outubro 29, 2013

Bourton-on-the-water Model Village

Passamos uma semana em The Cotswolds, região de Gloucestershire famosa pelos vilarejos pitorescos e tradicionais. Um dos lugares que visitamos por lá foi o Model Village em Bourton-on-the-water, uma réplica miniatura do próprio vilarejo.

Impressionante a atenção nos detalhes, cada telha dos telhados foi colocada cuidadosamente uma a uma. As paredes de pedras são da mesma cor que as cottages do vilarejo. Os musgos e fungos estão crescendo igualmente nas superfícies.









Mas o que mais me fez suspirar foram as plantas, todas reais, podadas em estilo bonsai. As trepadeiras tradicionais na fachada das casas e as árvores de castanhas (que geralmente são imensas) são incríveis.













Para Miss S o mais divertido foi se sentir uma gigante e bater em todas as portinhas, feito coletor de impostos...









Escrito a mão pela Marcia às 4:20 PM | mais em On the Road Again | mais em That British Kingdom | Comente este fragmento(5)

junho 3, 2013

Back to The City

Mr.M voltou do México numa quarta-feira e na quinta, fomos eu, criança de dois anos e cinco meses e marido jet-lagged de novo para Londres. Chegamos às duas da tarde e fomos direto pro Regent's Park com a intenção de levar Miss S no London Zoo. Mas durante a caminhada deliciosa por dentro do parque perguntamos várias vezes se ela queria ver os animais. Quer ir ver o leão? "Não." Quer ir ver os macacos? "Não." Quer ir ver a girafa? "Não." Quer ir ver as lontras? "Não." Que ir ver as borboletas? "Não, eu vi a borboleta ontem."

Então mudamos de planos. Atravessamos a ponte e caminhamos pela área tranquila e agradável do Regent's Canal em direção à Little Venice. Miss S andou bastante pela margem do rio, viu patos com filhotes e as embarcações charmosas.







Voltamos pro Regent's Park em direção ao hotel, com Miss S ainda andando pra todo lado. Paramos para soprar sementes de dandelions e Miss S achou a coisa mais engraçada do universo! Ano que vem todo o parque vai estar coberto de dandelions, you're welcome Your Majesty.






Encontramos um café que estava vazio e entramos para descansar tomando chá e comendo bolo de chocolate que faz tudo ficar melhor.






Fizemos check-in no hotel, adoramos o quarto, bem equipado, com geladeira vazia para as comidinhas de Miss S (e nosso vinho). Pedimos sushi e tempura no restaurante japonês vizinho e Miss S comeu yakisoba e um pedaço de baguette meia-boca do supermercado. E dormiu o sono dos justos, sem se mover a noite inteira.

No dia seguinte nos separamos: eu fui caminhando por meia hora até o Consulado; Mr.M e Miss S foram passear no Boating Lake e Queen Mary's Park. Eu adorei essa caminhada bem de manhãzinha, sozinha pela primeira vez. No Consulado tudo correu bem, fui extremamente bem atendida e já estou de posse de um novíssimo passaporte azul-marinho biométrico e com chip, que ficou pronto em cinco minutos.

Já que estava em Oxford St aproveitei para ir a Selfridges pronta para comprar macarons de Pierre Herme. Mas sendo uma yorkshire lass assim que vi o preço 7 por £17 eu exclamei "HOW MUCH?!?!" e não comprei. Fui para a patisserie Paul e comprei uma baguette de respeito para Miss S e croissant de amêndoas para nós. Caminhei pela Baker Street até chegar ao parque e encontrar com Mr.M e Miss S que estavam sentados na sombra. Quando ela me viu, Miss S veio correndo ao meu encontro me abraçar. Aww. Ela quis saber o que tinha nas sacolas e logo quis sentar e comer a baguette. Mr.M perguntou se estava bom e ela levantou o polegar. My girl.






Almoçamos e voltamos pro hotel para Miss S dormir. Eu fiquei com ela e Mr.M saiu para vasculhar as lojas de Tottenham Court Road. Quando Miss S acordou fomos andar pela região e entramos no British Museum para mostrar a ela a magnífica entrada. Ela ficou admirada, quem não fica, em qualquer idade? Essa deve ter sido nossa quinta visita ao museu e a arquitetura ainda arranca suspiros. De volta pra rua, passamos em frente a um restaurante Wagamama e Miss S reconheceu e apontou e disse que queria comer pasta. Tentamos virar o carrinho mas ela entrou em pânico, pediu pra voltar e entrar. Valeu a pena porque desta vez Miss S comeu tudo que veio no yakissoba: frango, milho, legumes, ovos e todo o noodles. Geralmente ela só come os noodles e deixa todo o resto. Só por isso já ficamos satisfeitos.

Mesmo sabendo que o lugar estaria o inferno na terra resolvemos ir a Covent Garden mostrar os artistas de rua pra Miss S. Fazia anos que não visitávamos o local e pelo que me lembrava tinha uma loja do Peter Rabbit, M&S, algumas de decoração, além do mercado tradicional. Agora tem Chanel, Laduree, Apple Store... how time changes.

Assistimos a um dos artistas de rua, mas Miss S não estava nem um pouco impressionada. Eu fiquei bem na vitrine da Laduree, suspirando ainda sobre os macarons não-comprados de Pierre Herme. Mr.M insistiu para que eu comprasse os Laduree já que "if mama ain't happy, ain't nobody happy". Fui lá, esperei uma eternidade na fila porque, ao contrário de mim, ninguém na fila tinha uma toddler lá fora lhe esperando impaciente, então cada um demorou várias vidas para escolher seus míseros sabores. Chegou a minha vez e pedi rapidamente dois-chocolates-dois-vanilas-dois-amoras-dois-chocolates-de-ghana-please. E comprei uma caixa de 8 por £13. Assim que saí com a minha sacolinha, Miss S mudou a expressão, abriu um sorrisão, pegou a sacola e bradou bem alto: "I'm having a good time!!!" ("eu estou me divertindo!!!") My girl.






No dia seguinte tínhamos pouco tempo além de tomar café da manhã, mas Mr.M e eu seguimos firmes em nosso plano de experimentar os top 10 melhores cafés artesanais de Londres. Já fomos ao Monmouth e nossa idéia era ir ao Tap do lado do hotel. Mas no sábado abria só as 10h, então caminhamos mais um pouco até a Kaffeine. Tomamos flat white que estava muito bom. Havia grãos de café de Minas Gerais a venda. O grande destaque porém ficou para a focaccia com ovos, salame e queijo. Miss S roubou vários pedaços do meu pão.





Voltamos aliviados porque tudo deu certo na minha documentação e porque por tabela nos divertimos bastante. Desta vez a viagem mostrou que precisamos ser ultra-flexíveis com nossos planos e ter sempre uma alternativa para não nos frustrarmos. Foi bom também levar Miss S em lugares que antes evitaríamos por ser muito lotado, sem lugar pro carrinho, sem atração pra ela. Foi bom perceber que é possível.

Escrito a mão pela Marcia às 4:43 PM | mais em M&M Family | mais em On the Road Again | mais em That British Kingdom | Comente este fragmento(8)

outubro 18, 2010

Edinburgh Castle (Sort of)

Fui preparar algumas fotos do Castelo de Edinburgh para fazer o post e percebi que não tenho quase nenhuma. Daí lembrei que não era permitido tirar fotos da maior parte do interior do castelo. A prisão e a sala de armas eram as poucas possíveis de registro. A área externa é permitido fotografar mas estava lotada de turistas e eu não gosto de tirar fotos de gente desconhecida, ônibus de turismo, aglomeração de humanos. Então as fotos foram bem escassas nesse dia.

O castelo fica no topo de um vulcão extinto e é belíssimo com as pedras da muralha se erguendo das rochas vulcânicas. As histórias dos muitos regentes que residiram no castelo são fascinantes.

Principalmente a de Mary Queen of the Scots, que foi coroada quando tinha 6 dias de idade. Com 15 anos casou com um regente francês, que morreu dois anos depois. Voltou pra a Escócia, casou com o primo dela aos 19 anos e deu a luz ao seu único filho, James I, um pouco antes do marido ser assassinado. No mesmo ano, casou com o assassino do marido, causando revolta aos Lords. Foi presa e forçada a abdicar o trono em favor do filho, então com um ano de idade. Fugiu da prisão, formou outro exército para retomar o trono, perdeu a batalha e pediu exílio na Inglaterra. Tudo isso com apenas 25 anos. A rainha Elizabeth I, muito caridosa, mandou Mary I para a prisão por 19 anos. Depois enviou-a a julgamento, onde Mary I foi condenada por planejar tentativas de assassinato à rainha Elizabeth I. Foi decaptada em 1587 aos 44 anos de idade.










































Escrito a mão pela Marcia às 9:25 AM | mais em On the Road Again | Comente este fragmento(3)

outubro 12, 2010

Her Majesty's Little Boat



Eis algumas fotos do Royal Yacht Britannia.

O navio foi comissionado em 1954 e se aposentou em 1997, atualmente ancorado em Leith, Edinburgh.

Presidentes Eisenhower, Ford e Regan foram alguns dos convidados a bordo durante seu funcionamento. Príncipe Charles e Diana passaram a lua de mel na embarcação, em 1981.

A atração é bacana porque podemos visitar todos os andares, todas as áreas. Desde à sala de controle, aos nobres aposentos da realeza e também às instalações modestas dos marinheiros, tudo muito bem sinalizado e organizado. E todo o interior foi preservado com os objetos e adornos originais, decorados de forma realista da época em que estava em uso.























Sala privada do Admiral (capitão)





Aposentos da Rainha Elizabeth II





Sua Majestade dorme sozinha. O Duke deve roncar.





Aposentos sem graça do Duke Phillip





Suíte de lua-de-mel





Prataria da casa





Louças e cristais
(gostei mesmo dos armários em madeira maciça)





Sala de Jantar





Mesa posta





Sala de estar





Aposentos dos marinheiros de alto escalão





Aposentos dos marinheiros pés-de-chinelo





Centro cirúrgico





Sala das máquinas e motores





O lugar favorito de Mr.M





Tea room bem bacaninha no convés
(meu lugar favorito - Earl Grey e Victoria Sponge Cake)





Eu e a bóia da Lilibeth



Escrito a mão pela Marcia às 3:54 PM | mais em On the Road Again | Comente este fragmento(16)

outubro 10, 2010

Caledonian Tales

Mr.M, eu e Littlest One tiramos uns diazinhos de férias e atravessamos a fronteira. Viajamos de carro até Edinburgh, capital da Escócia.

Foi a minha primeira vez em terras caledônias e apesar de não ter ido às Highlands nem ter visto o Loch Ness, adorei a experiência e não vejo a hora de um dia voltarmos e explorarmos um pouco mais do país.

Da nossa cidade até Edinburgh são quase cinco horas de viagem. Planejamos duas paradas, uma só pra um café da manhã e a outra em Eyemouth, logo depois de cruzar a borda. Foi lá em Eyemouth que vi e toquei pela primeira vez o Mar Norte.



North Sea visto de Eyemouth, Escócia



Chegamos em Edinburgh e nos hospedamos no Holiday Inn em Leith, que é uma área da cidade mais tranquila e calma e com os melhores restaurantes da cidade. Nesse dia ficamos só em Leith, explorando a área sem pressa.



Leith



Jantamos muito bem no pub The King's Wark. Martin pediu fish & chips e eu me deliciei com fatias de lombo e jus, purê de batata com mostarda e cavolo nero.

No dia seguinte visitamos o belíssimo Royal Yacht Britannia, um dos mais famosos navios do mundo, que serviu de residência para a família real em suas 629 visitas internacionais. Mesmo para quem não se interessa em realeza, o Royal Yacht Britannia é uma atração imperdível em Edinburgh (logo faço um post à parte com as fotos).

Na hora do almoço tínhamos um compromisso bastante especial. Desde que começamos a acompanhar o programa da BBC Great British Menu nos encantamos com o competente e carismático Tom Kitchin, que junto com a esposa Michaela comandam o restaurante The Kitchin, que recebeu sua primeira Michelin Star em apenas seis meses de inauguração. Desde que começamos a planejar nossas férias, o The Kitchin estava na lista de prioridades. Foi nossa primeira experiência gastronômica num restaurante Michelin-Stared. E hoje podemos dizer que foi uma das refeições mais refinadas, mais impressionantes, mais inesquecíveis que tivemos nesta vida, até agora.



The Kitchin



E pata atordoada de um neurônio só que sou, assim que chegamos ao restaurante fomos recebidos calorosamente pela recepcionista, que se ofereceu para guardar nossos casacos e bolsa. Aceitamos cheios de sorrisos e adentramos a sala de jantar livres, leves e soltos. Só quando o primeiro prato chegou é que lembrei que a câmera havia ficado na bolsa, láaaaa na chapelaria da recepção. Oh noes!! Então fiquem inteiramente à vontade de achar que é tudo mentira e invenção porque eu não tenho registro oficial (a não ser a conta, serve?).

Assim que nos acomodamos nas mesas os garçons colocaram os guardanapos em nosso colo e serviram água mineral e vários crisps de legumes, bolachinhas e pães de queijo. Fizemos nosso pedido e logo o sommelier veio nos indicar vinhos. Martin escolheu o espanhol Albarino. Eu e Littlest One ficamos na água mineral mesmo.

Recebemos amuse-bouche, uma amostra grátis da criatividade do chef, geralmente só oferecidos em restaurantes top end ou que estejam em busca da primeira Michelin Star. Nosso foi uma mini-sopa de celeriac e legumes assados. Um mimo gentil e uma delícia.

De entrada pedi o clássico haggis, neeps and tatties, tudo muito bem apresentado, uma camada de fitas de rabanetes em molho, o croquete de haggis por cima, uma coroa de batatas fritas e um ovo de codorna frito enfeitando a escultura. Martin pediu uma linda terrine de peixe defumado (esqueci que peixe que era) com molho de ervas que foi uma revelação de sabor! (Ambos obviamente experimentamos do prato do outro - shameless cheapskates)

O prato principal veio em seguida. Pedimos o mesmo, filé de hake cozido na mais perfeita precisão, pele crocante, carne caindo em flocos úmidos. Cogumelos giroles temperado em um molho espetacular, com um gostinho de lemongrass e o mais fofo dos gnocchis de batata e ervas. Uns cubinhos de tomate vieram no prato e eu achei, em minha santa ignorância e inocência, que eram apenas tomates. Cada cubo, porém, era uma explosão de sabor e temperos impressionantes.

De sobremesa escolhi torta de abóbora com sorvete de laranjas e especiarias. Escrevendo assim parece a coisa mais sem graça do mundo. O que recebi foi uma torta quentinha de base crocante bem aromática e recheio de doce de abóbora como se fosse um creme brulée, caramelada por cima. O sorvete estava divino. E de garnição, sementes de abóbora açucaradas, bolinhas de abóbora cristalizada e calda de abóbora. Foi o prato que mais me arrependi de não ter a câmera porque estava uma arte! Martin pediu suflê de pistachios com sorvete de pistachios. Veio bem alto, fofo, quente, macio, gelado, aconchegante.

Os petit-fours que acompanharam o café e o chá de menta eram madaleines, trufas e nougat. Eu não consegui comer todos, para quem pensa que fine dining é composto de porções miseráveis, grande engano. As porções são bem balanceadas em todos os cursos, nem muito, nem pouco, mas ideal. Achei, na verdade, que a sobremesa foi um pouco grande demais. Nesse dia nem jantamos.

É difícil descrever como um prato (ou quatro) pode evocar tantas sensações únicas, tantas surpresas, tantas exclamações enaltecedoras. Mas foi assim que passamos as duas horas e meia mais fenomenais no The Kitchin, nos surpreendendo a cada detalhe colocado a nossa frente. Absolutamente cada item tinha seu sentido, seu dever na composição do prato. Foram quatro cursos, dois estômagos felizes, dois sorrisos enormes e um bebê que não parou de chutar durante toda a refeição (provando o líquido aminiótico mais privilegiado do mundo, Michelin-stared and all, melhor não acostumar).

As poucas fotos que encontrei dos pratos no Flickr são da MyLastBite, só para ilustrar um pouquinho a nossa magnífica refeição.



Pães de queijo, crisps, beterraba e cenoura


Photo:MyLastBite




Amuse bouche: mini-sopa de celeriac


Photo:MyLastBite




Prato principal: Filé de Hake, girolles e gnocchi de ervas


Photo:MyLastBite


Depois do almoço fomos dar uma passeada no centro de Edinburgh. Visitamos a área chamada New Town, moderna, cheia de lojas famosas, bastante turística e movimentada. O dia estava lindo, céu azul, sol, temperatura amena. Admiramos a arquitetura única da cidade, os parques, o panorama tão diferente, como se os prédios saíssem das rochas.



New Town em Edinburgh





Hotel em New Town





Castelo de Edinburgh, visto da cidade





Cidade de Edinburgh, vista do Castelo





Gaita de Foles



No dia sequinte visitamos o Edinburgh Castle, que apesar de ter várias áreas interessantes, não é assim tãooo bacana quanto o Tower of London. Tínhamos grandes expectativas, já que é um castelo do século 9 e recheado de histórias de decaptação, traição, invasão e casamentos arranjados (o Daily Mail da época devia fazer a festa). É uma atração obrigatória, jamais deixaria de visitar o castelo, mas poderia ser menos fake em algumas áreas (fotos em post à parte).

Passamos o resto do nosso último dia na área chamada Old Town, que sem dúvida é a parte mais charmosa da capital, com vielinhas de paralelepípedos, prédios medievais, aquele cenário que dá a impressão que logo Mel Gibson em trajes de Braveheart vai aparecer acenando na sua frente. Linda e pitoresca Edinburgh.


























Escrito a mão pela Marcia às 11:22 AM | mais em On the Road Again | Comente este fragmento(9)

outubro 24, 2005

Muddy Paws

979022-005.jpg

Nosso final de semana foi divertido, porém cheio de lama. Depois de caminhar/escalar seis quilômetros em Swanage com chuva indo e vindo, voltamos pra casa com as botas e as canelas completamente cheias de barro, folhas, galhos e pedras.

O ponto alto foi que pela primeiríssima vez vi uma raposa! Linda, grande, bem vermelha, rabo fofinho. Atravessou na nossa frente, parou, olhou pra trás e entrou na floresta. Bem bacana.

E então descobrimos que nossa câmera estava com a bateria descarregada. Oh well. Vimos paisagens bucólicas lindas, comemos sandubas naturebas, depois caminhamos até um animal santuary, onde muitos animais que são resgatados ficam ali esperando um novo lar. Vontade de adotar todos.

Pegamos nossa caminho de volta, mas desta vez morro acima, depois morro abaixo. Uff.

Antes de chegar em casa, no entanto, tivemos que passar no Sainsbury's de Poole pra comprar pão, leite e queijo. Martin, que é precavido e troca as botas pelo tênis para dirigir, não teve problema nenhum. Já eu fui deixando minhas pegadas por todo supermercado, feito cachorro desatento.


Escrito a mão pela Marcia às 7:16 PM | mais em On the Road Again

outubro 3, 2005

Old Harry still Rocks

Ontem fizemos uma caminhada de oito quilômetros nas bordas dos belíssimos precipícios de Old Harry Rocks. Em algumas fotos dá para ter uma idéia do quanto a gente se aproximou do edge. Ventava muito forte. Diz a lenda que o Diabo adormeceu nessas rochas.

220_2074.jpg

220_2080.jpg

220_2084.jpg

220_2095.jpg

220_2098.jpg

Escrito a mão pela Marcia às 12:13 PM | mais em On the Road Again

agosto 15, 2005

Walking in Christchurch

A caminhada de ontem durou excelentes quatro horas. Saímos a pé de manhã, alcançamos Christchurch, atravessamos a cidade, chegamos na costa onde pegamos uma trilha circular e voltamos para o centro da cidade. Lá almoçamos num restaurante que frenqüentamos sempre, fatias de pato defumado sobre uma saladona de rúcula, red chard e azeitonas com molho de raspberries simplesmente deliciosa. Andamos pelo centro, tomamos um sorverte de casquinha e perguntamos pro sorveteiro quanto estava o jogo de cricket. Ao saber do placar, apressamos o passo e voltamos pra casa a tempo de ver a última horinha da partida. Já aprendi a fazer a dancinha com as mãos toda vez que a Inglaterra faz 4 ou 6 pontos, tchururúuu. E finalmente pudemos colocar nossos pés pra cima. Daí jantamos peito de peru, arroz integral e salada, liguei pro Seu Jorge para desejar Feliz Dia dos Pais e soube que ele já recebeu os livros que mandamos pra ele de pesente. Sim, meu pai Seu Jorge é agora fã de Harry Potter! Oh yes.

Ruínas de um castelo do século XII
215_1568E.jpg

Na portaria
215_1564E.jpg

Em seu devido lugar
215_1571E.jpg

Quem soltou?!
215_1574E.jpg

Entusiasmado jogo de Bowling
215_1577E.jpg

Escrito a mão pela Marcia às 11:31 AM | mais em On the Road Again

maio 31, 2005

Anda, anda, anda

Dias de sol e Mr.M de folga.

Andamos muitas milhas neste feriado prolongado, cerca de três horas por dia, saindo de nossa casa, até o centro da cidade e a praia. Cansativo mas muito bom. A gente passa o caminho todo conversando sobre o tudo e sobre o nada, sonha e faz planos. Paramos de vez em quando para ver uma flor interessante num jardim ou um passarinho diferente cantando na árvore ou um esquilinho pedindo nozes. As idéias parecem encontrar lugares, o corpo cansado ganha mais energia.

Hoje devemos fazer algo diferente, visitar alguma cidade vizinha e andar por lá.

Temos usado o carro o mínimo possível nos finais de semana, geralmente usamos nossas pernas ou quando muito, transporte público. Melhor para nós, que nos movimentamos um pouco, melhor pro meio ambiente que fica livre dos poluentes do nosso carro, melhor pro carro que desgasta menos, melhor pro mundo todo que precisa parar com esse consumo desenfreado de combustível.

Off we go then.

Nota da autora: às minhas queridas visitas que estão para vir aqui não pensem que a gente obriga todo mundo à marchas forçadas, ok? Com as nossas visitas usamos o carro e levamos todos para todos os cantos com o maior prazer do mundo. :o)

Escrito a mão pela Marcia às 9:38 AM | mais em On the Road Again

fevereiro 21, 2005

M&M in Lulworth Cove

Passamos o domingo todo em Lulworth Cove, distante mais ou menos uma hora da nossa cidade. Esta foi a segunda vez que fomos a esse lugar, mas desta vez o tempo estava bem mais lindo, céu azul, visibilidade excelente e um frio de trincar a pele. Não me lembro quando fizemos uma caminhada tão puxada como essa nos últimos meses. Subimos e descemos morros, montanhas, usamos dois milhões de degraus que davam até a praia, andamos entre as pedrinhas, pedrões e rochas e andamos e andamos e andamos pelos morros. As vistas eram todas magníficas, o que nos fazia querer andar mais e mais pra cima sempre.

Fizemos um picnic simples na praia, comemos sanduiches com pão que -- ahem -- eu mesma fiz em casa. Tomamos muita água, comemos frutas. O sol as vezes conseguia encostar seu calorzinho na nossa pele, mas grande parte do tempo era o vento gélido que nos envolvia.

Frio, frio, frio, principalmente nos topos das montanhas mais altas. Mas fomos bem preparados e aproveitamos bastante do nosso passeio ao ar livre. Foi fantástico, bom passeio, vistas lindíssimas e dois corpos exaustos e felizes de volta pra casa.

LulworthCove1.JPG

LulworthCove2.JPG

LulworthCove3.JPG

:o)

Escrito a mão pela Marcia às 3:46 PM | mais em On the Road Again

janeiro 8, 2005

At Home, at last...

Chegamos de Dublin hoje de manhã.
Exaustos. Absolutamente exaustos.

O casamento foi lindíssimo, a Helen vestida encantadoramente em seu vestido de noiva celta, com longas mangas caindo pelo corpo, seus cabelos ginger encaracolados enfeitados delicadamente com florzinhas de laranjeira, os olhos brilhando de emoção, uma noiva de sonhos, realmente. E Dave estava transbordando de alegria, felicíssimo, orgulhosíssimo do casamento.

A cerimônia foi bacana, a recepção mais ainda, o jantar foi delicioso e a festa noturna bastante divertida. Quem ainda tem a idéia de que britânicos são frios e reprimidos engana-se. Quando eles querem podem ser deliciosamente divertidos, engraçados e cheios de energia para fazer uma festa ficar inesquecível. E foi o caso, certamente. Dave e Helen vão guardar boas memórias desse dia e fico muito feliz por eles, que são pessoas adoráveis.

Ontem reservamos o dia inteiro para conhecer a cidade de Dublin melhor, no estilo que melhor fazemos: caminhando. Mas por mais que a gente estivesse cheios de gás e animação no ínício, a chuva absurdamente torrencial e o vento chatérrimo não parou por nenhum único minuto sequer. Mesmo assim fomos em frente, capuz na cabeça e andamos pelas mais famosas áreas da cidade: Temple Bar, área Viking/Medieval, fábrica da Guinness (super legal), área Georgiana. E a chuva não parava e ficamos ensopados várias vezes e com a água, se foi também nosso bom-humor. Talvez por isso nossa impressão de Dublin não foi uma das melhores, na verdade, não seria um lugar que voltaríamos. Muitos prédios sujos e mal-conservados, trânsito horrível, pouca atração turística. A querida Marcia de Souza já havia me alertado que em Dublin não haveria nada que eu já não tivesse visto na Inglaterra e foi mesmo verdade. Nada nos chamou atenção.

Claro que isso é apenas em Dublin, tenho certeza que a Irlanda tem lugares mágicos e fabulosos, com paisagens e histórias fascinantes. Mas debaixo daquela chuva toda, Dublin não está na nossa lista dos top-of-the-pops-places-to-go. Só voltaríamos lá por uma razão: o brunch que comemos no pub Elephant Castle, em Temple Bar, o mais fantástico fry-up que já comi na vida, tudo sequinho, sem gordura (?) e com direito a torradas francesas (embebidas em custard) regadas com maple syrup que vem à parte. A dica foi de um colega do e-Gullet, mas ele havia sugerido o jantar que o pub serve, que só de ler o cardápio me pareceu muito bom também. Como tínhamos outros planos para o jantar, visitamos o pub para esse banquete matutino. Oásis, puro oásis.

E no jantar fomos ao Wagamama porque eles haviam fechado a noite para doar toda a renda para as vítimas do tsunami. O restaurante estava lotadíssimo e uma fila imensa se formava pra fora, na chuva, mas todo mundo estava animado pra ajudar e comer, claro. Comi bem, mas os restaurantes da mesma rede em Londres são melhores.

Voltamos pro hotel a pé e a chuva começou a ficar seríssima, os ventos muito fortes chicoteando as gotas no rosto. Foi um suplício. Quando finalmente entramos no quarto e achamos que teríamos um sono de pedra, a tempestade piorou e ficou assim noite a dentro. Acordamos trilhões de vezes com o barulhão do vento, com os jatos de chuva na janela e com a preocupação de que o aeroporto poderia estar fechado hoje de manhã.

Quando amanheceu, logo ligamos a TV e os noticiários já confirmavam a forte tempestade que desabou no norte da Grã-Bretanha, com fortes enchentes em 65 lugares. O pior cenário foi em Carlisle, em Cumbria, região de onde a família do Martin vem. Quase toda cidade está embaixo d'água e não tem energia elétrica.

Dublin amanheceu sem chuva, aeropoto aberto (e no avião estavam Dave e Helen também) e voltamos pra casa. Almoçamos, fomos comprar leite, baguete e comida pronta pro jantar e finalmente pudemos nos largar no sofá.

Pheeeeewww. As viagens terminaram.

Tudo o que a gente precisa agora é uma boa noite de sono na nossa caminha bunitinha. Nighty-nighty.

ZzzzzZZZzzZzzzZzzZzzz...

Escrito a mão pela Marcia às 9:27 PM | mais em On the Road Again

janeiro 5, 2005

Terceira Viagem: Irlanda do Sul

Irish.jpg

Hoje vamos embarcar para a Irlanda do Sul, onde participaremos do casamento dos nossos amigos Dave e Helen. O casamento e a recepção vão ser num velho castelo celta, estamos bem curiosos pra ver.

Estamos sem nossa câmera querida, que foi pro conserto para se curar do Err 99 que vem sofrendo há algum tempo. Levaremos a velha e pequena Nikon que temos aqui para pelo menos registrar um pouquinho das nossas impressões da terra dos druidas, leprechauns, U2, pão de Soda, cerveja Guinness, James Joyce e Oscar Wilde.

:o)

Escrito a mão pela Marcia às 10:48 AM | mais em On the Road Again

janeiro 4, 2005

Em Casa

Estamos de volta à Inglaterra, que nos recebeu com seu clima típico e irritante: chuvisco fino interminável com vento e céu cinza. Mas chegamos bem, depois de uma viagem de carro (Böden-Luleå), uma viagem de avião (Luleå-Estocomo), outra viagem de avião (Estocomo-Londres), uma viagem de ônibus (Londres-Bournemouth) e finalmente uma curta viagem de taxi.

Já sentimos muitas saudades de tudo o que deixamos na Suécia, da Mary e do Stefan (que é simpatissíssimo, já contei??), do montão de neve pra brincar, das paisagens tãooo boas de se ver...

A Mary tá contando no blog dela como foi cada um dos dias que passamos por lá. Ela está atualizando aos pouquinhos e linkando fotos inéditas, vale a pena.

Enquanto estivemos na companhia dos nossos queridos anfitriões suecos, aprendi a gostar de umas comidinhas tão boas que eles servem nas fikas!! E tive a oportunidade maravilhosa de trazer um pouquinho desse agrado conosco aqui pra Inglaterra:

SwedishTreats.jpg

Os bulles, tradicionalíssimos pãezinhos doces suecos enroladinhos feito caracol, que a Vera, mãe do Stefan, preparou especialmente para nós com muito carinho. São deliciosos e a Mary fez questão de nos dar mais alguns extras para trazermos pra casa!! Tack, tack, tack keridoka.

Fora isso, toda vez que a gente saía para brincar na neve e voltava com as roupas geladas e o rosto vermelho de frio, o Stefan logo se prontificava para preparar um chocolatinho quente para nos aquecer, com o bom O'Boy. Então trouxe uma caixinha do O'Boy também para lembrar que mesmo em condições climáticas adversas é possível se divertir e ser feliz!

E por último porém não menos importante, em nossa bagagem veio também um tubo do tão famoso, clássico e popular Kalles Kaviar, o caviar suave para crianças! Eu achava que a Mary era fresca e metida comendo caviar de lanche (hahahahahaha, brincadeira queridoca!!!). Mas ela me fez experimentar esta iguaria sem igual, nos costumes suecos, com pão e Philladelphia. Gentem, eu amei. Coisa boa, levemente salgadinho, um fundinho de gosto de salmão, cremosinho. Não comi muito o da Maria por amor à minha cabeça presa ao pescoço, já que ela é voraz seguidora dos amantes de Kalles Kaviar Super Mild, hohohoho (brincadeira de novo, eu comi um montão, até espememos o tubo com rolo de macarrão em busca dos últimos vestígios, hihihihihi...). Mas trouxe este tubinho aí da foto, na versão Mild, que é só um pouquitinho mais forte que o Super Mild, viu Mary? E fomos comprar pão e Philladelphia na cidade e já abri e já comi porque sou uma esfomeada de plantão.

Mmmmmm, bom ter esses saborosos gostinhos para relembrar das nossas férias tão legais!!

Na foto, há também as louças super bacanas que ganhamos da Mary e do Stefan no Natal entre uma montanha de outros presentes que eles nos deram!! Tack.

:o)

Escrito a mão pela Marcia às 6:04 PM | mais em On the Road Again

dezembro 21, 2004

Segunda viagem: para onde fomos??

Chegamos no país onde passaremos nossas férias e um dos mais fantásticos Natais que poderíamos desejar.

Ainda não contei aqui para onde iríamos e aonde chegamos.
Conto amanhã, com fotos dos nossos anfitriões e todos os detalhes.

Por enquanto só digo que a aeronave teve pane elétrica antes de levantar vôo em Londres e tivemos que trocar de avião, com um atraso total de 6 horas. Chegamos no hotel agora a pouco, à uma e meia da manhã.

question.jpg
Escrito a mão pela Marcia às 12:41 AM | mais em On the Road Again

dezembro 14, 2004

Imagens de Leicestershire

No sábado fez um dia lindo, de céu azul e sol maravilhoso e aproveitamos para caminhar nas cidades vizinhas de Lutterworth. Visitamos Foxton e seu canal com barcos-casas e as famosas comportas.

Todas as fotos são de Mr.M. Clique e amplie.

Foxton1.jpgFoxton4.jpg


Foxton3.jpgFoxton2.jpg



:o)

Escrito a mão pela Marcia às 3:01 PM | mais em On the Road Again

dezembro 10, 2004

Primeira viagem: Leicestershire!

Tô atrasada, tô atrasada.

Bagunça geral no que antes foi uma sala de estar.
Mas a mala está pronta, a massa dos gateaux está pronta também (não posso esquecer, não posso esquecer).

Mr.M chega daqui a pouquinho e então off we go!

Vamos visitar a família dele, comer, beber and be merry. E passar frio porque em Leicester sempre faz frio. O que vai ser ótimo para ir me acostumando com a temperatura de freezer. Mas também vou poder sentar na frente da lareira de lenha que o pai do Martin sempre deixa acesa para eu não morrer de frio, conversar com todo mundo, mostrar nossas fotos da África do Sul, dar risada, caminhar entre as ovelhas, vacas, cavalos e respectivos cocôs, dar uma volta no centro da cidade e dormir grudada em Mr.M para o frio ficar de fora.

A gente volta na segunda-feira. E então desfazer as malas e refazê-las novamente e tudo começa outra vez. Eba!

Escrito a mão pela Marcia às 11:20 AM | mais em On the Road Again

novembro 16, 2004

Hey Dude!

191_9169 _web.jpg

No sábado, fez uma manhã de outono fria mas ensolarada em Londres, do jeitinho que eu gosto. Aqui eu estou no Hyde Park, encapotada até a alma e parecendo um dude com esse gorrinho de lã. Yo, man!

:o)

Escrito a mão pela Marcia às 9:44 AM | mais em On the Road Again

novembro 11, 2004

The City

Amanhã cedinho vamos pra Londres. Vai ser uma visita atarefada, preciso ir ao Consulado assinar e retirar uns documentos, depois temos uma porção de outros lugares pra ir e resolver outra porção de coisas.

Vi que no sábado a temperatura máxima vai ser de 7ºC e mínima de 1ºC! O inverno batendo na porta mesmo, já preciso me preparar. Felizmente no final de semana passado estouramos nosso budget e compramos meias quentinhas de caminhada e gorros de lã com forro de fleece, hooray! Pode vir, friozão!

Nossa volta vai ser mais chata, vamos ter que descer do trem, pegar um ônibus no meio do caminho, ir até a próxima cidade, depois pegar o trem de novo para chegar na nossa cidade. Isso porque uma parte da linha do trem vai estar em manutenção, argh. Oh well.

Até a volta.

Escrito a mão pela Marcia às 8:14 PM | mais em On the Road Again

outubro 14, 2004

Fungos

Num dos finais de semana passados, nós fomos caminhar em New Forest, que é uma das principais áreas florestais aqui do sul. Havia chovido alguns dias antes e a vegetação estava incrivelmente verdinha e viçosa, enquanto que a luz já dava sinais de que o outono se aproximava com aquela intensidade mais amena, refletindo um dourado apaixonante. Mas o que mais chamou a nossa atenção foi a quantidade e a profusão de diferentes tipos de cogumelos que encontramos por lá. Uns são comestíveis, outros são venenosos, outros são alucinógenos. Havia uma maneira de descobrir, mas não ousamos, hoho.

NewForest1.jpg NewForest3.jpg

NewForest4.jpg NewForest5.jpg

NewForest6.jpg NewForest7.jpg

NewForest2.jpg NewForest8.jpg

:o)

Escrito a mão pela Marcia às 3:47 PM | mais em On the Road Again

maio 19, 2004

Tudo o que Couber

Luggage.jpg
Então faltam 3 dias para a gente partir para o continente africano. Talvez a gente fique por lá por dois meses, mas talvez três ou quatro, ninguém sabe. E com isso, preciso empacotar minha mala com provisões para pelo menos uns dois meses. Porém, a companhia aérea com a qual vamos voar, acredita piamente que eu não preciso levar casacos, nem blusas, nem o segundo sapato, nem a segunda calça, nem nada, mesmo indo no inverno (oh dear, winter again...). Porque a companhia aérea só nos dá o direito de carregar uma peça de bagagem cada um, de no máximo 23Kg. Sabendo que minha mala vaziazinha da silva pesa 7Kg, reduzimos o total para 16Kg. Tudo o que eu preciso para passar um trimestre em outro país precisa pesar até 16Kg. Oh well.

Por isso, minha idéia de chegar na África do Sul linda, leve e loira com um carregador atrás de mim empurrando um carrinho com minhas malas Louis Vuitton empilhadas em ordem de tamanho não vai ser possível (não que eu tivesse uma mala Louis Vuitton também, sequer tenho uma necessaire do camelô com a mesma marca). Então cá estamos tentando fazer as malas no estilo minimalista less is more. Eu vou ser reconhecida para sempre na África do Sul como aquela-com-aquela-mesma-roupa-todos-os-dias.

Em todas nossas viagens sempre fomos adeptos à filosofia travel light. Adoro todos os conselhos de como diminuir sua bagagem e como carregar menos peso. Mas férias é uma coisa, semi-mudança-temporária é outra.

No entanto, mais do que pensar no que levar, também estamos preocupados com o que vai ficar. Nosso apartamento fechado por todo esse tempo, nossas plantas, nossas contas a pagar e um mundo de outros detalhes. Rob, nosso vizinho do andar térreo, é colega de trabalho do Martin e ele vai ficar de olho no nosso apartamento durante esse tempo. Nossas correspondências estão sendo direcionadas para outro endereço.

(AH! IMPORTANTE: quem for enviar qualquer correspondência para mim durante esse tempo, por favor utilizem apenas meu nome de casada, Márcia Leggett, porque elas só serão redirecionadas se o nome estiver correto, caso contrário vão voltar ao destinatário. Já o envio de caixas, presentinhos (que pretenciosa...) e outras remessas maiores vai ter que esperar até a gente voltar porque esse tipo de entrega é feita por outra empresa e a gente não vai poder usar o redirecionamento pra isso. Tô dizendo tudo isso porque meu aniversário está chegando e eu não vou estar aqui, *wink wink* hohoho...)

Fora isso, tenho que pensar nos pequenos detalhes como por exemplo limpar a geladeira e o freezer inteirinhos para poder desligá-los em breve e também para não encontrar nenhuma surpresa desagradável e fedida na volta. Limpar e arrumar a casa toda, lavar e passar as roupas que vamos levar. Cancelar consultas, agendar pagamentos, anotar dados que posso precisar. Os dias têm sido agradavelmente cheios.

Estou feliz de ir para lá. Animada, entusiasmada e cheia de esperanças. Estou levando apenas dois livros de leitura (e peso) bem leve: Man and Boy (Tony Parson) e The Girl with a Pearl Earing (Tracy Chevalier) e sei que vão ser ótimas companhias quando eu precisar.

Acho que para nós dois vai ser importante mudar de ambiente, receber novas energias, recarregar nossos ânimos. Há dias em que estamos super bem, mas há dias também em que basta um comercial de fraldas para nos fazer desabar e cair em lágrimas. E tudo parece que aconteceu ontem mesmo... Talvez seja mesmo um bom momento para estar longe de tudo que nos cerca aqui, só por um tempo. Talvez seja mesmo um bom momento para fazer as malas e colocar nelas tudo o que couber: otimismo, serenidade, crenças, carinho e esperança, toda esperança de dias melhores.

Porque eles virão, os dias.

Escrito a mão pela Marcia às 12:16 PM | mais em On the Road Again

abril 19, 2004

Londinium

Clique & Amplie

Sobre a Millenium Bridge: de um lado a catedral St. Paul, do outro o Tate Modem

London01.JPGLondon02.JPG


Se na época de Sherlock Holmes existisse metrô, esta seria a estação que ele usaria

London03.JPGLondon04.JPG


O Shakespeare's Globe e a badalada estação Covent Garden

London05.JPGLondon06.JPG


Vitrine da loja de chá em Covent Garden e uma galeria em Waterloo

London07.JPGLondon08.JPG


Nosso querido e famoso Benzão e eu na porta da House of Lords
London09.JPGLondon10.JPG


Escrito a mão pela Marcia às 7:24 AM | mais em On the Road Again

março 22, 2004

Um dia na Idade Média

Visitamos mais uma vez as lindíssimas ruínas Corfe Castle.

A gente não se cansa de ir lá. A paisagem é tão linda, o vilarejo é tão aconchegante e as casas de chá são tão deliciosas...

Click & Amplie
Corfe1.JPG
Mr.M tirou esta foto dizendo: "depois você coloca no blog e mostra para as pessoas como é um típico vilarejo inglês".


Corfe2.JPG
Tenha medo, tenha muito medo: a Bruxa do Cabelo Mogno, huahuahua...


Corfe3.JPG
Vista do alto da torre do castelo. Esta é a região que moramos, Dorset. Excelente para fazer amizades com ovelhas e vacas.


Corfe4.JPG
Doh!


Corfe5.JPG
Spoooooooky! spooky.gif


Corfe6.JPG
Spooooooooooooooooooky! spooky.gif


Corfe6.JPG
Hogwarts Express


Lá no vilarejo, almoçamos sem pressa num café colonial delicioso, compramos pão assado na hora, tortinhas de maçã e de custard. E voltamos pra casa conversando e rindo o tempo todo. Foi um excelente domingo!

:o)

Escrito a mão pela Marcia às 3:00 PM | mais em On the Road Again

março 8, 2004

Sweet Weekend

Nosso final de semana foi bem calmo, doce e feliz.

No sábado Mr. M trabalhou, mas a tarde fomos andar nos parques da cidade, almoçamos num restaurante espanhol delicioso. Eu comi Arroz ao Marinero, cheios de frutos do mar (apesar de ser alérgica) e decorado com um lagostim em cima. Estava bom, um pouco apimentado demais pro meu gosto.

Em seguida caminhamos até o topo da costa, onde dava para ver a imensidão do mar, que estava bem calmo, sem nenhuma onda. Foi lá que tomei pela primeira vez este ano, um sorvete de casquinha ao ar livre! Não era o Mr.Wippy que eu gosto, mas quebrou o galho.

IceCream.JPG

Depois fomos alimentar os esquilinhos com algumas nozes. Fico sempre bem contente de ter esse pequeno contato com animais. Posso passar horas assistindo aos esquilos no parque. Mr.M tirou fotos maravilhosas desse bonitinho que fez poses, caras e bocas para a câmera.

CuteSquirrel.JPG

De lá fomos direto à Poole. Já era finalzinho da tarde e, a caminho do cinema, o sol estava se pondo atrás de nós. Pelo retrovisor, pude prestigiar o espetáculo no céu colorido, que sempre me encanta.

SunsetMirror.JPG

Peter Jackson deve ter comemorado muito no sábado quando os dois únicos seres humanos da Terra que ainda não tinham assistido ao Return of The King foram ao cinema finalmente prestigiar ao final da trilogia! Havíamos reservado os assentos pela Internet e chegamos lá sem pressa, com Coca-cola, salgadinhos e docinhos comprados previamente (tô ficando velha ou o quê, mas não consigo pagar 3 Libras por um saquinho pequeno de pipocas no cinema!!). Cinema quase vazio, lugares ótimos, silêncio na sala, tudo ótimo. Não preciso dizer que amamos o filme, que chorei com Aragon, Frodo e Sam, nessa ordem. Absolutamente genial. E o legal é que eu não tinha lido o livro antes de ver o filme, então assisti sem nenhum julgamento prévio, sem ter a menor idéia do que iria acontecer no final. Fiquei bem contente por isso e agora vou começar a ler o livro. Queria muito que Tolkien pudesse ter tido a chance de ver o filme...

No domingo fomos à Southampton de trem. Almoçamos Chilli con Carne no nosso pub favorito e andamos por todos os cantos, desta vez sem câmera, só para curtir o passeio e namorar. Voltamos pra casa a pé, embaixo de forte chuva de granizo! Menor graça. Jantamos um quiche vegetariano com salada e fomos dormir, exaustos mas com a certeza de que aproveitamos bem o nosso fim de semana juntos.

Hoje Mr.M está embarcando para a Áustria, onde vai dar treinamento na matriz da empresa. E eu já estou morrendo de saudades dele, torcendo para que a quarta-feira chegue bem depressa para a gente se reencontrar. Estou cheia de orgulho dele por ser esse profissional excelente e torcendo para que tudo dê muito certo lá nos alpes, mas não posso esconder que também sinto um pouquinho de tristeza de estar aqui sozinha. Sei que são por poucos dias, mas meu coração tem seus traumas das nossas separações overseas. Esses dias vão ser de muitas atividades voltadas só para mim, enquanto ele estiver fora. Na lista estão banheira cheia de sais, espumas e frescuras, visita à Borders sem pressa de sair, asssistir a DVDs de comédias românticas, eventuais Big Macs (que Mr.M abomina), entre outras coisinhas que me deixam animada. E claro, resistir à tentação de comprar vários filhotes de cachorros e gatos durante esse tempo.

:o)

Escrito a mão pela Marcia às 11:01 AM | mais em On the Road Again

fevereiro 9, 2004

Pé pra Fora da Cidade

Na sexta-feira passada estávamos de saco cheíssimo da nossa monótona cidade e num impulso mais que animado, fizemos as reservas pela Internet e nos mandamos para Londres no sábado de manhã.

Fomos sem fazer nenhum plano e nos divertimos mais do que imaginávamos. Nos hospedamos como sempre, no Holiday Inn, mas desta vez em Victoria, na região central. Estávamos andando sem eira nem beira ao redor do Palácio de Buckinham com a intenção de caminhar perto do lago e ver os cisnes, quando a tropa montada começou a empurrar todo mundo para a calçada, deixando livre a larga avenida na frente do palácio. Ainda sem entender o que estava acontecendo, ficamos lá no meio da multidão, na linha de frente uma vez que fomos educadamente empurrados pelos cavalos, e curiosos para saber o que estava para acontecer já que muita gente já estava com as câmeras na mão. Logo veio a resposta: a Troca de Guarda do Palácio! Nunca havíamos assistido antes e assim, sem querer, acabamos assistindo de um lugar privilegiadíssimo, bem na frente! Foi uma surpresa deliciosa e Mr.M tirou algumas fotos lindas.

Algumas fotos estão com lens flare, mas a gente na verdade gosta desse efeito, acrescenta uma certa personalidade à foto... :o)

ChangingGuards1.JPGChangingGuards2.JPG


ChangingGuards3.JPGChangingGuards4.JPG


ChangingGuards5.JPGChangingGuards6.JPG


Depois da fanfarra toda, almoçamos um panini num café, enquanto um chuvisco caía lá fora. Recuperamos as energias e fomos andar na Tottenham Court Road, onde se encontram as lojas de coisinhas para casa, além de móveis de design fantástico! Nossas preferidas são a Purves & Purves e a Heals, porém a gente fica só babando nos móveis de design assinado, que são caríssimos! Mas acabamos saindo da Purves & Purves com um toast rack maravilhooooooso com a carinha do Gromit, da dupla Wallace and Gromit! Agora nossas torradas vão ficar para sempre sequinhas e mais divertidas.

Gromit Toast Rack.gif

Andamos bastante ao redor da Tottenham Court Road e Oxford Street, paramos para descansar e beber num pub, andamos mais um pouco, compramos algumas coisinhas para o café da manhã no quarto e fomos finalmente fazer o check-in no hotel.

Tomamos um banho e saímos para o Covent Garden. Lá Mr.M treinou algumas fotos a noite, depois jantamos num restaurante indiano no qual não voltaremos nunca mais e em seguida passamos o resto da noite assistindo à performance dos artistas de rua. Voltamos exaustos ao hotel.

CoventGarden1.JPGCoventGarden2.JPG


CoventGarden3.JPGCoventGarden4.JPG

No dia seguinte fomos ao The Natural History Museum, exclusivamente para ver a exposição Wildlife Photographer of the Year, que estava simplesmente incrível! Para quem gosta de fotografia de animais, não deixem de conferir o link da exposição para saborear um pouco deste prato cheio! Mr.M e eu passamos horas lá na exposição lendo como cada foto foi tirada em detalhes, tempo de exposição, velocidade, tipo de lente e principalmente as estratégias de cada fotógrafo para conhecer a rotina dos animais e capturar o momento perfeito. Ao final da exposição, elegemos nossas preferidas:

Pelican.jpg
Martin escolheu esta como a preferida dele por causa do instante tão especial quando este pelicano, ainda com o bico escondido pela asa, deu ao fotógrafo este olhar tão penetrante e tão raro.


Otter.jpg
E eu escolhi esta foto, não apenas por ter sido tirada no Pantanal, mas principalmente pelo desafio de fotografar uma lontra, que é muito ágil e arisca. No entanto, Theo Allofs conseguiu capturar o sublime momento exato em que a lontra emergiu na superfície com um singelo peixe-gato na boca, para o deleite do exausto fotógrafo.

Perambulamos mais um pouco pelo museu, que estava lotadíssimo. Comprei alguns postais da exposição de fotos e Martin tirou mais algumas fotos e logo saímos de lá para almoçar em Leicester Square. Comemos noodles e gyoza no Wagamama, que a gente adora e sempre dá um jeito de ir pelo menos uma vez sempre que estamos em Londres. Hummm!

De barriga cheia, fomos andar novamente, desta vez para visitar a megastore da Jessops, especializada em equipamento fotográfico. A loja era enorme e tinha tudo o que se possa imaginar para fotografia. Martin estava interessado em ver lentes de segunda mão, mas não encontrou nada que agradasse. Comprou apenas um filtro, um tal de circular polariser e ficou feliz da vida.

Logo já era hora de voltar para casa e pegamos o ônibus de volta a velha Bournemouth. Mas foi bom, foi excelente ter passado esse final de semana em Londres, em meio à cultura, ao comércio eclético, ao monóxido de carbono intenso, à profusão de pessoas de várias raças e credos e a tudo que faz de Londres esta cidade que nunca deixa de nos encantar a cada visita.

Meu querido diário, este foi, enfim, meu final de semana.

NHM.JPG

:o)

Escrito a mão pela Marcia às 12:34 PM | mais em On the Road Again

janeiro 5, 2004

Ice House

Em Leicester estava fazendo um frio intenso, com geada, vento frio e clima úmido e congelante.

Num dos dias, fomos até o supermercado no vilarejo de Blaby e na volta a mãe do Martin sugeriu que fossemos dar uma volta para conhecer o parque que ficava lá perto. Neste parque havia um lago e para o meu total espanto, o lago estava completamente congelado, sólido, empedrado!

Era a primeira vez que eu via um lago congelado! Lindo e ao mesmo tempo assustador pela força que o frio tem.

E ao lado desse lago congelado havia uma construção histórica do patrimônio britânico: uma Ice House, ou a Casa do Gelo, preservaada desde a época Vitoriana. São câmaras subterrâneas, com uma porta de entrada principal e com uma pequena abertura no teto.

No século 19, o gelo era uma preciosidade, já que não existia o nosso tão amigo aparelho doméstico chamado refrigerador. Então, quando o Reino Unido não importava o gelo da Noruega, usava o gelo das Ice Houses. O Ice Man, que era o moço responsável pelo duro trabalho de cortar o gelo do lago, estocava o gelo nessas casas. Algumas Ice Houses serviam para conservar carnes, outras serviam de depósito de gelo que depois era vendido em blocos para serem usados na preservação de alimentos, nos hospitais e, é claro, também na produção de sorvetes.

Icehouse.jpg
Foto: BBC Radio 4

Escrito a mão pela Marcia às 11:51 AM | mais em On the Road Again

novembro 14, 2003

Um dia em Londres

Chegamos ao Brasil com um dia de atraso. O motivo? Overbooking do vôo. Mas não, não foi nada de traumático, ninguém berrando nos balcões da Varig, nem nada. Tudo pacífico. Como fomos um dos primeiros passageiros a fazer o check-in, uma funcionária da Star Alliance fez a seguinte proposta: caso nós dois tivéssemos o interesse em ser voluntários para voar no dia seguinte e o vôo realmente desse overbooking, a Varig pagaria a hospedagem em Londres e ainda nos dava um dinheirinho. Se a gente optasse por voltar para casa ou escolher o hotel por nossa própria conta, a Varig aumentaria a quantidade do dinheirinho. Mas, se o vôo não lotasse, voaríamos no mesmo dia, mas em classe executiva. Nada mal, huh?

Optamos por ser voluntários, aguardamos no aeroporto até o fechamento do embarque, ligamos para nossas famílias. O vôo lotou, mas sem stress, ficaram de fora apenas os voluntários: dois casais e um rapaz. Recebemos nossos vouchers e saímos para procurar um hotel.

Ficamos no excelente cinco estrelas Grange Holborn Hotel.

De manhã tomamos um maravilhoso café da manhã, fizemos o check-out, deixamos nossas bagagens no hotel e saímos para dar nosso passeio. Destino: National Science Museum, para ver a exposição The Lord of The Rings!

Londres é a única cidade da Europa em que essa exposição acontecerá. E valeu a pena ter ido! Infelizmente não era permitido tirar fotos, mas posso dizer que foi emocionante ter visto de perto as armaduras, as espadas, as roupas e tudo mais usado nas filmagens. É impressionante como cada detalhe foi cuidadosamente produzido para filmar esse épico.

A exposição fica em Londres até janeiro de 2004.

Escrito a mão pela Marcia às 11:10 AM | mais em M&M in Brazil | mais em On the Road Again

agosto 27, 2003

Os Dias em Leicestershire

A viagem foi tranqüila. Fomos super bem recebidos pelos pais de Mr.M, como sempre. Conversamos bastante, rimos mais ainda e descansamos no jardim. Aliás, o jardim da casa deles é uma delícia! Tem flores e árvores frutíferas, tem horta, espreguiçadeira e um alimentador de passarinhos. Passamos a maior parte das nossas tardes esticados na grama. Uma borboleta pousou bem na minha frente, numa das páginas do livro que eu estava lendo. E outra pousou bem na ponta do nariz de Mr.M!

No sábado fomos às compras no centro. Passamos na Borders lá comprei dois livros: Como Água para Chocolate e Little Women. Depois -- surpresa -- encontramos o DVD Lord of the Rings Two Towers na WHSmith!! O lançamento oficial aqui seria no dia 26, mas no sábado algumas lojas já estavam vendendo e -- como a gente não é silly nem nada -- compramos o nosso! Hooray.

As refeições foram todas maravilhosas. A mãe de Mr.M preparou almôndegas ao forno com pasta ao manjericão, além de bifes com enformado de vegetais, sem contar com sanduíches de bacon, biscoitinhos com Marmite e um monte de outras comidas boas. No domingo, a irmã do Martin fez um churrasco na casa dela e lá fomos nós para mais uma comilança sem fim! Estava tudo ótimo: hambúrgueres, lingüiças, cogumelos, bacon, frango com tempero indiano, asinhas de frango, kebabs, pães, tabule e batatinhas.

Dormimos por lá e no dia seguinte, depois do café da manhã, fomos à um supermercado indiano comprar especiarias. Aliás, aquela área em particular é a região onde se concentra a maior parte da população indiana em todo Reino Unido. É incrível, parece que você está em outro país. Pelas ruas, os únicos não-indianos éramos nós. As lojas são todas voltadas para o público específico: Punjab Açougue, Punjab Cabeleireiros, Punjab Supermercado, Punjab Livraria. E as lojas de roupas são de tirar o fôlego. Centenas de sarees de cores maravilhosas, cheias de detalhes, lindos! E há também lojas de roupas para muçulmanos ortodoxos, que cobrem todo o corpo. Ao anoitecer, lá pelas oito, uma voz intermitente corta o ar de todo o bairro, num tom que me pareceu triste, parecendo uma música, parecendo um choro angustiado. É o chamado da mesquita, convocando todos muçulmanos a fazerem suas preces.

Dentro do supermercado, havia uma caixa de som que tocava uma espécie de mantra/prece sem parar, em volume bem alto. Compramos peppercorns, páprica, dhal, kidney beans e um galão de azeite extra virgem. Tudo tão, mas tão barato! Não chega nem a um terço do preço dos supermercados ingleses.

Voltamos do supermercado e dividimos nossas compras (demos parte das nossas pimentas para a irmã do Martin e ganhamos uma parte das canelas em lascas dela) e a Jackie preparou um delicioso fry-up para o almoço: bacon frito, ovo frito, lingüiça frita, tomates, baked beans e pão. Nhaaaaaam, estava tudo maravilhoso!!!

De volta a casa dos pais do Martin, empacotamos nossas coisas, encaixotamos alguns junkies de Mr.M para trazer para nossa casa e passamos o resto da tarde e da noite só relaxando e aproveitando a companhia.

Ontem de manhã nos despedimos e voltamos para nossa casinha querida. Não sei quando iremos para Leicester novamente, talvez no Natal ou talvez depois. Enquanto isso a gente guarda com saudades esses momentos tão agradáveis que passamos por lá. :o)

Escrito a mão pela Marcia às 8:29 AM | mais em On the Road Again

junho 24, 2003

Corfe Castle

No domingo passado, fizemos um passeio magnífico até a cidade Wareham, que fica a 20 milhas da nossa cidade. Lá fomos visitar as ruínas de um castelo medieval chamado Corfe Castle.

As ruínas que lá existem é uma reconstrução romana, datada do século 11, de um castelo feito de madeira, construído originalmente no século 9.

A arquitetura é totalmente voltada à defesa da região de Dorset e acomodou vários monarcas, entre eles King John, Henry III e Queen Elizabeth I. O castelo foi amplamente atacado por Forças Parlamentares, mas as ruínas são as mais verdadeiras testemunhas da força e da solidez de sua construção.


CorfeCastle1.JPG
CorfeCastle8.JPG


Abaixo, o detalhe das fendas estreitas na fortaleza, onde experientes arqueiros lançavam suas flechas, sem correr o risco de serem atacados de volta.

CorfeCastle2.JPGCorfeCastle9.JPG


O vilarejo ao redor do Corfe Castle é todo construído com o mesmo tipo de pedra do castelo, vindas da região Isle of Purbeck, que é famosa pelas suas limestones.

CorfeCastle5.JPGCorfeCastle3.JPG


Há um trem turístico, do tipo Maria-Fumaça, que acrescenta uma certa nostalgia à região jogando o vapor branco no ar e chamando a atenção com seu apito rouco.

CorfeCastle7.JPG
CorfeCastle4.JPG


Existem várias trilhas na região Isle of Purbeck para a alegria dos amantes de esportes outdoor. Há também bons pubs e casas de chá.

CorfeCastle6.JPGCorfeCastle10.JPG

Foi realmente um passeio encantador! O tamanho das ruínas é impressionante e a paisagem em volta é absolutamente estonteante.

Escrito a mão pela Marcia às 12:04 PM | mais em On the Road Again

junho 16, 2003

Momentos de New Forest

New Forest1.JPGNew Forest2.JPG

New Forest3.JPGNew Forest4.JPG

Escrito a mão pela Marcia às 9:39 AM | mais em On the Road Again

junho 15, 2003

New Forest em Brockenhurst

Estamos de saída para pegar o trem que nos leve até Brokenshurst. Lá vamos fazer um passeio no comecinho da floresta New Forest. A temperatura está na casa dos 26ºC e já estou com o protetor solar a postos, para proteger minha brancura intensa. Até mais. :o)

Escrito a mão pela Marcia às 10:23 AM | mais em On the Road Again

maio 1, 2003

M&M perdidos em Londres

A melhor coisa que fizemos desta vez que fomos para Londres foi não ter feito nenhum planejamento. O único passeio que tínhamos previsto era para o Science Museum, que é tão interessante e fascinante que agrada tanto a engenheiros mecânicos como Mr.M quanto pessoas mais desavisadas como eu. Há também uma área para crianças, cheias de coisas para mover, tocar, girar, uma delícia. Há inclusive uma área que explica todos os "mistérios" de como funcionam os nossos aparatos domésticos. Aprendi passo a passo como a descarga funciona.

Ah sim! E para quem tem por volta de 30 anos, vou contar algo muito dramático e depressivo: o videogame ATARI já é peça do Science Museum, na área de brinquedos.

Este foi nosso primeiro passeio em Londres, assim que chegamos, ainda com as mochilas nas costas, porque o check-in do hotel era apenas às duas da tarde.

Depois de horas caminhando pelos cinco andares do museu, almoçamos famintos num restaurante italiano. Exaustos, demos entrada no hotel Holiday Inn. Hotel bem básico, mas ótimo para as nossas necessidades: cama confortável, chuveiro e banheira, serviço de chá, serviço de quarto e próximo ao metrô, na linha Piccadilly Circus.

Cochilamos por alguns minutos, tomamos um banho e saímos para dar uma volta ao redor do hotel. Acabamos caindo na maravilhosa Tottenham Court Road, que é uma rua especializada em lojas de móveis e decorações. Cada lugar incrível, móveis ultra-modernos, decorações divertidas, tudo muito lindo, amamos!

Fomos para um pub local e depois jantamos num restaurante indiano, que faz juz ao nome: Hot Spicy. Argh!

No domingo, foi o dia do nosso aniversário de casamento! Fomos tomar café da manhã num café perto do hotel, antes de seguir para o Hyde Park, um lugar tranqüilo para se fazer o que a gente mais precisa de vez em quando: nada.


Demos uma passada num lugar chamado Notting Hill, a área mais internacionalizada de Londres, repleta de estrangeiros. Não gostei muito de lá não, muito cheio, muito bagunçado. Passamos na lojinha brasileira, mas estava fechada. Andamos até o Rodízio brasileiro, mas o preço de £17,50 por pessoa nos fez dar meia volta.

Fomos então nos perder pela Leicester Square. Almoçamos num restaurante japonês especializado em noodles, o Wagamama! Pedimos uma porção de gyoza e agora Martin é fã da iguaria! Servidos com um caldo bem suave, os noodles estavam deliciosos, cobertos por fatias finíssimas de carne de porco assada, brotos de bambu, pak-choi e cebolinha verde.

A seguir descemos até a Trafalgar Square, linda com suas fontes azuis, aqueles leões pretos enormes, o obelisco, a visão do Big Ben láááá no fundo. Um lugar de turistas mesmo, sem dúvida.

E eis que nos vimos na frente do National Gallery. Entramos. Indescritível. Lindo demais. Rico demais. O que mais me impressionou foram obviamente as obras mais importantes da humanidade. Ver Sunflowers, de Van Gogh; The Arnolfini Portrait, de Jan Van Eyck; Peace and War, de Rubens; entre outras tantas telas famosas, que eu só conhecia nos livros de História da Arte, foi realmente emocionante. Saber que na frente dos seus olhos estão as tintas que um dia Michelangelo, Rubens, Renoir, Van Gogh e Leonardo da Vinci puseram as mãos é algo indescritivelmente fantástico.


Mas nem só os clássicos são belos. Nos impressionamos também com um artista australiano chamado Ron Mueck, que faz esculturas super-realistas de figuras humanas, que deixam o público realmente de boca aberta, pela perfeição da cor da pele, da composição dos pêlos, dos poros, das rugas e dobras, uma obra admirável.

Saímos do museu e andamos em direção a Piccadilly Circus. Toda vez que eu penso em Londres, a imagem deste cruzamento da Picaddilly Circus é que me vem a mente. Prédios antigos, double-deckers, telões de plasma, muito trânsito, muita gente.


Ainda sem destino, andamos pela Regent Street, visitamos a loja de brinquedos Hamleys e acabamos descobrindo a rua paralela, Carnaby Street, famosa pelas lojas descoladas e mudérnas, uma graça de rua, toda de paralelepípedos, mesinhas na calçada, enfeites coloridos por todo canto. Descansamos os pés no pub Shakespeare's Head, que é todo decorado com trechos de suas obras.

Voltamos para o hotel para um banho e trocamos de roupa para o nosso jantar especial. A escolha foi do Martin: um restaurante belga em Convent Garden, que é outro lugar que adoramos ter conhecido, assim, quase que por descoberta. A área é linda, também toda de paralalepípedos, com restaurantes bem bacanas, teatros, mercado local, docerias, pubs com mesas ao ar livre. Num vão entre as lojas, estava acontecendo o ensaio de alguns cantores de ópera e a delicada música dava para ser ouvida de todos os cantos. Estávamos procurando o restaurante, andando pelas ruas de Covent Garden e eis que subtamente um elegante e magnífico prédio de arquitetura absurdamente estonteante surge na nossa frente: era o Royal Opera House, que está no momento apresentando a ópera Madama Butterfly e o balé de Nureyev.

Encontramos nosso restaurante: o Belgo Centraal. Comemos muita carne regada com cerveja belga, que estavam ambos deliciosos. Apesar do requinte dos pratos servidos, o Belgo Centraal é característico de uma grande tendência dos restaurantes considerados trend em Londres: localizado no basement, ao invés do nível da rua. Ou seja, você entra no restaurante, desce lances de escadas, atravessa a cozinha e aí sim encontra o lugar das mesas propriamente dito, quase num porão mesmo, com mesas comunitárias, decorações contemporâneas destacando entre os tijolos aparentes. Bacana, mas não muito romântico. Mas enfim, a refeição estava excelente, a sobremesa divina e tivemos uma maravilhosa noite.

Dormimos o sono dos justos, quase sem acreditar que fizemos tudo isso num dia só. No dia seguinte, era o dia da nossa partida. Arrumamos nossas mochilas, fizemos o check-out e saimos em baixo de chuva de volta ao Covent Garden, porque queríamos conhecer melhor o lugar. Tomamos café da manhã por lá, passeamos um pouco e seguimos para South Bank, onde fizemos minha tão esperada atração: demos uma volta no London Eye! Apesar da chuva, avistar toda Londres de uma altura de 135 metros, numa das mais modernas arquiteturas e engenharias voltadas ao turismo do mundo foi inesquecível! Valeu a pena cada segundinho quase voando, com ampla visão do Velho Mundo.

Com essa chave de ouro virada, pegamos nosso trem e voltamos para casa, exaustos, felizes e muito, mas muito satisfeitos com nossa mini-férias em Londres. E com a sensação de que ainda há tanto para se ver e fazer por lá nas próximas vezes...

Escrito a mão pela Marcia às 10:02 AM | mais em On the Road Again

abril 25, 2003

Holidays!

Desde ontem estamos de férias. Na verdade, uma mini-férias, até a próxima quarta-feira. A razão dessas férias no meio da primavera é que estamos comemorando uma data muito especial: no domingo, dia 27 de Abril, completamos exatamente um ano de casados!

Passou rápido, não? Há um ano que fizemos uma promessa, um acordo entre nós de nos respeitarmos, de nos apoiarmos um ao outro, de alimentar um amor tão importante nas nossas vidas.

E essa data merece mesmo umas férias especiais, para a gente ficar juntinho e lembrar que há muito ainda a fazer pela nossa relação.

Até recebemos cartões e presentinhos da família do Martin! Umas gracinhas!

Ontem fomos até a cidade de Southampton, que é um lugar que a gente adora, civilizada, bonita, com um shopping center de assustar até paulistas! :p

Hoje vamos relaxar por aqui e amanhã... tcharam! Iremos cedinho pegar o trem direto para a capitar! Isso mesmo, passaremos três dias em Londres, ficaremos hospedados num Holiday Inn da vida e celebraremos os dias chuvosos previstos na cidade mais rica e linda da Inglaterra.

Não sei se vai dar tempo de visitar a dona Lilibete, naquela casa dela cheia de guardas de chapelão, vamos ver.

Ainda não temos um roteiro definido, a idéia é nos perdermos por lá e ir descobrindo as coisas que a gente ainda não viu, que são muitas.

Voltaremos na segunda-feira à noite, portanto, voltarei aqui no blog só na terça-feira. Até a volta!

Escrito a mão pela Marcia às 12:14 PM | mais em On the Road Again

março 23, 2003

Sandbanks

Ontem tiramos o dia para visitar Sandbanks, que é uma área litorânea entre a nossa cidade e Poole. Pegamos o ferryboat e chegamos a um lugar supertranqüilo, água limpa, areia fina e muito vento. Caminhamos por uma loooonga distância, foi bem divertido. O vento estava cortante e o frio vindo do oceano congelava os ossos. Voltamos com os rostos queimados, mas não pelo sol e sim pelo vento. Obviamente não tem muita graça mostrar as fotos das praias bretãs para o povo brasileiro acostumado com as jóias do oceano. Mas mesmo assim foi um bom passeio! :o)

:o)

Escrito a mão pela Marcia às 11:15 AM | mais em On the Road Again

novembro 19, 2002

O dia em Londres

Acordamos cedinho e pegamos o trem das 07h50 da manhã. Chegamos em Londres, compramos nossos passes de metrô para um dia e fomos direto para a estação Piccadily Circus. Encontrei o fotógrafo indicado pelo Consulado, que fica bem na frente das catracas. A foto ficou supercolorida porque eu estava usando uma camiseta vermelha e uma blusa de lã azul por cima, além de estar toda descabelada. Mas o importante é que saiu no tamanho certo e com a data. O Consulado não estava tão cheio, mas como eu tinha três assuntos para resolver, tive que pegar três filas diferentes. Entreguei meus documentos e tive que ir até o correio para pagar a guia Giroslip, que deu um total de £40 (£16 do registro de casamento + £24 do novo passaporte). Voltamos
para o Consulado, entregamos o comprovante de pagamento e peguei os recibos dos serviços em que dei entrada. Aproveitei e também justifiquei minha ausência nas eleições dos dois turnos.

Missão cumprida, fomos almoçar. Estava louca de vontade de ir ao Brazilian Touch Café na Oxford Street, mas a gente estava com pressa e acabamos entrando no Galileo, um restaurante italiano ótimo bem perto do Consulado! Martin pediu um fettuccine ao Alfredo e eu pedi um espaguete à Puttanesca e ambos estavam divinos!

De lá, pegamos o metrô até o destino de um único passeio que havíamos programado: o Museu de História Natural. Fantástico! A arquitetura do museu é inexplicável, tão rica de detalhes, que vale uma visita à parte. Ficamos uma boa meia hora só admirando a parte externa do prédio e gastamos mais de uma hora observando os detalhes da parte interna, magnífico!!! No jardim do museu estavam expostas imagens aéreas tiradas de diversas partes do mundo. O Brasil aparecia em três: Corcovado, Rocinha e Extração de Madeira Ilegal.

Dentro do museu, muitas e muitas surpresas maravilhosas! Já na entrada, um esqueleto de dinossauro de 26 metros de comprimento lhe dá as boas-vindas. As galerias de dinossauros são muito impressionantes e interessantes. Saber que você está olhando para um esqueleto com mais de 70 mil anos de idade é quase inacreditável. Mas há muito muito mais para se ver. A área de animais marinhos também é riquíssima! Há um esqueleto e uma réplica da baleia azul de dimensões inimagináveis, enormes, gigantescas! Os mamíferos empalhados também são bem bacanas, nunca imaginei que um urso polar fosse quase duas vezes maior que um urso pardo! E o feroz esqueleto do tigre-dente-de-sabre também está lá. Enfim, foi uma idéia ótima ter ido visitar o
Museu de História Natural de Londres. Adoramos!

Quando deixamos o museu, faltavam uma hora e meia para a nossa partida de volta para casa. Voltamos para a estação Waterloo,
andamos nas margens do Tâmisa, próximo ao London Eye. Tomamos um copão de chocolate quente (estava um dia congelante!) e pegamos o trem de volta. :o)

Escrito a mão pela Marcia às 5:27 PM | mais em On the Road Again

outubro 11, 2002

Leicester

Hoje a tarde vamos para Leicester, visitar os pais do Martin. Ficaremos lá até segunda-feira, comendo, bebendo e dormindo.
Desde Julho que não vemos os pais dele, eles estão morrendo de saudades de nós. E nós deles também, claro. Ainda preciso passar as roupas, fazer as malas e juntar as coisas que vamos levar. Estou levando uma parte dos legumes para eles, além das coisas que compramos no Brasil: pinga, doce de banana, pão de queijo e imã de geladeira em formato de porquinho (a mãe do Martin coleciona porquinhos). Não posso esquecer meu cobertorzinho extra, já que Leicester é muito mais fria que a nossa cidade.

Adoro quando o pai do Martin acende a lareira (lá não tem aquecedor, brrr) e a sala fica com aquele calorzinho do fogo e cheirinho de pinho queimando. E aí a gente assiste TV ou fica de papo, tomando chá. Quando tem sol, a gente estende a manta de pic-nic no jardim e fica vendo fotos antigas e rindo, tomando chá. De vez em quando a gente vai até a cidade -- sim porque onde eles moram só tem fazendas ao redor mais nada -- dá uma olhada nas lojas, vamos até a feira (não tem pastel), comemos um lanche e voltamos pra casa para tomar um chá! :o)

Enfim, é ótimo ir para lá e esquecer a agitação do dia-a-dia. É ótimo ter essa família por perto, mesmo que jamais ninguém substitua minha família. Mas eu me sinto bem lá, tranqüila, descansada. Os pais dele são pessoas extremamente simples e humildes, a casa é bem pequena e velha (e bagunçada) e tudo isso colabora para que a gente se sinta bem à vontade.

Não tem Internet nem telefone. Só TV. E quase não sinto falta. Quase. :o)

Então, bom final de semana para vocês e até terça-feira!

Escrito a mão pela Marcia às 8:22 AM | mais em On the Road Again

julho 25, 2002

Honeymoon

Tudo tudo deu certo em Búzios. Fizemos uma excelente viagem. Só choveu na manhã de terça-feira, mas todo o tempo restante fez um delicioso sol com céu azul. Estávamos só nós dois de hóspedes na Pousada Praia Rasa. Fomos atendidos com muita atenção e gentileza típica dos buzianos. Nosso quarto tinha uma varanda enorme com vista de frente para o mar, apaixonante! Não visitamos todas as praias de Búzios, apenas as que mais gostamos: Azeda e Azedinha. As duas fazem parte da área de preservação ambiental. Um misto de mata atlântica, pedras e uma água cristalina de fazer qualquer um suspirar.

Comemos muito e comemos muito bem em Búzios! Logo que chegamos enfrentamos um por quilo chamado Boom, de comida boa e preço honesto. A noite fomos a um restaurante mexicano que merece todas as honras, chamado Guapo Loko, com umas fajitas que marcaram história em nossa vida de comilança, sem dúvida! Maravilhoso! No dia seguinte comemos as famosas crepes do Chez Michou, boas também mas nada de muuuito especial não. Já o jantar foi tudodibom e mais um pouco: Chez Briggita's! Atendimento em inglês, ambiente super pitoresco, uma anchova grelhada divina, que encerrou nossa estadia com garfo de ouro!!

Passeamos muito pelas lojinhas da badalada Rua das Pedras mas só compramos camisetas para o meus pais, nada mais. Búzios tem artesanato bem diversificado, mas caro.

A Praia Rasa, de frente ao nosso quarto era uma tranqüilidade de tão deserta e calma. Fizemos caminhadas na areia todos os dias e ontem, como estava muito calor, ficamos no mar por um longo tempo, só relaxando o corpo nas ondas. Que coisa boa!!

Martin adorou as sandálias Havaianas que ganhou da minha mãe. No primeiro dia ele ia andar na praia de tênis e meia. Ensinei a ele a caminhar na areia descalço e segurando as Havaianas pelas tiras. Em pouco tempo ele já estava acostumado e ia sozinho lavar a areia das Havaianas no mar, praticamente um cidadão brasileiro! :o) Depois ele viu um pescador segurando uma Havaiana em cada mão como se fossem luvas e dali por diante ele carregou seu par de chinelos assim. Praticamente um goleiro de pelada de várzea. :o)

Nos divertimos muito, vimos cenários lindos nas praias do Canto, Rasa, da Armação, Azeda e Azedinha, brincamos na água, catamos conchinhas (que eu adoro!), assistimos os pescadores tirarem a rede do mar cheia de peixes, vimos o pôr-do-dol diversas vezes. Enfim, fizemos de tudo para aproveitar cada instante. Até na chuva caminhamos, sentindo os pingos gelados nas costas e o mar morno nos pés. Nada nos desanimou. Tudo foi muito agradável. Tudo foi muito bonito. Como a vida deve ser! :o)

Escrito a mão pela Marcia às 4:56 PM | mais em On the Road Again

julho 22, 2002

Férias dentro das férias

Amanhã de manhã iremos para Armação dos Búzios para relaxar e ter a nossa tão esperada lua-de-mel. Sei que o tempo não está lá muito lindo, mas o importante vai ser curtir a companhia um do outro, passear com calma, ver o mar, comer comida típica litorana e respirar fundo. Espero que tudo tudo dê certo. Quarta-feira à tarde estaremos de volta.

Escrito a mão pela Marcia às 12:37 AM | mais em On the Road Again

julho 16, 2002

Boa Vida

Estamos nos sentindo reis aqui. Toda atenção do mundo para a gente. A Bianca está dormindo todos os dias no nosso quarto, está toda feliz com a gente aqui, ela recebe carinho a cada vez que respira. Minha mãe continua firme e forte na sua decisão de nos transformar naqueles homenzinhos Umpa-Lumpa da Fábrica de Chocolate Wonka. Ontem ela fez virado à paulista com tudo o que tínhamos direito: couve, bisteca, tutu de feijão, etcéteras. Meus irmãos ligaram pra nós. Meus tios e primos já vieram nos visitar, conversamos um bocado. No domingo jogamos boliche e meu primo Maurício fez nada menos que 5 strikes numa partida, sendo 4 consecutivos, assim não dá. Nos divertimos, rimos, tiramos fotos. Ontem fomos comprar umas roupinhas baratas porque estávamos parecendo fagelados de guerra com nossas roupas de mais de 5 anos atrás. Hoje vamos na casa da amiga Natalia para comer fondue, nham! Amanhã encontro mais amigos para um jantar mineiro, uai! Sábado temos um almoço para ir na casa do primo Marcelo. Ufa. Todo mundo nos quer bem, todos querem nos agradar e a gente tem que tomar cuidado para conseguir arranjar um tempo para também ficar em casa com minha família, que é o que mais sinto falta morando longe. Martin tem adorado toda essa hospitalidade, fica muito feliz de ser recebido assim. Meu cérebro está a todo vapor para traduzir todos os diálogos, mas ele se esforça para falar português e presta atenção para advinhar o assunto da conversa. Tudo tem sido maravilhoso aqui no Brasil e são essas as lembranças que ficarão conosco quando retornarmos. :o)

Escrito a mão pela Marcia às 11:53 AM | mais em On the Road Again

julho 14, 2002

Chegamos em São Paulo

O vôo foi muito tranqüilo, chegamos no Brasil com 10 minutos de antecedência por causa dos bons ventos que nos trouxeram. Minha mãe, irmã e cunhado foram nos buscar no aeroporto, foi um encontro de muita emoção!! São Paulo não está nada diferente de seis meses atrás. Mas estou sentindo muito frio aqui, o clima está gelado, mas ao menos o sol têm aparecido!

Ontem almoçamos um arroz com feijão caseiro feito pela minha mãe, que também preparou uma carne assada e salada básica. Jiboiamos e depois fomos com o primo Maurício ao Shopping Morumbi para trocar as lentes do meu óculos em 1 hora (minhas lentes estavam opacas de tantos riscos). Demos uma passadinha no Viena para uns chopps e uns petisquinhos de coxinha, bolinha de queijo e croquetes bem fresquinhos. Voltamos para casa às oito e sentíamos que era meia-noite, tamanho cansaço. Tomamos chá com leite e desmaiamos na cama.

Dormimos cedo e acordamos antes da sete da manhã hoje. Tomamos um café da manhã divino, com pão de padaria quentinho, manteiga e café com leite, típica e deliciosamente brasileiro. Que delícia começar o dia assim! Fomos à feira livre, Martin ficou maravilhado com a quantidade e qualidade dos legumes, das verduras e principalmente das frutas. Gentis como sempre, os vendedores deram pedaços enormes de frutas docíssimas para a gente experimentar. Martin adorou jabuticaba e fruta do conde, compramos algumas delas. E não nos esquecemos de comprar pastés de feira -- dois de queijo e um de palmito -- acompanhados da boa e velha Guaraná Antartica.

Agora estamos enrolando até o almoço ficar pronto: macarronada com frango assado de padaria.

Se isto não é o Paraíso, devemos ter descido numa estação bem próxima! :o)

Escrito a mão pela Marcia às 7:14 PM | mais em On the Road Again

julho 12, 2002

Voando para minha terra

Pessoas queridas e amadas, nossas malas estão prontas, nossos documentos separados, tudo prontinho. Estamos de saída agora de
manhã para buscar nossas fotos, depois iremos almoçar e partir para Londres, quatro horas de distância daqui. Precisamos encontrar o estacionamente onde nosso carro ficará hospedado, fazer o check-in e finalmente embarcar para o Brasil. Estamos muito eufóricos! Eu estou com muitas saudades de todo mundo! O próximo post será escrito em meu velho PC que está na casa de meus pais. Até lá, gente! :o)

Escrito a mão pela Marcia às 10:05 AM | mais em On the Road Again

maio 26, 2002

Compton Acres

Compton Acres fica em Poole. É a realização de um excêntrico sonho de um inglês
que quis reproduzir os mais belos jardins do mundo. São várias seções com características romanas, escocesas, indianas,
egípcias, espanholas, italianas, canadenses, japonesas e inglesas.

DSCN1089.JPG

DSCN1090.JPG

DSCN1125.JPG
Escrito a mão pela Marcia às 10:41 AM | mais em On the Road Again

maio 25, 2002

Compton Acres

Fizemos um passeio lindíssimo hoje à tarde. Assim que meu corpo cansado deixar, vou publicar as fotos.

Escrito a mão pela Marcia às 6:40 PM | mais em On the Road Again

agosto 20, 2001

Domingo Mistico

Ontem foi um dia muito interessante aqui. O dia estava nublado e nao dava para ir a praia... Depois do almoco fomos visitar um apartamento em Bournemouth, muito lindo por fora. Por dentro, ficamos encantados com a sala de estar! Os quartos sao normais, mas a cozinha e' muito pequenininha e o banheiro nao tem janela, so' exaustor. O Martin nao para de pensar nesse apartamento desde que o visitamos e acho que e' o mesmo sentimento que tive quando comprei o meu... De qualquer forma, ainda vamos visitar mais alguns antes de decidir.

Apos a visita ao apartamento fomos direto para STONEHENGE!! Uau, eu queria tanto conhecer, fiquei tao animada!!! E' realmente fantastico olhar para um monumento que ate entao voce conhecia apenas por fotos ou imagens na TV... Olhando em volta do monumento, nao se ve absolutamente nada alem de planicies que vao ate o horizonte... e' um misterio, completo misterio: como conseguiram levar aquelas pedras gigantescas num lugar tao distante...? e para que...? por que...? Uns dizem que era lugar dos rituais sagrados dos druidas, outros dizem que era um relogio solar, ja que e' possivel ver o sol nascer e se por naquela planicie... Um circulo feito de grandes pedras... Os passaros que vivem por la fazem outro espetaculo a parte! Eles fizeram uma revoada muito bem coreografada em toda a volta de Stonehenge enquanto estavamos la! E a grande maioria gosta de pousar sobre o grande Dolmen... interessante mesmo!

Tirei varias fotos, apesar da chuva muito muito forte que estava. Sim, visitamos Stonehenge embaixo de chuva, sem guarda-chuva, mas valeu muito a pena!

O lugar nao e' muito longe de Poole, cerca de 1 hora e meia de carro.

Quando voltamos, todas as lojas ja estavam fechadas e improvisamos um sanduiche para jantar com todas as sobras da geladeira, hehe..

Marcia impressionada com o misterio de Stonehenge

Escrito a mão pela Marcia às 11:57 AM | mais em On the Road Again

agosto 13, 2001

Lake Distric para Relaxar (?)

Depois de tanta correria em Londres, achamos que seria uma deliciosa ideia passar tres dias entre montanhas, lagos e patinhos... Seguimos cerca de 300km ao norte de Londres ate chegarmos numa cidade chamada Cockermouth, uma tipica deliciosa vila cheia de flores, pessoas simples e simpaticas e uma vida muito pacata. O hotel Trout, ah que saudades... um tipico hotel ingles, cheio de charme, extremamente cuidadoso com os detalhes e muito confortavel...

Fizemos caminhadas, alimentamos os patinhos, jogamos pedrinhas nos lagos, andamos e andamos um bocado. Encontramos um casal amigo do Martin, que nos convidaram para almocar com eles. Bem simpaticos, Rob e Louise nos receberam muito bem na nova casa deles! Comemos muito bem em Cockermouth, sendo que em um dos dias resolvemos comprar uma pizza e levar para o quarto. Mas como chegar ate la? Para subir as escadas era necessario atravessar o restaurante chiquerrimo do hotel... "Ah dane-se", pensamos. E atravessamos todo o restaurante com uma caixa de pizza barata, enquanto os hospedes estavam jantando cheio de talheres e tacas e guardanapo de crepe... hehehehehehehe....

Escrito a mão pela Marcia às 7:51 PM | mais em On the Road Again

Mais Londres

O ultimo dia em Londres foi bem corrido mas tambem foi o melhor. Acordamos cedo e tomamos o cafe da manha ingles: ovos mexidos, bacon, linguica, tomate assado, feijao, torradas, marmelada e cha com leite. Era o segundo dia que eu tomava esse cafe da manha e ate entao estava achando engracado...

Visitamos a Torre de Londres, que foi palco de grandes reis, inclusive de Henrique VII que descabeçou três de suas esposas nesse lugar. E' tambem o lugar onde estao guardadas as joias da coroa britanica, lindissimas, preciosissimas e de uma beleza indescritivel. Havia uma transmissao em telao da coroacao da rainha Elizabeth, muito emocionante. Depois seguimos para o British Museum, mas como tinhamos pouquissimo tempo, resolvemos ir direto ao hall do nosso interesse, sem ver as outras riquissimas e interessantissimas exposicoes... Mas ficamos maravilhados com a escolha: Egito Antigo... Oh, vimos mumias, sarcofagos, objetos datados de 6000 anos atras...

Estavamos famintos e entramos num restaurante italiano para almocar e foi la que cometi minha primeira escorregadela. Eu estava com sede e estava um dia quente... Pedimos nhoque e para beber pedi um cha com limao, achando que era um daqueles Ice Tea geladinho... E entao recebo meu prato de nhoque acompanhado de uma bela xicarazinha fumegante de cha de limao... :-D Hehehehehe... Depois disso corremos para o hotel, atrasados!

Tomamos um banho, trocamos de roupa (eleganterrimos, diga-se!) e voamos para o metro. Lotado. Lotado ate a tampa. Fila do lado de fora da estacao. Pensamos que algo havia acontecido, mas nao: esse e' o dia-a-dia de quem precisa de metro na hora do rush... Pegamos um taxi, daqueles pretinhos basicos. E finalmente chegamos ao teatro onde fomos assistir a Cats!!! Na nossa opiniao esse foi o ponto mais alto de nossa estadia em Londres! O espetaculo e' divino, os atores correm pela plateia, a coreografia, a musica, o show inteiro e' de deixar de boca aberta e aplaudir bastante! Muito muito bom mesmo!

Escrito a mão pela Marcia às 7:38 PM | mais em On the Road Again

Londres, tao moderna quanto antiga

Andar de carro em Londres e' uma aventura indescritivel! Inumeras ruazinhas que dao a lugar nenhum, extremamente dificil, apesar de tudo ser muito bem sinalizado e organizado. Enquanto procuravamos o hotel Travelodge, vimos os grandes marcos da Inglaterra: o Palacio de Buckinham, o Big Ben, a Harrod's... Depois de horas rodando perdidos, encontramos o hotel! Muito limpinho e organizado, mas totalmente sem charme. Aquele tipo de hotel para executivos em viagem de negocios, nada mais.

Saimos para ver as lojas, uau!! Harrods e' imensa, muito muito cara, mas e' uma delicia de ver! Depois andamos pela Oxford Street e estava lotadissima, sem espaco para pisar na calcada. Entramos no cybercafe para procurar na Internet onde ficava a Hamley's, a enorme loja de brinquedos. Corremos para la e mexemos em tudo, brincamos com tudo e nao compramos nada, hehehe... muito caro... Tomamos uma chuva muito forte, sem guarda-chuva e passei um frio de trincar meus dentes... brrrrrrrrrrrrr... E entao fomos fazer minha primeira refeicao na Inglaterra: pizza! Hehehe.

No dia seguinte foi o dia em que as coisas sairam fora do esperado, mas foi legal. Fomos ao Palacio de Buckinham para ver a troca de guarda. Nao teve. Fomos entao ao London Eye. Lotado, tickets so para o dia seguinte. Hehehehe. Fazer o que? Martin sugeriu que eu tentasse comprar comida sozinha. Voltei com dois hot dogs e duas aguas que comemos sentados na grama de um parque delicioso! Hehehehehe... Visitamos o London Aquarium, bem legal! Depois era hora de visitar o British Museum: fechado. Oh my god! Hehehehe. Visitamos as pitorescas obras de arte do Tate Modern e depois nos mandamos Leicester Square, o point das baladas inglesas. Tinha uma banda metida a The Cure tocando na rua, hehehehe... Tomamos cerveja num pub e fomos assistir Shrek no cinema (£10 !!!!!), jantamos comida indiana e o garcom encasquetou de falar comigo em espanhol, oh coisa chata!

Escrito a mão pela Marcia às 1:48 PM | mais em On the Road Again

A Chegada na Inglaterra

O voo ate a Inglaterra foi tranquilo. Meu assento era no corredor central e eu queria tanto um lugarzinho na janela... Eu estava la sentadinha quando um comissario da British Airways me perguntou em ingles se eu estava viajando sozinha. Fiquei entusiasmada ao entender e respondi "oh yes!" (a miriam vai rir de mim que eu sei) e depois de muitos "oh yes" o amigo comissario me trocou de lugar com um casal que nao queria viajar no fundo do aviao e entao fiquei com uma fileira inteira so para mim! Notem: eu fui a unica passageira da classe economica a ter uma fileira inteirinha para mim, hehehe... E como fiz esse favor, os comissarios me davam tudo em dobro, recebi ate um cobertor da classe executiva, huahuahuahua... Mas a minha luz nao estava acendendo e nao pude ler meu livro, ohhhh... Ao sobrevoar a Inglaterra senti uma alegria tao grande, misturada com um medo de ser barrada na imigracao... Felizmente eu trouxe tudo o que precisava, inclusive uma carta da empresa dizendo que eu devo estar de volta ao meu trabalho no dia 27, no Brasil. A agente da imigracao fez uma serie de perguntas sobre o Martin e sobre meus planos na Inglaterra. Perguntou tambem quanto eu havia trazido em dinheiro e quando eu disse que havia trazido 3 cartoes de credito ela finalmente carimbou meu passaporte com visto para 6 meses, pufff... Depois corri para pegar minha bagagem e passei voando pela alfandega, que nem me pararam, hehehehe... O Martin estava no saguao me esperando desde as 9:30 da manha (eram 11:30 quando passei pela alfandega). Um rapido abraco, tapinha nas costas e fomos para o estacionamento. O setor de imigracao nao pode nem imaginar que existe envolvimento entre nos ou me colocam de volta no mesmo voo em que vim...

Escrito a mão pela Marcia às 1:27 PM | mais em On the Road Again