essa média vai caindo com o decorrer dos anos e, aos 35 anos de idade, um adulto sorri em média 30 vezes apenas...

:o)

Escrito a mão pela Marcia às 10:10 AM | mais em What's on Telly | Comente este capítulo (5)

janeiro 6, 2004

How Did Di Die?

Começa hoje o inquérito que vai investigar a real causa da morte da Princesa Diana. Isso tudo depois que Paul Burell, seu fiel mordomo e confidente, trouxe à tona uma carta escrita pela própria Diana, na qual ela dizia "Este está sendo o momento mais perigoso da minha vida. (...) está planejando um 'acidente' em meu carro, uma quebra e uma séria injúria na minha cabeça."

Resta saber se Diana morreu mesmo por causa de um acidente ou se houve um frio assassinato do Serviço Secreto.

No tablóide The Mirror de hoje, há a acusação de conspiração por parte de um membro sênior da realeza, interessado na morte da Princesa.

Nos últimos anos a Família Real tem servido apenas para isso, rechear tablóides sensasionalistas. Mas eu tenho pena de duas pessoas da realeza: William e Harry. Os dois filhos de Di e Charles, que nunca pediram para nascer príncipes, que tentam passar o máximo tempo possível longe da Inglaterra onde possam viver sem paparazzis, que perderam a mãe tão cedo e que são por vezes bombardeados por situações que ninguém merecia. Eles têm uma vida de rei, sim. Mas não por escolha própria e isso faz toda a diferença do mundo.

Há meses atrás, os dois fizeram um apelo aos tablóides para respeitarem o sentimento de perda que eles ainda têm pela mãe.

Mas infelizmente, maiores especulações em volta da família estão por vir. Principalmente depois das manchetes do The Mirror de hoje, que divulgou que a pessoa que estava planejando a morte de Diana, era ninguém menos que o pai deles, Charles.

Escrito a mão pela Marcia às 2:00 PM | mais em What's on Telly | Comente este capítulo (5)

janeiro 5, 2004

Refeição de Ano Novo

Com exceção de uma bacalhoada que fiz em Leicester, pouco cozinhei durante esses dias. De volta a nossa casinha, estava cheia de energia para voltar a pôr a mão nas panelas.

Ontem, nossa primeira refeição no nosso lar neste ano (e também ontem comemoramos 2 anos morando neste apartamento), preparei uma deliciosa lentilha!

Encontrei linguiça "calabreza" de Portugal no supermercado e estava ansiosa para preparar nosso prato de Ano Novo.

Primeiro refoguei as cebolas, o alho, pedacinhos de bacon e rodelinhas de calabresa. Depois coloquei as lentilhas lavadas (e previamente deixadas de molho) e cobri tudo com água. E então adicionei um cubinho de caldo de legumes. Deixei cozinhando em fogo baixo e lento até as lentilhas ficarem molinhas. Temperei com um pouco de pimenta moída na hora e adicionei um tiquinho de Thickening, que é um engrossante igual à maisena e deixei apurar por mais alguns minutos. Não coloquei sal porque não foi preciso e esqueci da folha de louro. Servi com arroz branco temperado e um beijo.

O resultado foi um jantar de inverno bem aconchegante, saboroso e com desejos de que o ano seja de muita prosperidade. :o)

Escrito a mão pela Marcia às 12:20 PM | mais em Food Talk | Comente este capítulo (10)

Ice House

Em Leicester estava fazendo um frio intenso, com geada, vento frio e clima úmido e congelante.

Num dos dias, fomos até o supermercado no vilarejo de Blaby e na volta a mãe do Martin sugeriu que fossemos dar uma volta para conhecer o parque que ficava lá perto. Neste parque havia um lago e para o meu total espanto, o lago estava completamente congelado, sólido, empedrado!

Era a primeira vez que eu via um lago congelado! Lindo e ao mesmo tempo assustador pela força que o frio tem.

E ao lado desse lago congelado havia uma construção histórica do patrimônio britânico: uma Ice House, ou a Casa do Gelo, preservaada desde a época Vitoriana. São câmaras subterrâneas, com uma porta de entrada principal e com uma pequena abertura no teto.

No século 19, o gelo era uma preciosidade, já que não existia o nosso tão amigo aparelho doméstico chamado refrigerador. Então, quando o Reino Unido não importava o gelo da Noruega, usava o gelo das Ice Houses. O Ice Man, que era o moço responsável pelo duro trabalho de cortar o gelo do lago, estocava o gelo nessas casas. Algumas Ice Houses serviam para conservar carnes, outras serviam de depósito de gelo que depois era vendido em blocos para serem usados na preservação de alimentos, nos hospitais e, é claro, também na produção de sorvetes.

Icehouse.jpg
Foto: BBC Radio 4

Escrito a mão pela Marcia às 11:51 AM | mais em On the Road Again | Comente este capítulo (5)

janeiro 4, 2004

O Primeiro Ano do Resto de Nossas Vidas

Primeiro post de 2004. FELIZ 2004 para você! Estamos finalmente de volta a nossa cidade depois de passar 10 dias em Leicestershire, região central da Inglaterra. Chegamos hoje, passamos dias ótimos por lá, apesar do frio inacreditável e da falta de qualquer tecnologia inventada depois da energia elétrica. Mas estou bem contente de estar de volta à nossa casinha. Ligamos o aquecimento central assim que chegamos mas o apartamento ainda continua geladíssimo, ainda vai demorar algumas horas para a temperatura se normalizar por aqui.

Quero agradecer a todos os recadinhos e e-mails com votos para este Ano Novo para nós! Muito Obrigada a todos.

Ainda tenho muita coisa para fazer antes de sentar com calma e escrever mais posts sobre como foram nossas festas. Uma tonelada de roupa para lavar, presentes para guardar (eba!), carpetes para limpar e um corpo para relaxar.

Resoluções para o novo ano? Sim, mas apenas uma: me manter saudável física, psíquica e espiritualmente. Este é o primeiro ano do resto de nossas vidas e não vai voltar mais. Melhor fazer dele o melhor possível, por mim, por nós, pela vida.

Escrito a mão pela Marcia às 1:47 PM | Comente este capítulo (10)

« dezembro 2003 | Main | fevereiro 2004 »