« Eu Queria ter Escrito | Main | Curtas »

Comida da Cantina

O Channel 4 está exibindo a nova série de programas do chef Jamie Oliver, que tem se dedicado inteiramente a melhorar drasticamente as refeições servidas nas escolas de todo Reino Unido, através da campanha Feed Me Better.

Os estudantes aqui entram na escola às nove da manhã e saem às três ou quatro da tarde. Durante esse período, eles têm cerca de uma hora de almoço e geralmente comem gratuitamente na cantina da escola.

E o que o programa têm mostrado é absolutamente horripilante. Em quase todo país o menu é o mesmo: hambúrgeres arroxeados, batatas fritas oleosas, pizzas, linguiças esbranquiçadas, nuggets feitos de sabe-se lá o quê e também -- o mais falado ultimamente -- turkey twizzlers, que parece ser uma salsicha sem pele processada em forma de mola, feita de peles, pés, e outras partes menos nobres do peru, servido frito.

O primeiro dia do programa causou um furor na mídia, todo mundo escandalizado ao ver o que as crianças comem dia após dia, após dia. Nutricionistas e pediatras também engrossaram o angú dizendo que se essa alimentação diária continuar, esta geração de crianças vai ser a primeira a morrer bem antes de seus pais. Assustador ou o quê?

Image148.jpg
Foto tirada do celular de Jamie Oliver, durante o evento Feed me Better, em Londres

Bem, então Jamie Oliver entrou em cena decidido mudar para sempre esse cenário nojento. Com a vergonhosa verba de 34p por criança (quase a metade da verba comparando com o gasto para alimentar presidiários), Jamie pegou uma escola para seu experimento, a Kidbrooke School, e começou a trabalhar com as dinner ladies, as serventes da cantina. Com muito esforço para convencer as mulheres que é preciso cortar legumes e cozinhar uma boa refeição ao invés de simplesmente jogar uns troços congelados no forno ou no óleo quente, Jamie conseguiu oferecer no seu primeiro dia foccacia, frango assado com ervas e espaguete com molho de cinco vegetais.

Porém, o grande problema, ele logo percebeu, é que as crianças já estão mais do que acostumadas com o junk food. Ninguém quis nem provar o que o moço da tv tinha feito. A maioria pedia o mesmo: pizza e chips, hamburguer e chips, nuggets e chips, turkey twizzlers e chips.

Durante o segundo programa, Jamie tentou fazer uma re-educação alimentar com as crianças, mostrando vegetais e perguntando se eles conheciam o que era. Nas mãos dele, um maço de aspargos. Na cabeça de uma das alunas aquilo era uma cebola (?!?). Envolveu as crianças no processo de preparar uma refeição, ensinou a misturar sabores, a provarem novas texturas. A maioria cuspiu a comida no chão.

De saco cheio, no terceiro programa, que foi ontem, Jamie institui que: ou as crianças comem o que ele faz, ou passam fome. E baniu todos os junk foods disponíveis. Chocadas, as crianças e adolescentes fizeram o que mais sabem fazer: manha. Uns gritaram, outros xingaram, outros choraram, outros fizeram drama. E impassível, Jamie segurava a criança pelo braço e dizia: "se você está mesmo com fome, você pelo menos vai tentar comer alguma coisa do que está sendo servido hoje. Se não está com fome, cai fora". De olhos arregalados, a maioria não sabia o que fazer. E o que estava sendo servido: cannelloni, coxas de frango assadas, arroz, salada, espaguete a bolonhesa e yakissoba vegetariano.

No primeiro dia os adolescentes resolveram pegar a comida da cantina, deixar nas mesas e sair sem comer nada, em protesto (porque adolescentes são mesmo um saco em qualquer lugar do mundo). Nos dias que seguiram, aos poucos as crianças começaram a comer o que tinha, por falta de opção. Depois de duas semanas, o volume de alunos comendo a comida da cantina já estava igual a antes. Com a diferença de que eles estavam comendo uma alimentação bem mais saudável e tinham muito mais energia para se concentrar na aula até o final do dia.

Agora Jamie Oliver e a servente da cantina Norma (engraçadíssima e super bacana), estão peregrinando pelo país inteiro para fazer o mesmo. E o que mais tem chamado a atenção deles é que a maioria das serventes são contratadas para enfiar congelados no forno, mais nada. Muitas sequer sabem cortar uma cebola em fatias. O trabalho da equipe de Jamie Oliver tem sido intenso e muitas vezes infrutífero, com pais reclamando na orelha dele que isso tudo é frescura e o Governo achando que tudo é só uma brincadeira de tv.

Mas alguma coisa já começou a mudar. Na semana passada o governo baniu a distribuição de turkey twizzlers nas escolas. E também está discutindo uma provável nova verba para a alimentação dos estudantes. É um começo. Muitos pais também já começaram a se envolver no projeto mais ativamente, exigindo de seus MPs mais atenção sobre o assunto.

E Jamie poderia muito bem ter continuado a tocar seu restaurante Fifteen, escrevendo livros e ganhando rios de dinheiro sem dar a mínima pro que acontece nas escolas públicas, uma vez que suas filhas provavelmente vão para escolas privadas. Mas ele escolheu mudar, escolheu dar as caras pra bater, escolheu fazer alguma coisa. Mesmo que isso tudo logo caia no esquecimento e as serventes voltem a entupir as crianças de processados, pelo menos ele fez o que estava ao seu alcance, pelo menos ele continua tentando com todas as forças. E muito bem.

E eu, pobre espectadora, fico louca da vida de ver as crianças dizendo que a comida que Jamie serve é horrível e nojenta. Eu me lembro tão bem da comida da cantina da escola estadual em que estudei. Me lembro das servendes mau-humoradas pegando um dos pacotes de comida em pó do depósito para despejar numa das panelonas cheias de água fervente. Me lembro que no depósito dessa comida em pó, os sacos que ficavam no chão eram todos molhados com xixi de rato e roídos por baratas, ratazanas e afins. Me lembro do cheiro enjoativo da gororoba sendo servida, me lembro do gosto de nada que aquela sopa tinha. Eu era uma felizarda que tinha dinheiro para comprar outra coisa na lanchonete da escola. Mas muitos dos meus colegas tinham que comer aquilo lá mesmo, todos os dias. E eu morria de pena e até vergonha de comprar um sanduíche bem melhor que aquilo. E essas crianças inglesas são presenteadas com frango assado, com cannelloni de espinafre e ricota!! Quão sortudas são elas?? O que a gente não daria para ter isso nas escolas estaduais brasileiras?? Essas crianças daqui e seus respectivos pais precisam de perspectiva. Se não gosta, tudo bem, não come. Mas fazer auê e dizer que tudo é nojento me tira do sério. Humpf.

Go, Jamie, go!


31 Comentários

Marcinha, vc imagina que o lanche que algumas mães da escola da Carol mandam para seus filhos de 3 anos, é salgadinho Elma Chips e uma garrafinha linda da Barbie repleta de Coca-Cola. E eu me esforçando para tirar os caroços da uvas ou cortando manga em pedaços... Será que perdi alguma coisa?

Marcia,

achei fantástica a idéia e tiro essa coisa da alimentação mais saudável por mim mesma.

Quando cheguei aqui, só queria comer coisas rápidas e fáceis de serem feitas. Muita porcaria, convenhamos.

Aos poucos (ou melhor, depois de me dedicar à Dieta de South Beach) comecei a achar couve à mineira uma delícia, mal consigo almoçar sem uma salada de tomate e brócolos são diariamente, eu amo. E sinto-me muito mais disposta!

Beijos

Oi MArcinha Belezoca, que saudade!
Xiii, minha amiga, verdade verdadeira que tá assim de escola desse jeito aqui e em todos os lugares do mundo, né? E como vc mesma relatou tão bem, as crianças acabam sem referência entre cebola e aspargos. E o pior é que, como disse a Cris ali em cima, muitos DOS PAIS (já que a responsa é tanto da MAE quanto do PAI) engrossam o caldo enchendo as lindas lancheiras de porcarias. Realmente é mais simples mandar um lanche pronto com refri do que tirar a semente da uva e espremer uma laranja.
Enfim, o onus do descaso virá com os anos. crianças frágeis, obesas, vazias....
Muitas vezes acontecem ao nosso redor, com nossas amigas, familiares e pouco ou nada se pode fazer. Quem sabe a escola, ãh? Será?
Gde beijo, com saudade,
Lu e Alice (a magrinha de 12kg DE PURA FRUTA, VERDURA, LEGUMES.....!!!!!!!!!!)

Oi Marcia! Achjo que vou virar fã desse blog..rsrsrs, cheguei aqui atraves da ale e adorei esse post.
Vc já assistiu o Supersize-me? Que inclusive ganhou o Oscar de melhor documentario? Ele fala exactamente sobre isso. E mostra as crianças na escola a comerem tudo isso o que vc citou e mostra as consequencias que essa alimentação pode ter tambem.
Realmente o nosso organismo não está preparado para esse tipo de alimentação, e tendencia é a qualidade de vida cair deia apos dia...o pior ´+e que as crianças estão muito acostumadas com esse tipo de "comida" e a culpa muitas vezes são dos pais tambem!
Ontem fui comer num restaurente e ví uma criança de menos de um ano, a comer batatas fritas do Mc Donalds! Achas normal?
Um beijinho prs vc,
Pris

Oi Marcia,

Eu tambem assisto a esse programa e tambem fico indignada com esses adolescentes e criancas ingleses, mas mais ainda pelos pais que tem toda a responsabilidade de cuidar da alimentacao em casa tambem. Ontem eu perdi, mais ja vi, aqui pelo seu blog que ele pegou pesado como eu tinha comentado com o meu esposo o que ele tinha que fazer. Eu adoro o programa!
Um abraco,
Cris.

Fiquei indignada lendo isso. Se algum dia eu tiver filhos na Inglaterra, acho que vou entupir legumes e verduras e frutas neles desde bebês. Não que eu seja ferrenha defensora dessas coisas, na verdade adoro uma boa junk food. Mas eu sei que EU estou errada. Notei que, de modo geral, o inglês médio se alimenta mal, mesmo. É chinese take away pra cá, comida de pub pra lá, congelado da Marks & Spencer acolá e assim vai. Sorte que o Alaric adora cozinhar e só usa alimentos frescos, com o mínimo de fritura possível. Mas mesmo que eu consiga fazer com que os pirralhos comam bem em casa, será que os hábitos adquiridos vão ser fortes a ponto de resistir ao ataque massivo de junk food a que serão expostos na escola? Será que não serão ridicularizados por roer cenoura enquanto os outros atacam pacotes e mais pacotes daqueles insuportáveis chips (aquilo tem mais sal que as salinas de Cabo Frio e mais corante que tinturaria)? Mistééério... :o/

Oi Marcia, tudo bem? Adorei o seu blog, achei por pura coincidencia e comecei a ler desde o comeco, pois e como se fosse um livro. Meu marido tbem e ingles mas moramos nos States e varias coisas que vc escreve foram coisas que ou aconteceram comigo ou eu achei o mesmo. Bom, mas so quero dizer que vc esta de parabens. Vc escreve super bem e e um passatempo ler o seu blog, mesmo que as vezes eu ache que esteja invadindo a sua privacidade, o que e estranho, pois esta na internet, ne? Se cuide e continue com essa sua alegria de viver.

Flavia

Queridoca, que loucura! Essa de comer pés de peru moídos... ó céus! Que bacana essa iniciativa do Jamie Oliver! Tomara que a TV sueca compre os programas (acho que deve comprar sim). Beijocas.

Olá Marcia, fiquei sabendo do seu blog no blog da Maria (montanha russa) e tenho acompanhado há algum tempo... O seu post de hoje realmente me impressionou... primeiro porque a escola devia ser a primeira a tentar evitar que os estudantes comessem tanta "junk food" (pode ser uma opção barata a curto prazo, mas a longo prazo o governo - que é quem está fazendo a economia com a dieta pouco saudavel - vai ter de desenbolsar muito dinheiro tratando de adultos com alto colesterol, obesidade e outros problemas relacionados à alimentação). E a outra curiosidade foi que o apresentador do programa conseguiu, com a mesma verba, providenciar um menu saudável e ao mesmo tempo apetitoso. Ou seja, mesmo com uma verba tão baixa é possível sim preparar uma refeição mais saudável... Foi uma idéia excelente desse chef. Agora é torcer pra que ela seja aceita e seguida... do contrário, o número de crianças e adolescentes obesos no Reino Unido vai crescer cada vez mais...
tudo de bom pra vc!!! *Ü*

cara, é primeiro mundo! inglaterra é pri-mei-ro-mun-do! eu não cridito!

Marcinha, já falaram aqui do filme "Supersize Me", que mostra que a situação aqui nos EUA também está um lixo.

A culpa disso também é dos pais, que em casa só servem lixo para as crianças, então chega na escola elas também vão comer lixo, e quando vem um Jamie da vida oferecer coisa melhor, torcem o nariz.

E, PQP, queria eu ter um cozinheiro desse porte fazendo comida para mim! Ia engordar que nem um porco de tanto comer! :-)

Muito legal esse esforço, espero que dê resultados. Duvido que isso acontecesse aqui nos EUA, pois na primeira vez que ele falasse que se elas não quisessem comer iam passar fome, ia um pai ignorante abrir processo contra ele e eles teriam que voltar atrás e dar o lixo para os moleques comerem.

Pois é Marcinha, o lance é que aí na Inglaterra o mercado de produtos infantis é enorme e as empresas pegam pesado no marketing, tenho amigas que me 'apresentavam' todo tipo de tranqueira para dar para as crianças, desde queijo cortado como fios de macarrão até os tais crisps que são geneticamente modificados. Lembro-me que uma me disse que com o tempo eu iria ao mercado só procurando essas coisas para as crianças, resisti, compro sim umas porcarias, mas com moderação, porque ninguém e de ferro, e taí mais uma vez fico feliz de ter mudado para a Suécia, as crianças agradecerão um dia!

Cheguei aqui através da Ale e gostei muito do post de hoje. Sou fa do jamie Oliver e achei o maximo isso que ele esta fazendo. O pior é saber que tem pais que nem ligam para o que os filhos comem, eles nao querem é ter trabalho. Abracos

Oi Marcinha,

Jamie merece toda a minha admiração pois apesar dos "pentelhos chatos" não desistiu ... como pode né? Negar canelone, franguinho assado, arroz e etc, uh que vontade de dar um cascudo em cada muleque que recusou rsrsrsrs
Mas legal ele não ter desistido, foi numa boa, todos o ignoraram, resolveu 'apresentar' os vegetais, continuaram ignorando-o partiu para uma 'psicologia' mais severa todos obedeceram!!!
E isso aí, palmas para Jamie !!
beijinhos,

Cris querida, é tão mais fácil meter um pacotinho de Cheetos e encher as garrafinhas de refri, né? Mas tenho absoluta certeza de que a Carolina já sabe exatamente o que é mais gostoso, o que é praparado pela mamãe, ao invés de simplesmente ser entupida com processados. E você e o Tadeu que trabalham o dia inteiro, estão de parabéns de reservar sempre um tempinho para cuidar bem da saúde da sua filhota! Beijos, querida.

Pururuquinha, a gente também consumia muita tranqueira, logo quando mudei, porque tudo era novidade pra mim e tão mais fácil de fazer. Mas aos poucos vai enjoando e a gente quer mesmo é uma comidinha bem feita, nem que seja uma saladinha ou uma couve bem refogadinha, né?

Luciana Belezuca, exatamente, o que para muitos parece inofencivo, com os anos essas crianças já vão apresentar problemas de pressão alta, artérias entupidas e derrames muito mais cedo que se espera. Falta muita conscientização, não só das escolas, mas principalmente dos pais, como você falou bem. Beijos.

Priscila, ainda não vi o filme, mas é isso mesmo, grande parte da culpa é dos pais, que cada vez mais cedo vai empurrando os junkies. Uma criança de um ano precisa mesmo de batata frita do McDonald's?

Cristina eu também adoro o programa, mas morro de pena do Jamie, hohoho. Parece que nada dá certo, um monte de gente reclamando na orelha dele, admiro a paciência e a determinação que ele tem para levar o projeto a diante.

Marie LaStrange, eu me pergunto o mesmo... Mas acho que se as crianças comem bem em casa, elas sabem diferenciar. Centenas de crianças no Reino Unido reclamam veementemente que a comida da cantina é péssima, isso me dá esperanças. Se elas sabem o que é bom e o que não é, já é um grande avanço. Mas o que você faou, o bulling é algo que me preocupa também. A criança vai comer o junk só pra fazer parte da turma dos podrões, ai ai...

Flávia, obrigada e bem-vinda. E não se preocupe, não considero a leitura do blog nenhuma invasão de privacidade.

Mary queridoca, o programa é bem divertido ao mesmo tempo que é assustador. Acho que a tv sueca compra sim, os programas dele são vendidos pra todo canto do mundo porque sempre dá audiência, né? Beijocas.

Sam, exatamente, já existe um grande número de crianças sendo internadas com grave prisão de ventre e outros problemas digestivos por causa dessa dieta.

Telinha, todo o UK é pequeno, né? Dá pra um doido só ir de norte a sul do país tentar mudar o cenário. Mesmo assim são 59 milhões de habitantes.

Mauro, cê tá certíssimo. No mesmo programa o chef passou uma semana na casa de uma família cujos 6 filhos estudam naquela escola. E tudo o que eles comiam todos os dias era o mesmo que a escola servia. O mais novo sequer pode colocar uma fruta na boca, que odeia. Jamie ofereceu 100 libras (R$ 500) para ele provar um raspberrie e ele recusou com todas as forças (além de tudo é burrinho). Inacreditável. Como esse programa é mostrado no canal aberto, a grande esperança é que traga conscientização para a maioria das famílias. E realmente, nos EUA tudo deve ser mais complicado mesmo... Muitos pais andam reclamando que os filhos voltam com fome da escola e fazem um certo fuzz na escola. Mas esse negócio de processar ainda não chegou nos níveis americanos, por enquanto.

Suyaen, isso mesmo, os supermercados estão abarrotados de processados em tamanho ideal pra colocar na lancheira das crianças. E tudo em pacotes promocionais, o que faz parecer que fica até mais barato do que fazer um sanduichezinho. Uma vez ou outra eu acredito que não faz mal nenhum. Mas todo santo dia é demais, né? Na Suécia deve ser mesmo diferente, eu não vi tanto junkie nos supermercados como tem aqui. E o Kalles é tudibom e faz bem pro cérebro, né?

Estou acompanhando essa serie fascinada, e realmente fiquei com muita raiva desses adolescentes idiotas que se recusavam a comer a deliciosa comida sendo preparada. Alguns ate saiam nos intervalos para comprar junk na rua. Isso e comportamento de viciado em drogas. Quem me dera ter o Jamie Oliver na cantina ,alias a cantina aqui da empresa precisa do toque dele urgente, rs...
Outra coisa que me deixa boquiaberta e a recusa de ingleses em geral, e nao apenas criancas, em beber agua!
Nao entendo porque os ingleses criticam tanto o Jamie Oliver, acho que e inveja mesmo por ele ser uma celebridade com consciencia social.
Agora aquela boca suja dele e novidade...te mhoras que ele parece o Gordon Ramsay!

Márcia,
Eu acho o Jamie sensacional1 Agora ainda demais depois de saber dessa iniciativa! Por mais lenta que seja a mudança por aí, pelo menos uma coisa está sendo feita. Não tenho esperança de que algo semelhante seja feito aqui no Brasil. É uma pena não termos celebridades conscientes por aqui! Como vc mesmo falou, ele não precisava desse trabalhão que está tendo. Ele já é conhecido...tem o restaurante de sucesso e programa na TV! Que bacana alguém lutar por um ideal! E muito bom ter vc pra contar essas coisas bacanas pra gente. Um beijo gde
alinE

Que iniciativa maravilhosa que o Jamie Oliver teve, e que tristeza ver que as criancas e adolescentes estao tao viciados nessas porcarias que nem sabem o que e bom ou ruim! Espero que os pais mais conscientes facam barulho o suficiente para manter viva essa mudanca e as escolas nao voltarem atras. Depois podem mandar o Jamie vir pros EUA que o esquema aqui nao e muito melhor...

Oi Marcinha,

Meu nome e Katia, sou de Goiania-Go. Ha algum tempo venho acompanhando os seus escritos, adoro le-los, eu ate sinto falta qdo vc fica algum tempo sem escrever. Vc faz tudo ficar interesante. Gosto muito quando vc descreve sua aventuras culinarias. Pra mim isto e um maximo, pois eu nao sou muito boa nesta area. Mas agora que casei estou me esforcando. Eu ate tentei fazer uma receita que vc indicou, o risoto de cogumelos(mushroom). Ficou muito bom e eu fiquei animada pra fazer mais tentativas. Quem sabe eu ate tente fazer pao algum dia.
So agora eu resolvi me "revelar" pra vc saber que tem muita gente, ate quem vc nao sabe, que le o que vc escreve e gosta muito. Nao liga pra essa gente chata que so fala abobrinha. Vc e inteligente e sabia, seja mais vc e deixa essa gente de lado.
Eu agora estou morando aqui em Londres, deste de julho. Casei em novembro. Estou gostando muito de viver aqui. O meu marido nao e Ingles, ele e Chines e e lindooooo de viver!!!!!
Um grande abraco da sua leitora.

Katia

parabéns, Marcia. não sabia desse programa, nem da repercussão. Eu, que já era fã de carteirinha do moço, ainda o admiro mais.

brigada!!

(vou mandar seu post pra escola do meu filho, td bem??)

Genial, Marcinha!
Eu já era fã do Jamie Oliver só pelas delícias que ele faz, e pela delícia que ele é (hahhaha! acho aquela língua presa um charme!). Depois dessa, então, tô com Jamie e não abro. :-)

Oi, Marcinha.

Entao, era isso que eles nos serviam la nas cantinas do Brasil, eh??? rs
Gente pequena que nao ve, nao sabe, ne?
Mas, falando serio, eu gostei da leitura de hoje. Muito interessante. E olha, as escolas publicas aqui no Canada nao servem lanche de graca nao. Paga e ainda come o mesmo tipo de menu. Para as criancas, nao e "cool" comer vegetais e frutas. E "cool" comer McDs. Mas ate que temos alguns pais, escolas entrando no ritmo do que e bom tambem.

Nem dá pra falar que isso é dar pérolas aos porcos, porque no final das contas essa criançada foi condicionada a gostar de lixo, e adolescente é mesmo uó em qualquer lugar do planeta... Um dia eles ainda crescem. Sim! esses malas terão essa sorte, porque têm um prato de comida (e boa!) pelo menos por dia... Aqui, 44 milhões de pessoas continuam não sabendo quando será sua próxima refeição...

Muito bom o post, Marcinha. Eu só queria mesmo é saber o que são turkey twizzlers...

:-)

Ja que estamos falando de comida, eu hoje dei uma espiada legal nas suas receitas ,e tem muita coisa bacana la! Estou especialmente interessada no risoto de champignons e no roast beef, prato que parece simples mas que eu nunca consegui dominar, e voce da todas as dicas para ficar perfeito! Vou tentar logo! Bjs,

Marcinha, eu já era fã do Oliver e essa iniciativa é muito mais que apenas um programa de TV, é um sério alerta a todos nós.
Como vc. disse, ele poderia estar se lixando para problemas como esse e ganhando dinheiro a rodo com o talento e fama que possui...
Fã do Oliver e da Marcinha, claro! Tô sempre aqui, viu?
Beijos.

Que post fantástico! Grande Jamie! Grande Marcinha!

Marcinha, eu sempre fui sua fã, desde que te "conheci" no LV do Mothern. E até hoje volta e meia alguém faz propaganda de um post seu. Dessa vez foi a Surya.
Amei saber dessa experiência. Cada vez me preocupo mais com a alimentação. Me choca perceber que ando na contra-mão, pois o que tem acontecido é que cada vez as pessoas se preocupam MENOS com isso.
Vou citar seu post no meu blog, ok?
Muitos beijos e minha admiração,
Monix

Vim tbém através da Surya. Ótimo post, Marcinha. Mas eu tenho ótimas lembranças da comida da escola pública onde estudei. E eu tbém não precisava comer a mesma comida q as outras crianças, já que a minha mãe era diretora. Aliás, até hoje, vinte e tantos anos depois, quando vou à escola estadual que a minha mãe dirige, eu "filo a bóia", que é deliciosa e saudável!

clap clap clap
eu concordo: o projeto é o máximo e seria mais do que divino se o tivéssemos por aqui. Além disso, eu sou adepta do "se estiver com fome, vai comer", se não, come não. Isso funcionma com criança mimada, adulto fresco e com bicho de estimação cheio de dengo.

Márcia,, vim pelo Duas Fridas, onde a Monix mencionou esse texto. Que máximo! Tenho dois filhos pré-adolescentes e descobri, chocada, no início deste ano, que estão ambos com colesterol acima do ideal. Mais chocada ainda fiquei quando vi que não era prerrogativa dos meus filhos, e sim uma epidemia entre filhos de várias amigas. E dá-lhe McPorcarias!!! Estou tentando (mais firmemente) introduzir as ricotas com espinafre e peito de peru aqui em casa também, e sentindo na pele a dificuldade que o Jamie deve ter passado. Mas vale a pena! Bjs pra vc e parabéns pela iniciativa de divulgar a matéria!

oi marcinha,

nem te conheço muito bem (vim pela Duas Fridas), mas adorei seu post! Morei um ano na Inglaterra e ao ler o texto me lembrei de como me chocava a comida que a maioria dos ingleses comem... é bem parecida com o que é servido nas escolas, provavelmente por isso é tão difícil conseguir mudar hábito das crianças. Sou casada com um ingles e quando vamos visitar a família dele, tenho que montar uma "cozinha paralela", porque eles comem exatamente este tipo de comida... Ah! E raramente eles concordam em experimentar as coisas (frescas!) que eu faço... Hábitos são difíceis de mudar...
Durante algum tempo dei aula em uma escola pública na periferia da grande São Paulo e várias vezes comi a janta servida na cantina - e era bem legal! era comida mesmo: macarrão, sopa, arroz, feijão, frango, legumes, etc.
De uma forma geral, acho que no Brasil ainda temos um hábito alimentar bem mais saudável - embora a epidemia de hambúrgers e da comida "pronta" há muito tempo já tenha chegado aqui.
Mas, eu acho que se em casa a criança é apresentada a boa comida, ela adquire um paladar que permite fazer escolhas mais saudáveis. Por enquanto ainda posso "controlar" a alimentação da minha filha, pois ela só tem 2 anos, mas eu sei que daqui para frente, cada vez mais, ela vai ficar exposta as propagandas, a pressão dos amiguinhos, as ofertas constantes de doces, frituras, enlatados, etc. Por isso, só me resta dar o exemplo (o que não é nenhum problema!..), oferecer coisa melhor e ajudar ela a descobrir como comida fresca (e saudável!) é uma delícia!!
beijos!